O poder da empatia na arte de Grax Medina

O produtor audiovisual e professor de espanhol Grax Medina Gutiérrez nasceu em Acapulco, Guerrero no México, mas é radicado em Teresina. Grax Medina é formado em Licenciatura em Ciências da Comunicação e Marketing. Em Teresina Grax produziu o documentário TRANSDOC que se destacou por dar visibilidade a população trans, além disso ele tem outros trabalhos como “O Inverno e Depois”, “revista Hoblicua”, “Ensaios Não”, “Booktrailes”, entre outros. Grax Medina também compõe o coletivo o “Coletivo 086” que desenvolve um trabalho de acolhimento. Além disso, Grax tem atuado na comunidade promovendo encontros e bate-papos como o 1º Congresso online de Corpes e Subjetividades Trans 2020” que já está acontecendo e se estende até dia 18 de junho e rodas de conversa como “Fala-Trans” para população Trans e “Trans-mitindo” para a comunidade LGBTQIA+, nas quais são compartilhadas vivências que possam ajudar a todes a se entender melhor em quanto a pessoa e sentirem acolhimento.

 

“Sou um homem trans, o que requer muita coragem. Moro no Brasil há quase 10 anos, vim fazer intercâmbio no Mestrado em Comunicação Social, foi também aqui no Brasil, há cerca de três anos atrás, que iniciei meu processo de transição hormonal.” Grax Medina

Nome Completo: Grax Medina Gutiérrez

Descrição: 19 de novembro 1988

Data de Nascimento:

Local de Nascimento: Acapulco, Guerrero, México

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

 

O despertar pelas artes

Grax Medina é o filho mais velho de dois filhos e foi criado pelas mulheres da sua vida: a sua mãe, a sua avó e a sua tia. Ele conta que desde a infância recebeu o incentivo artístico da família e desde cedo as atividades lúdicas eram colocadas como uma possibilidade de entretenimento, tanto que ele recebeu um violão da sua mãe e passou a frequentar aulas de violão; contudo, Grax não enveredou pelo caminho da música. Foi com a entrada na universidade que Grax Medina teve um contato mais intenso com a arte, pois a disciplina História da Arte despertou o seu interesse pelo assunto e a partir disso ele se aproximou das artes visuais, com destaque para a fotografia e pelo audiovisual.

 

O contato com a produção documentarista

Grax Medina (@graxmedina) despertou para a área audiovisual na graduação, como estudante de comunicação e marketing, mas o seu contato com o vídeo aconteceu mesmo foi quando ele começou a trabalhar em uma lan house, oportunidade que permitiu conhecer o dono da empresa de audiovisual que trabalhava gravando festas. Depois disso ele passou adquiriu um novo ofício que consistia em fotografar e filmar eventos. Esse emprego durou o período da graduação, então ele teve que viajar para o Brasil e se desligar do emprego. Posteriormente, já no Brasil, enquanto cursava o mestrado Grax participa de uma seleção para audiovisuais que deu a possibilidade de ingressar na Produtora Hoblicua, sob responsabilidade do documentarista Douglas Machado, e foi na produtora que ele teve um contato direto com a edição de documentários.

 

A paixão pelo audiovisual

“Sou um homem trans, o que requer muita coragem. Moro no Brasil há quase 10 anos, vim fazer intercâmbio no Mestrado em Comunicação Social, foi também aqui no Brasil, há cerca de três anos atrás, que iniciei meu processo de transição hormonal.” Além da graduação, Grax Medina (@graxmedina) possui cursos técnicos em Contabilidade e em Culinária. E, segundo o artista, ele também é muito engajado com movimento social, inclusive estando na organização do Coletivo086 atuando como produtor audiovisual. E ele afirma que faz tudo com muita dedicação, pois o audiovisual: “representa tudo para mim, sou apaixonado pelo audiovisual, pois ele trabalha com o ver e o escutar, dois sentidos que transmitem sentimentos que são capturados de um momento. Além de eternizar momentos, a produção audiovisual permitir o compartilhamento com milhares de pessoas de todo mundo, que podem sentir o mesmo que eu ou outras sensações.” Grax Medina complementa pontuando que o audiovisual permite compartilhar com o mundo experiências de pessoas trans contadas por pessoas trans gerando assim representatividade. “Acredito que quando uma pessoa trans vê outras pessoas trans em um espaço social ela pode se sentir mais empoderada para ocupar também esses espaços”, frisa.

O audiovisual “representa tudo para mim, sou apaixonado pelo audiovisual, pois ele trabalha com o ver e o escutar, dois sentidos que transmitem sentimentos que são capturados de um momento. Além de eternizar momentos, a produção audiovisual permitir o compartilhamento com milhares de pessoas de todo mundo, que podem sentir o mesmo que eu ou outras sensações.” Grax Medina

 

O Coletivo 086

O Coletivo 086 surge da necessidade de dar visibilidade às minorias marginalizadas, com destaque para as pessoas LGBTQIA+. O coletivo faz isso a partir de produções de materiais audiovisuais, debates, ações de fortalecimento do ativismo trans ocupando espaços públicos de forma ativa. E foi participando da organização do Coletivo 086 que Grax Medina começou a planejar produções audiovisuais com o foco na representatividade LGBTQIA+. Até então, as experiências anteriores foram ampliando o olhar de Grax e sem que ele percebesse foram dando suporte técnico para que no futuro pudesse desenvolver os seus próprios trabalhos. Foi com o coletivo que Grax Medina uniu a paixão pelo audiovisual às causas sociais nas quais acredita. Por isso, para o artista, as criações e produções audiovisuais com foco na representatividade LGBTQIA+ são o marco da sua carreira até o momento. Além disso, essas produções têm gerado um sentimento de realização cada vez maior. O produtor complementa afirmando que o Transdoc é um marco memorável, pois é a primeira produção do Coletivo 086. A partir dela, ele passou a compreender a importância de compartilhar histórias de pessoas LGBTQIA+ como uma ferramenta de representatividade. O Transdoc permitiu, ainda, que as histórias de pessoas trans fossem contadas a partir da sua própria perspectiva.

 

A arte de gerar empatia

“A arte é uma forma de nos comunicar e em especial no meu trabalho uma forma de gerar representatividade.” Grax Medina tem um processo de criação que ele considera bem livre e que geralmente as ideias vêm no dia a dia. Depois disso, ele anota tudo que surge e começa a desenvolver no papel essas ideias. Às vezes, escuta músicas nesse percurso de criação até que, gradualmente, tudo vai ganhando a forma de um roteiro. Além disso, os temas que o artista mais aborda são fincados nas situações vivenciadas pelas minorias socialmente marginalizadas, como a comunidade LGBTQIA+, em especial as pessoas trans. Grax explica esse foco: “É uma escolha pessoal, pois está relacionada com as minhas vivências como homem trans e também é uma forma de ativismo.” Para o produtor audiovisual, o que mais o inspira a criar são as próprias vivências trans e o desejo que ele possui de possibilitar uma maior representatividade das pessoas trans e da comunidade LGBTQIA+ de modo geral.

 

A arte como um refúgio

Grax Medina vem ocupando e abrindo cada vez mais espaços. Atualmente, desenvolve um projeto junto ao Coletivo 086, o 1º Congresso On-line Corpes e Subjetividades Trans 2020, que encerrou no dia 18 de junho. Além do congresso, ele conta que já produziram também duas campanhas audiovisuais: uma sobre o dia internacional das mulheres e outra sobre o dia nacional do orgulho gay. Mais projetos audiovisuais serão desenvolvidos pelo Coletivo 086, pois há um planejamento para desenvolver ações tanto durante o período da pandemia como depois e essas ações seguirão a mesma perspectiva do Transdoc, a de permitir que pessoas trans falem sobre as suas próprias histórias. “Gostaria de falar sobre a relação de ser um estrangeiro morando no Brasil, o que faz com que a arte audiovisual seja um refúgio no qual posso ocupar meu tempo de forma prazerosa e produtiva. Também permite um olhar mais diversificado produzido a partir do encontro de culturas diferentes: a mexicana e a brasileira.”

Contatos

Instagram.com/graxmedina

Instagram.com/graxmedinagtz

Instagram.com/coletivo086

Facebook.com/grax.medina/

Youtube.com/graxmedina

Fotos

Vídeo

Filmes

Trans Doc (2020);

O amor está no céu! (2020);

Guerreras llamadas de mamá! (2020);

Orgullo de ser tu hijo! (2020);

Outras fontes

https://cidadeverde.com/noticias/317133/transdoc-documentario-produzido-exclusivamente-por-trans-e-que-precisa-reverberar

https://g1.globo.com/pi/piaui/noticia/coracao-dividido-diz-mexicano-que-vive-em-teresina-ha-sete-anos-sobre-brasil-x-mexico.ghtml

 

Última atualização: 16/06/2020

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar
Leia mais

Júlio Baros

Nome Completo: Júlio Baros Descrição: Cantor, compositor e guitarrista Data de Nascimento: 22/01/1990 Local de Nascimento: Teresina-PI  …
Leia mais

João Borges

Segundo a teoria criacionista foi dele que nos originamos. O pó da terra é um sinal dos tempos…