Carmem Kemoly: uma artista em trânsito

Carmem Kemoly é natural da cidade maranhense Timon que, de tão próxima à Teresina, mantém uma dinâmica de parceria com a cidade em uma simbiose que dificulta a criação de fronteiras. A jornalista, MC, pesquisadora e realizadora audiovisual é formada em Comunicação Social pela Universidade Estadual do Piauí e faz mestrado em Comunicação e Cultura na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Carmem já lançou o EP Karma (2019) e participou de diversos slams e saraus Rio de Janeiro, com destaque para o Slam Liberdade em Petrópolis (RJ), Poesia Preta na FLUP (RJ) e Slam das Minas (RJ). Além da música, Carmem Kemoly assina a direção do curta “Esperança” (2019) e do longa “A quem será que se destina a Transnordestina?” (2019). “Eu me descobri artista quando me encontrei enquanto pessoa, humana mulher e de pele preta”, pontua. Nesse processo de autoconhecimento, Carmem percebeu que a criação é uma pulsão que pode viajar por diversas linguagens, seja a música, o audiovisual ou a escrita.

“Eu me descobri artista quando me encontrei enquanto pessoa, humana mulher e de pele preta.” Carmen Kemoly

Nome Completo: Carmen Kemoly da Silva Santos

Descrição: Jornalista, MC, pesquisadora e realizadora audiovisual

Data de Nascimento: 25/ 01/ 1991

Local de Nascimento: Timon, Maranhão

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

Os pilares da educação

Carmem Kemoly teve os primeiros contatos com a arte no ambiente escolar e relembra esse período, pois com aproximadamente seis anos de idade, quando ela fazia a alfabetização, ela teve contato com um livro de português que continha várias músicas para crianças e que eram cantados pela turma na escola. “Eu gostava tanto que aceitei de prontidão a proposta de meu pai de gravar uma fita cassete e enviar para uma tia de Brasília. Veja só, eu gravei meus primeiros singles aos seis anos de idade e quem produziu foi meu pai”, relembra. Ainda na infância, com sete anos de idade ela ganha um concurso de dança na catequese dançando a música “É o tchan na selva” e no mesmo ano, período que cursava a primeira série do ensino fundamental, ela relembra que desenhou uma paisagem de cachoeira e o desenho ganhou alguma competição escolar. Por isso, ao mergulhar nessas memórias, a artista percebe que esses foram indícios da sua ligação com as artes e afirma que nesse sentido o ambiente familiar e escolar foram preponderantes e os pilares que alimentaram essas aptidões.

Encontrando-se no hip hop

Carmem Kemoly mergulhou definitivamente no mundo das artes quando adentrou no universo do hip hop e isso aconteceu quando ela passou pela experiência de estar como correspondente no Portal Correio Nagô (BA), cuja principal ação era divulgar as ações do movimento negro dentro do território piauiense. A vivência ajudou Carmem a conhecer os grupos afro da cidade, inclusive grupos de capoeira, muitas pessoas ligadas ao movimento hip hop e essa aproximação fez com que a jornalista acompanhasse o fluxo de políticas públicas relacionadas ao povo preto. “E minha afinidade poderia ter sido em outro viés da cultura preta, mas foi o ritmo e a poesia que me acharam. Eu me descobri artista quando me encontrei enquanto pessoa, humana mulher e de pele preta”, crava.

Todo esse processo de autoconhecimento foi gestando a artista que conhecemos e que desenvolve um trabalho de cunho social importantíssimo para a cultura não só do Piauí ou Maranhão, mas brasileira. “E parece redundante ter que reafirmar, mas até então, idealizar um horizonte e entender saúde e mente, era ver uma máscara branca em sua frente. E daí eu fui deixando sair o que estava preso, entendendo que eu também podia. Podia ser poeta, intelectual, multiartista, MC e compositora se quisesse, e ainda realizadora audiovisual se eu bem entendesse. Eu fui jogando pra fora, e foi dando nisso.”

Criar é um parto de prazer e dor

“É doloroso dizer que eu crio mais quando não estou bem. E isso talvez não seja saudável. Porque falar de nossas dores é curativo, mas não quando isso se torna algo mecânico”, diz Carmem Kemoly. A artista relata que embora seu processo criativo seja espontâneo ela segue um método para registrar as inspirações que surgem, por isso mesmo sem se obrigar a escrever para ela é importante anotar as ideias primárias e para isso ela pode usar até um pedaço de guardanapo de lanchonete. O importante é materializar a ideia. Carmem é adepta do silêncio como ambientação para as suas criações e ela completa dizendo que o silêncio é artigo de luxo pra população preta que dorme e acorda com a trilha sonora da bala e do tiro, ou com as constantes cobranças para conseguir suster financeiramente o ambiente familiar.

“Eu preciso do meu silêncio pra criar, pra ler e somar isso às minhas vivências. Mas enquanto mulher preta isso também não vem fácil, quando se tem multi funções pra dar conta diariamente”, frisa.

As raízes da Esperança

“Quando encontrei o movimento negro de Teresina em 2012, Esperança Garcia era a personagem da vida real quase que obrigatória de se conhecer. Os esforços naquela época eram de tornar seu nome mais e mais conhecido, e desbravar ainda mais sua história e diversas pessoas, ativistas e pesquisadores estavam engajados nessa missão. Mas foi com o Dossiê feito pela Comissão da Verdade sobre a Escravidão Negra da OAB-Piauí, que a profundidade de sua história ganhou ainda mais destaque. Eu era estagiária da assessoria de imprensa da Ordem nessa época, então acompanhei de perto o trabalho de advogades, historiadores e movimento ativista em compilar esse material, diz Carmem Kemoly.

O curta ‘Esperança 1770’ surge imerso nesse contexto da artista, que superou as dificuldades técnicas para prosseguir com a montagem. A oportunidade perfeita veio em 2017 com o edital de pesquisa sobre gênero e raça lançado pela Ancine que tentou reverter com a proposta o fato de nenhuma mulher negra ter dirigido ou roteirizado uma obra naquele período. Em 2018 Carmem inicia os trabalhos de desenhar um roteiro sobre mulheres pretas no Brasil que a impactavam. Em 2019 surge a oportunidade de participar do Laboratório de Roteiro para mulheres negras na Casa das Pretas (RJ), onde quinze mulheres negras paririam quinze curtas metragens e Carmem Kemoly foi a única das participantes que não gravou no Rio de Janeiro graças à parceria com a cineasta piauiense Milena Rocha. As gravações se estenderam até São Luís que remete o local ao trajeto dos antepassados de Esperança, pois provavelmente eles chegaram pelo porto do Maranhão, segundo o Dossiê. “A personalidade de Esperança, sua força e perspicácia sempre me chamaram atenção porque ela desmistifica tudo que nós não pensamos sobre uma mulher preta escravizada no século XVIII. Ela é conhecedora das leis, e ela luta por isso por meio da escrita.”

Um brado retumbante

Carmem Kemoly fez da arte um refúgio das pressões da vida acadêmica e da militância, seu mergulho no movimento preto aconteceu dessa forma e ela conta que “trocou as falas dos supostos ‘dirigentes’ pelas falas do povo preto através do rap”, dessa forma foi possível transformar a sua motivação em inspiração. A ferramenta de combate só mudou de forma, a artista uniu o ativismo com a música para continuar fazendo política nesse novo espaço. Foi quando Carmem começou a analisar a conjuntura do próprio movimento musical e se encontrou no hip hop que foi o ambiente que mais abraçou as suas causas com toda a bagagem cultural trazida pelas mestras e mestres do hip hop. O movimento hip hop fez a artista dilatar seu olhar e enxergar novos horizontes. “Foi inevitável ver tudo de fora e a música foi fazendo parte de mim, primeiro através da poesia, depois sentindo o que os ritmos queriam me dizer.” Carmem Kemoly conta que o rap do Piauí e do Maranhão foram as suas maiores escolas e grupos como “Afronto” e “Gíria Vermelha” ensinaram muito com suas letras contra colonizadoras. Enquanto mulher MC, Laura Gigriola é a sua grande referência. “Imagina eu muleca, iniciando no rap e sabendo que tinha uma monstra na minha terra que eu poderia me espelhar. Laura me deu aulas com suas letras e foi essencial na minha caminhada”, diz. Além disso, a sua mãe, Leonice Rodrigues, cabeleireira autodidata, empreendedora, apaixonada por plantas, é a sua grande referência sobre ser multi. “Quando éramos crianças, ela desbravava o espaço público sendo sacoleira e revendedora de cosméticos,  e essas andanças foram minhas primeiras memórias do que significava a rua; pra mim isso é arte pura”, crava.

A importância do registro

Carmem Kemoly que sempre viveu no constante trânsito de geográfico, vivenciando diferentes perspectivas, conseguiu perceber a diversidade cultural desde cedo e foi transformando obstáculos na força propulsora para superar todos os desafios impostos pela vida. Para Carmem a arte representa sobrevivência mental em meio ao caos que vivenciamos e o cinema seria a necessidade política, discursiva, narrativa e imagética para as pessoas. Nesse sentido ela completa dizendo que o povo foi usurpado dessa arte durante muito tempo e teve sua memória infringida pelo crime de um Ideal Branco introjetado pela sociedade. Carmem demonstra como é importante o registro e frisa o quanto é importante documentar as memórias orais das pessoas, pois elas responderão muitas dúvidas das gerações vindouras.

Contatos

Facebook.com/Kemolly

Instagram.com/ckemolly

youtube.com/channel/CarmemKemoly

E-mail: carmoly@hotmail.com / carmenkemoly@gmail.com

Fotos

Vídeo

Filmografia

Esperança (2019);

A quem será que se destina a Transnordestina? (2019).

Discografia

EP Karma (2019).

Outras fontes

https://www.piauihoje.com/blogs/agito-cultural/rapper-carmen-kemoly-lanca-ep-em-timon-nesta-quinta-feira-12-335518.html

https://timonagora.com/noticia/300/timonense-carmen-kemoly-escreve-e-dirige-filme-que-conta-historia-de-esperanca-garcia

http://www.revistarevestres.com.br/reves/cultura/a-voz-do-slam/

 Última atualização: 28/02/2020

 

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…
Leia mais

Luana Campos

A cantora teresinense Luana Campos é sucesso de público, seja como vocalista feminina da banda Top Gun ou…