Lina do Carmo

Lina do Carmo

A coreógrafa e dançarina Lina Do Carmo reside e trabalha há muitos anos na Alemanha e no Brasil. Seguindo sua formação em dança e teatro no Brasil e nos USA, Lina conclui o diploma em Mimodrama com Marcel Marceau, em Paris e desenvolve na sua trajetória uma linguagem de movimento e gestos igualmente autêntica e autônoma. Assim a artista constrói uma vasta experiência internacional no campo do teatro e inovações para televisão, por exemplo a TV Globo no Brasil. As diferentes técnicas corporais se fundem com a emoção vinda de sua natureza brasileira e cria um estilo único de movimento-gestual, com o qual ela produziu diversas coreografias solos e para grupos.

Nome Completo: Lina do Carmo

Descrição: Coreógrafa e dançarina

Data de Nascimento: 10/10/2016

Local de Nascimento: Teresina-PI

As primeiras experiências com a arte

Lina do Carmo nasceu em Teresina. Ainda na infância a piauiense ganha “ares de artista” nas primeiras aulas de teatro e balé na cidade de Parnaíba, litoral do Piauí, por meio do Grupo Laborarte e do diretor de Teatro na época (1966) Américo Azevedo Neto. Ainda muito jovem em tempos de ditadura e Tropicália, junto a coreógrafa piauiense Eleonora Paiva, músicos e escritores da capital , Lina fez parte de uma geração que rompe com os limites que a capital do Piauí hoje desconhece. Aos 17 anos vai estudar em Fortaleza onde fez o primeiro workshop sobre o método de Eugênio Kusnet no Teatro José de Alencar. De lá parte para o Rio de Janeiro onde cursa a UniRio, faz a Escola de Teatro Martins Penna, e se aproxima da pantomima e do mestre Klauss Vianna, bem como, de artista e referências – Isadora Duncan, Charlin Chaplin – que iniciariam a trilha de sua formação profissional.

O despertar da criação

O despertar da criação coreográfica de Lina Do Carmo foi acontecendo no processo de formação de atriz e mímica. A dança sempre esteve em sua vida desde a infância, como uma forma de estar no mundo e se relacionar com seu corpo e tudo que vive. Lina acredita que o processo de profissionalização é natural, o artista nasce com esta consciência profissional, não são os diplomas que fornecem este ganho mas a vivência. Suas pesquisas expressam suas inquietações. Sobretudo o que nos torna humano, sensível e primordial. A origem como força inesgotável. A riqueza das diferenças. O que parece distante que na verdade é tão próximo, como as contradições podem ser propostas poéticas… E assim tudo a inspira, observa com atenção especial aquilo que se esconde.

Experiências artísticas

Os anos 70, lembrando do slogan “Brasil, ame-o ou deixe-o” do ditador Médici, Lina Do Carmo (www.linadocarmo.de) segue rumo ao estrangeiro e matricula-se no National Mime Theatre(EUA). Retorna ao Rio de Janeiro em 1981 lançando-se no mercado profissional com a criação de “Pierrô Nordestino”, onde, fixa-se como artista independente dando aulas em diferentes escolas de dança e teatro. Nesta época recebe o convite de Nelson Xavier para compor o grande elenco da peça “A Moda da Casa”, ao lado de artistas como Henriqueta Brieba, Iara Amaral, Nelson Dantas, e Anselmo Vasconcelos Ainda e começa a ganhar o reconhecimento da crítica. Transitando no efervescente cenário artístico carioca ganha chances que a conduziam para o mercado da TV Globo e até mesmo para o cinema defendendo uma ponta no filme “Bar Esperança” de Hugo Carvana.

A interdisciplinaridade da artista

No ano 2000, Lina Do Carmo (www.linadocarmo.de) concentrou suas atividades no Brasil, onde desenvolveu novas pesquisas relacionadas à dança e arqueologia, em estreita colaboração com a FUMDHAM (Fundação Museu do Homem Americano), no Parque Nacional Serra da Capivara-Piauí, sua terra natal, dando início ao projeto de arte educação, Pro-ARTE FUMDHAM, um programa de formação, criação e pesquisa, premiado em 2002 Cidadão 21-ARTE, pelo Instituto Ayrton Senna. Em 2003, ela idealiza e dirige o 1° INTERARTES, Festival Internacional Serra da Capivara. E, pelo seu engajamento social e político foi contemplada na indicação em fomento cultural para o “Prêmio Multicultural Estadão“. Entre o Brasil e Alemanha, Lina do Carmo buscou combinar inovação artística, herança pré-histórica e proteção da natureza. Após o sucesso da segunda edição do Festival INTERARTES, em 2004, ela foi premiada pelo CARAVANA FUNARTE INTRA-REGIONAL, que apoia sua tournée nacional com o seu solo CAPIVARA. A Serra da Capivara é mítica para Lina. Lugar do eterno retorno de onde nunca partiu porque lá estão os gestos da humanidade que nos inspira a ver que o múltiplo no singular, a transformação do ser em forma teatral surgindo de um contexto coletivo e individual. As regras de Marcel Marcel ela reencontra sempre nos traços dos ancestrais. Tudo se explica para ela enquanto evocação da vida e inteligência sensível. O teatro e seu duplo de Antonin Artaud, os efeitos de estranheza que implica o teatro de Brecht, a dança-teatro, o ritual. Enfim, uma finte mesmo. Além de que a Caatinga e as formações rochosas são exuberantes e a coloca perplexa diante da beleza. O belo é mesmo inexplicável e toca na nossa porção mais humana. Então a Serra da Capivara a faz esquecer o supérfluo e mergulhar na essência.

Autoconstrução da dançarina

Com o contato com a da dança contemporânea e por meio das aulas de Carlos Affonso, Graziela Figuerosa e Klauss VIanna, Lina Do Carmo opta por ir à Europa e ao encontro do Mestre Marcel Marceau. Em 1983 chega a Paris para a formação na École Internationale de Mimodrame com quatro malas e um filho de quatro anos. Após temporada na França em 1986 Lina é convidada pela Goldston Mime Foundation, em Ohio, como assistente de Marcel Marceau no seu seminário de verão e os novos convites surgidos nessa oportunidade acabam redesenhando seu retorno ao Brasil. Sobre sua experiência com Marcel Marceau, Lina nos conta que “Marcel Marceau foi o olhar que me impulsionou na autoconstrução – na definição de um caminho expressivo onde o gesto é a possibilidade de corporificar os sentimentos e entender na complexidade do corpo todas as vertentes estéticas enquanto revelação, fenômeno e temporalidade extracotidiana. Na verdade Marceau foi aquela escola de regras duráveis pois estão calcadas no humano.” Estabelece-se em Botafogo e se debruça sobre projetos pedagógicos sonhando em abrir uma escola própria nos agitados anos 80. No subsolo do Teatro Vila Lobos ministra as primeiras aulas para alunos como Bebel Gilberto, Cazuza e muitos outros que acabaram despontando no cenário nacional e internacional. Lina inicia então um período de intensa atividade profissional no mercado brasileiro coreografando projetos, dentre outros diretores, com Hans Donner (abertura da novela Sassaricando, especiais para o Fantástico) e atuando em inúmeros projetos no meio artístico carioca. É nesta época que recebe o convite de Eleonora Paiva, coreógrafa que estava a frente da Escola de Dança em Teresina. Lina recebe com entusiasmo e carinho a oportunidade de reencontrar suas origens e retornar pela primeira vez à sua terra natal.

O sonho da dançarina

Para Lina Do Carmo (www.linadocarmo.de) a dança não tem mercado, a dança é resistência a este mundo de mercadorias, a dança é mais que isto. A dança é pintura, escultura, poesia, música, filosofia e assim vamos desdobrando os muitos conhecimentos que a dança possui e processa em vida. Sobre seus sonhos, ela afirma que seu sonho se expressa em tudo que faz. Não tem ilusões, mas sonha em construir um espaço canalizador do belo e de saberes perenes neste mundo em desconstrução e queda de valores substanciais. Seu sonho é contribuir na resistência à mediocridade. Para isto precisa se confrontar com ela, atravessar muros rígidos, amolecer músculos tensos de vaidades inúteis. E de recomendação para quem seja ser um dançarino, Lina do Carmo aconselha “viver aquilo que pulsa silenciosamente e que é guia para atrair a prosperidade. Nunca se deixar influenciar pelas modas e modismos mas sentir a si mesmo e se tornar gesto de esperança”.

Contatos

http://www.linadocarmo.de/1-2-LINA-DO-CARMO.html

info@linadocarmo.de

Fotos

Vídeo

 

Coreografias

Viajante da Luz (Lichtreise);

Flamme des Augenblicks;

Aruanãzug;

Capivara;

Fugitus;

Voodoo do Plastik;

Victoria Regia;

Body Images.

Outras fontes

 

Última atualização: 23/10/2016

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

4 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…