Soneto número 1, de Geraldo Almeida Borges

Se queres ter alguém por confidente,
Seja este alguém então teu próprio ser,
O mundo é por demais indiferente
Para as mágoas de um poeta compreender.

Não confesses a tua dor pungente,
Nem mesmo àquele que tu pensas crer
Ser-te fiel consolador, clemente…
Ele as — talvez — não possa arrefecer.

Sofreia a dor no coração partido,
Rindo, cantando… baila, e num gemido,
Quando sozinho sofres a chorar;

Na vida este viver não se maldiz,
Suportam-se as agruras; o infeliz
Por venturoso até pode passar…

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas