Linguagens

PNEUMOTÓRAX

Febre, hemoptise, dispnéia e suores noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não foi.
Tosse, tosse, tosse.
Mandou chamar o médico:
– Diga trinta e três.
– Trinta e três… trinta e três… trinta e três…
– Respire.
– O senhor tem uma escavação no pulmão esquerdo e o pulmão direito infiltrado.
– Então, doutor, não é possível tentar o pneumotórax?
– Não. A única coisa a fazer é tocar um tango argentino.
Poema de Manuel Bandeira

==============

FANAL DO MISTÉRIO ÍNTIMO

Este sou eu, por dentro.
No centro, ossos intactos.
À direita, o coração
cujo conteúdo
é-me transparente.
Assim, de susto, vi-me
na noite de estômago
e solidão reluzentes.
No raio-x íntimo,
o doutor, por mim, constatou:
Tua poesia é esta desnudez
de ser esqueleto e delírio
no intestino de teu próprio
grito:
a claridade de vértebras
a operar enigmas.
Poema de Diego Mendes Sousa

images-23

Diego Mendes Sousa e Manuel Bandeira

Total
2
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas