Suyane Mesquita: materializando o imaterial

Suyane Mesquita é natural de Teresina e começou a trabalhar como fotógrafa desde 2010, trabalhou com diversos ramos da fotografia comercial que vai desde fotografar produtos até fotografar em eventos. Suyane já fez cursos específicos na área e está constantemente pesquisando novas informações para complementar seus conhecimentos aprendidos durante toda a sua trajetória como fotógrafa, atualmente desenvolve um trabalho no fotojornalismo. Suyane Mesquita já participou e ganhou de um concurso de fotografia promovido pela Fundação Monsenhor Chaves antes de iniciar a sua carreira como fotógrafa.

“A fotografia é o que materializa o que é imaterial.” Suyane Mesquita

Nome Completo: Suyane de Mesquita Furtado

Descrição: Fotógrafa

Data de Nascimento: 09/03/88

Local de Nascimento: Teresina

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

Foto: Suyane Mesquita

Primeiras vivências

Suyane Mesquita cresceu observando os trabalhos do pai, Edmilson Furtado, que era fotógrafo e tinha um pequeno estúdio de fotografia no qual recebia clientes. Além disso, cada aniversário das filhas, Suyane e Sabrina Mesquita, o fotógrafo criava um ensaio para comemorar a data e transformava aquele momento em um momento mágico, um ritual em torno da imagem. E sempre que saia para entregar as fotos dos clientes o fotógrafo deixava Suyane responsável por tirar fotos 3×4 dos clientes que porventura surgissem na sua ausência. Além disso, quando o pai precisava de alguma ajuda ela o acompanhava em eventos escolares e toda essa experiência foi fazendo com que a fotografia se tornasse parte da sua educação.

Explorando a fotografia

A vivência com a fotografia foi se intensificando e depois de adquirir a sua primeira máquina fotográfica, foi a partir daí que Suyane Mesquita começou a fotografar as paisagens citadinas e todo o conjunto de situações contidos no Centro de Teresina, demonstrando a paixão pela arte. Isso impeliu a fotógrafa a ampliar seus conhecimentos na área. Dessa forma, Suyane Mesquita inicia sua carreira trabalhando com o fotógrafo Nilson Linhares, um dos seus mentores da fotógrafa e por ter feito da experiência de trabalho uma oportunidade de compartilhar conhecimento. Além disso, Suyane Mesquita teve como grande incentivador o músico Francisco Barroso que lhe deu incentivo Além disso demonstrava, nas suas peregrinações pela cidade, as possibilidades da fotografia e mostrava que o mundo era um verdadeiro laboratório de fabricação de imagens. Segundo Suyane, foi em uma dessas aventuras fotográficas que ela fez o clique que seria escolhido para o salão municipal de fotografia. “Eu fui aprendendo na prática, entendo sobre luz, ambiente, tendo noção das cores e tudo isso influencia na fotografia.” frisa Suyane.

A metodologia de trabalho

Segundo Suyane, a transição do estúdio para o ambiente externo foi um dos fatores que contribuiu muito para o desenvolvimento do seu trabalho, mas os conhecimentos aprendidos ajudaram para que essa passagem acontecesse de forma mais branda. A fotógrafa que foi desenvolvendo seu trabalho pela prática, diálogo com outros profissionais, pesquisas e estudo, discorre sobre a ausência de uma formação especializada em fotografia no estado. E, na ausência das condições favoráveis para desenvolver técnicas necessárias para a profissão, os fotógrafos devem criar mecanismos que compensem esse hiato. Perceber como funciona o mercado de trabalho e mediar os seus próprios contratos foi importante para sentir-se parte do cenário de fotógrafos. Além disso, o contato com os clientes despertou a necessidade da fotógrafa de entender as particularidades de cada trabalho, sempre com o cuidado de produzir um material diferenciado para os seus clientes. Segundo Suyane, ela sente-se profundamente satisfeita fazendo a diferença na vida de cada pessoa com quem desenvolve um trabalho, esse é o seu modus operandi.

“A fotografia é mágica, pois tem o poder de capturar momentos e de paralisar o tempo.” Suyane Mesquita

Foto: Suyane Mesquita

O poder de parar o tempo

“E eu acho que o que me encantou na fotografia foi isso de parar o tempo e você viver aquela lembrança”, diz Suyane Mesquita. A possibilidade de fazer o tempo parar, de brincar com a temporalidade, de imprimir o seu olhar e vivenciar a imagem foram os elementos que mais aproximaram a artista da fotografia. Suyane conta que prefere o fluxo dos bastidores e de acompanhar a organização desde o começo, que é uma das características recorrentes para a profissão. Cada fotógrafo tem o seu estilo, o seu olhar, a sua forma de enxergar e expor a realidade, por isso nenhum trabalho será igual ao outro, mesmo que foquem na mesma situação. Além disso, cada cliente tem as suas particularidades e ela começou a entender que cada trabalho exige uma performance diferenciada. Para Suyane, o que mais atrai o seu olhar é fotografar pessoas e os retratos, pois são neles que ela encontra os momentos não planejados, espontâneos, situações sutis que demonstram a essência da pessoa fotografada. E foi estudando o fotojornalismo que ela percebeu o quanto é afeiçoada pela espontaneidade e de interferir o mínimo possível na imagem. A fotografia, para ela, é compartilhar momentos que podem ser sensíveis e que o fotógrafo deve estar atento para captar os detalhes que o mundo oferece. “A fotografia materializa o imaterial”, pontua Suyane Mesquita.

A paixão que agrega

Suyane Mesquita experimentou muito na fotografia, tem na sua trajetória trabalhos variados que permitiram conhecer um pouco de cada área. Nesse sentido, a fotógrafa criou rememora os momentos nos quais existiam eventos coletivos de fotografia que permitia um compartilhamento de experiências e uma relação de afetividade com a cidade. Como exemplo desse período ela cita o Varal de Fotografia, Piauí Foto Clube, além dos grupos nas redes sociais. Era o momento que os grupos de fotógrafos se uniam para fazer registros da cidade e socializar, um comento que a coletividade era reforçada pela paixão em comum. Segundo Suyane, o esforço para desenvolver um trabalho responsável é a matéria prima para ter o trabalho reconhecido, ter responsabilidade deve ser uma das características mais prezadas pelos fotógrafos.

O papel do fotógrafo

Suyane mesquita é uma fotógrafa apaixonada pelo retrato e que procura desenvolver um trabalho responsável valorizando cada cliente. Ela revela que tem aspirações de estudar colagem na fotografia e que tem uma relação de respeito com a veracidade das situações retratadas, ou seja, sem fantasiar demasiadamente o momento retratado, pois cabe ao leitor da fotografia interpretar o momento registrado. Para a fotógrafa, o que mais importa na profissão é desenvolver o talento, os equipamentos são aparatos usados para diferentes situações, o que importa é treinar a sensibilidade e se encontrar na fotografia. É preciso encontrar-se para fazer aquilo que se ama, sem isso o trabalho pode se tornar algo desgastante. Fotografar é o ato de captar um momento singular no tempo, um fragmento de uma história que revela emoções, por isso a fotografia transmite quem nós somos. Nesse sentido a fotógrafa frisa que tudo é imagem, mas o profissional precisa ter responsabilidade com o que será retratado, precisa ser cuidadoso e ético, pois haverão situações delicadas que não cabem na imagem.

Contatos

Facebook.com/DiasDeInverno

Facebook.com/suyanemesquitafotografia

Instagram.com/suyanemesquita

E-mail: suyanemesquitaa@gmail.com

Fotos

Última atualização: 26/08/2019

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

4 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…