Érico Ferry

Um artista multifacetado ou vários artistas dentro de uma única pessoa? O teresinense Érico Ferry é pintor, escritor, artista visual, compositor e músico. Não só envereda por diversas artes como domina tudo o que se propõe experimentar. Érico é estudante do curso de Música na Universidade Federal do Piauí e já compôs a trilha sonora para os documentários “O Canto de Jader Damasceno” (2014) e “Ampulheta de Thiago Furtado” (2015). Participou de exposições pela cidade como na Roda de Poesia Tensão, Tesão & Criação, no Café Sobrenatural e na Tomato Gastronomia e Cultura, todas levando a sua série “Deformar para criar”. Além disso, como se não bastasse dominar a pintura, apresentou performances musicais pela UFPI com composições autorais.

“Arte é o que as pessoas criam e como elas conseguem se expressar.” Érico Ferry

Nome Completo: Érico Ferry de Oliveira

Descrição: Pintor, escritor, artista visual e músico

Data de Nascimento: 19/03/1994

Local de Nascimento: Teresina-PI

Descobrindo-se artista

Desde criança Érico Ferry era envolvido com as artes, participava de teatro escolar, gostava de pintar e modelar esculturas. Esse envolvimento não foi alimentado de imediato e sim na adolescência. O artista conta que começou a escrever poesias, contos e explorou o universo das letras sem, no entanto, se considerar um artista. Fazia mais por diversão e pelo impulso de expressar o que sentia. Seu amadurecimento foi acontecendo de forma gradual, mas desde as primeiras apresentações de teatro Érico conta que já levava as atuações para o lado performático, ele percebeu que não tinha jeito, estava tão imerso nas artes e ali firmaria sua morada. Estudou com furor cada uma das artes que se propôs aprender e dominou tudo que experimentou, mas só veio voltar a pincelar seus quadros já adulto, pois passou dez anos sem conseguir se expressar nas artes plásticas. Enquanto isso ele se desenvolvia na questão performática e como instrumentista.

Do Jornalismo para a Música

A arte é uma mistura constante de inspiração e dedicação, doação e muita disciplina. Às vezes é preciso arriscar e assim fez Érico Ferry se permitindo conhecer outra área de estudos. Ele cursava Jornalismo quando descobriu as salas de piano da UFPI, desde então começou a estudar sozinho as possibilidades que o piano permitia explorar. “Aquilo foi o pontapé para que eu largasse o curso de Jornalismo”, diz o artista. Depois de aprovado no curso de Música na UFPI, Érico começou a estudar compulsoriamente e freneticamente, a sala de piano tornou-se o seu refúgio, o artista queria reproduzir as suas músicas preferidas. “Você tem que fazer o que gosta, lutar por isso e procurar conhecimento”, diz Érico. Foi com essa mesma força de vontade e determinação que Érico Ferry conseguiu dominar os instrumentos que se propôs aprender.

A performance musical

O universo performático acompanhou Érico Ferry desde a infância e ele não esconde a atração pela forma de expressão mais excêntrica e provocadora. Sua arte estimula vários sentidos e se complementa com as outras formas de expressão do próprio artista. Érico prefere as formas de expressão mais densas, complexas, por isso é possível mergulhar em suas obras e encontrar relação entre música, pintura e literatura. O artista relembra sobre o seu trajeto musical, dividiu sua carga horária entre estudos e trabalho, ampliando sua jornada de trabalho para a madrugada para poder investir em novos instrumentos musicais. Ele gosta do conceitual, de criar universos e costurar histórias dentro de suas obras e tem como tema inspirador a solidão na metrópole, pois mesmo dentro da multidão a solidão insiste em ser companhia. “A cidades podem te destruir por dentro”, diz o artista.

“A arte nasce de sentimentos, a inspiração é a emoção que é primordial para eu colocar aquilo em prática.” Érico Ferry

Pintura e a deformação da imagem

Depois de aproximadamente dez anos em hiato nas artes plásticas, Érico Ferry investiu na carreira musical, mas retornou para a pintura no final de 2015 e arriscou explorar a tinta a óleo que segundo o artista apresenta um grau de dificuldade grande. Explorou minuciosamente variações de cores e tipos de pincéis até conseguir dominar as ferramentas. Explorou também os desenhos em papel canson e gostou do resultado. Com o tempo foi materializando tudo que estava construído mentalmente e grande parte das suas inspirações para a pintura vem da ficção científica, por isso as estrelas são o assunto recorrente nas suas telas. “Eu gosto de obras que tem uma pegada obscura, gosto de fazer a deformação da imagem”, conta Érico. O artista explica que gosta de brincar com as referências e por isso suas telas exigem um olhar mais atento, é preciso parar um momento e ler o que há por trás da arte. E não é difícil fazer esse exercício já que os desenhos do artista chamam a atenção, são fortes e sombrios. Ele gosta dos tons mais escuros, vermelhos, pasteis e das sobreposições das dualidades entre o claro e o escuro.

Referências artísticas

Tudo o que consumimos artisticamente nos transforma mesmo que de forma sutil. Esse repertório de experiências sensoriais nos ajudam a aprimorar o nosso olhar e a nossa sensibilidade. Não é por menos que Érico Ferry insere nos palcos a performance, afinal com referências como David Bowie, Marilyn Manson, Queen Nine Inch Nails e Ney Matogrosso o resultado não poderia ser outro. Além disso, ele conta que se alimentou com os filmes de Tim Button, David Lynch e Kubrick. Apaixonou-se pela poesia de Alvares de Azevedo e Edgar Allan Poe, depois começou a enveredar para o mundo da poesia escrevendo os seus próprios poemas e suas composições. Érico Ferry resgata algumas das referências da obra de Arthur C. Clarke e Phillip K. Dick de forma simbólica nas suas pinturas.

Amor pela arte

Érico Ferry é o melhor exemplo de dedicação, pois em pouco tempo dominou técnicas que normalmente levariam meses e anos. Tudo que fez foi com muita garra e dedicação, mesmo quando não existia a técnica ele se empenhou para atingir resultados minimamente satisfatórios. Foi encontrando seu próprio caminho estético até fixar uma identidade artística. E conseguiu já que os seus trabalhos são inconfundíveis. Suas obras expressam os sentimentos à flor da pele, são pintados ou escritos com a tinta dos sentimentos que segundo o artista é a matéria-prima de qualquer arte. Pode não parecer, mas as obras de Érico são interligadas, afinal ele não gosta de desmembrar as formas de se expressar segregando-as demais, todas dizem algo e comunicam. O artista mal voltou ao cenário artístico e já começa gradativamente a ocupar os espaços, seus trabalhos sempre estão nos surpreendendo.

Contatos

http://facebook.com/ericoferry69

http://instagram.com/ericoferry

https://www.youtube.com/channel/UC584uy2oRHyqOzMei_bk4Ug

Fotos

Vídeos

Exposições

Exposição e amostra de quatro quadros da série Deformar Para Criar na Tomato Gastronomia e Cultura (2017);

Exposição de três quadros da série Deformar Para Criar na Roda de Poesia Tensão, Tesão & Criação (2017);

Exposição de cinco quadros no Jardim das Crias em Exposição (2017);

Exposição de cinco quadros da série Deformar Para Criar no Café Sobrenatural, Parque da Cidadania (2017).

 

Última atualização: 10/09/2017

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…