Raimunda Teixeira

Raimunda Teixeira – Foto José Ailson (Um Zé)

A artesã Raimunda Teixeira nasceu em Teresina e a sua história é um exemplo de superação. Doou-se tanto para a arte que passou a representar as artesãs do Bairro Poti Velho, a sua trajetória está diretamente relacionada à Cooperativa de Mulheres Artesãs do Poti Velho (COOPERART), onde já foi presidente, tesoureira e secretária. Já foi homenageada pela Prefeitura com a medalha do Mérito Conselheiro Saraiva em 2003 e pelo programa Piauí que trabalha, apresentado pela TV Cidade Verde. Já participou de nove edições do Piauí Sampa e esteve entre as 15 mulheres selecionadas para participar da exposição Mulher Artesã Brasileira que aconteceu em Nova Iorque nos Estados Unidos na sede da ONU. Com a cooperativa conquistaram alguns prêmios, dentre eles o primeiro lugar na Mostra Casa Piauí Design em 2007 organizada pelo SEBRAE.

“A minha paixão é do natural, gosto de valorizar a cor da cerâmica, do rústico. Eu gosto mais do simples, é minha cara, é o que eu sou.” Raimunda Teixeira

Nome Completo: Raimunda Teixeira da Silva

Descrição: Artesã

Data de Nascimento:

Local de Nascimento: Teresina-PI

Mãos que sustentam e que modelam

Raimunda Teixeira nutria um sonho desde a infância de fazer pintura em tecidos, porém não conseguiu concretizá-lo. Ela começou trabalhando nas olarias com a função de carregar tijolos, atividade que perdurou por mais de duas décadas. Aquela era a geração de renda da região. Em 1985 ela mudou de residência, foi morar onde futuramente seria o Polo de Artesanato, naquele tempo já tinha oficina de artesanato e foi nesse período que ela aprendeu a pintar na cerâmica, depois disso Raimunda começou a comprar a cerâmica com os artesãos para pintar. O negócio prosperou e a artista fez o seu próprio forno, começou a produzir suas próprias peças e a família foi se inserindo nas atividades. O artesanato passou a ser a principal fonte de renda não só da Raimunda Teixeira como de muitas mulheres e famílias da comunidade do Poti.

A porta da esperança

Foi pensando no futuro dos filhos que Raimunda Teixeira decidiu abandonar o trabalho pesado da olaria. Não só a Raimunda, como as demais artesãs moldaram o próprio destino transformando o suor em arte e ajudando a erguer não só a sua própria autoestima como a do bairro. As artesãs são convidadas para expor as suas peças na inauguração do Parque ambiental Encontro dos Rios onde começam a ter contato com o turismo. A nova experiência ajudou a fortalecer o vínculo das artesãs, além de permitir o aperfeiçoamento das técnicas com o artesanato e a pintura. Ela conta como a participação das mulheres foi significativa, principalmente com o apoio recebido pelo SEBRAE, que promoveu cursos de capacitação para as mulheres com o foco em modelagem de bijuterias em cerâmica permitindo que elas passassem a atuar de forma mais ativa no artesanato da região e ampliando os horizontes para além do ambiente doméstico ou das olarias. Depois desses cursos mais mulheres começaram a se aglutinar à Associação. “A primeira barreira foi dentro de nós mesmas. De querer mostrar que a gente tinha competência”, diz Raimunda Teixeira.

As mulheres do Poti

O contato entre a arquiteta Indira Matos com as artesãs do Poti Velho fez surgir a coleção “Mulheres do Poti”, tudo começou com a ideia da arquiteta em produzir uma coleção que foi sendo projetada aos poucos com a colaboração de ambas as partes até que apresentasse aquilo que mais representaria a identidade das mulheres artesãs. A coleção é dividida em cinco peças: a mulher religiosa, a do pescador, a da olaria, a ceramista e a das continhas (bolinhas). “Quando terminamos e colocamos as bonecas na exposição todo mundo olhava as bonecas, elas chamaram a atenção e nós ganhamos”, relembra Raimunda Teixeira. A coleção fez tanto sucesso que na primeira participação do Prêmio Top 100 de Artesanato Sebrae as cooperadas ganharam o primeiro lugar, desde então começaram a acumular premiações. A artista também representou o Piauí na exposição Mulher Artesã Brasileira que aconteceu na sede da ONU, nos Estados Unidos.

“A arte é tudo que a gente faz, é pegar um pedaço de argila e transformar usando a nossa criatividade.” Raimunda Teixeira

O artesanato na vida das mulheres

“A cooperativa veio para dar visibilidade e fortalecer o trabalho da mulher” comenta Raimunda Teixeira. A história da artesã está diretamente imbricada à história da ACEPOTI, ela fez parte da sua formação e contribui para o crescimento da associação até hoje. Hoje, enfatiza Raimunda, as mulheres possuem autonomia, contribuem com a renda da família e conquistaram a sua independência. Com a criação do Polo Cerâmico tudo ficou mais organizado, construíram locais de comercialização das obras e locais de produção. É na cooperativa que as mulheres se reúnem e também é lá que elas colocam as suas peças no forno da cooperativa que fica localizado na loja da Raimunda, pois nem todas as mulheres têm forno em suas casas. A artesã conta que é também lá na cooperativa que as obras são colocadas para exposição. “Na cooperativa a gente trabalha, compra boa parte da matéria-prima, produzimos, comercializamos todos juntos”, diz Raimunda Teixeira.

As mulheres das continhas

A responsabilidade afastou Raimunda Teixeira do trabalho como artesã, mas o amor pela pintura é tão grande que ela não conseguiu permanecer longe por muito tempo. “Eu entrei por necessidade, hoje eu sobrevivo disso, mas eu tenho amor. Parece que o barro está no meu sangue” diz a artista. Ela conta e reitera emocionada como a arte transformou a sua vida e a vida de tantas mulheres do bairro Poti Velho. As mulheres das continhas começaram fazendo bijuterias de forma tímida e o fortalecimento delas venceu a resistência dos maridos. “A Maria bolinha hoje consegue fazer colar que participa de desfile de moda”, comenta a artesã. Apesar da variedade de cores usadas na cerâmica ela confessa que gosta dos tons mais envelhecidos, leves, mais simples, semelhantes a cor da cerâmica.

A fome de aprendizado

A arte da cerâmica é uma arte bem familiar, envolve e integra a família, cada membro tem uma função no processo que é dividido em etapas. Raimunda Teixeira quis mudar a sua história por meio da arte e conseguiu ir muito além, fortaleceu a identidade das mulheres e levou o nome do bairro para onde jamais havia sonhado chegar. Conseguiu unir as mulheres e conquistar um espaço antes ocupado majoritariamente pelos homens. A artesã encontrou um caminho na arte, uniu paixão com responsabilidade e sempre teve “fome de aprendizado”. O trabalho de formiguinha foi dando lucros e hoje elas são referências no artesanato brasileiro. Raimunda Teixeira é inspiração e exemplo para as demais mulheres da cooperativa, falar em artesanato no Piauí é falar na “Raimundinha”.

Contatos

http://facebook.com/raimunda.teixeiradasilva

http://instagram.com/raimundateixeiradasilva

Fotos

Outras fontes

http://cidadeverde.com/noticias/195669/valor-profissional-conta-historia-de-sucesso-da-artesa-raimundinha

http://redeglobo.globo.com/acao/noticia/2013/11/mulheres-de-poty-velho-transformam-suas-vidas-atraves-da-ceramica.html

MORAES, Maria Dione Carvalho de; PEREIRA, Lucas Coelho “Mulheres do poty” (gênero, identidade, memória: arte cerâmica e economia da cultura).

 

Última atualização: 03/09/2017

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

5 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…