Silmara Silva

“A pessoa é para o que nasce”, é realmente o provérbio popular que melhor define a homenageada dessa semana, é uma das atrizes piauienses de maior expressão na atualidade, Silmara Silva. Além de atuar, a atriz natural de Teresina, é também diretora e estatuísta, e agora se aventura no mundo da música com o “De última Pocket Show” projeto desenvolvido pelo Piauhy Estúdio de Artes, grupo do qual ela faz parte. Silmara tem 17 anos de carreira, e durante esse tempo já realizou diversos trabalhos, entre os quais destacam-se o espetáculo de Dança -Teatro “Hospício Poético” (2009), “O Auto da Folia dos Reis” (2011), pelo qual ganhou o prêmio de melhor atriz do teatro piauiense nesse mesmo ano, e “Exercício sobre Medéia” (2013), o poderoso monólogo que lhe rendeu dois prêmios de melhor atriz, em 2014, na premiação melhores do Teatro Piauiense, e em 2015, no 4º Festival de Teatro de Floriano (PI). A dedicação de Silmara pelo aprimoramento constante, sua busca por entender o “ser” atriz, e, sobretudo, o desejo de tocar a alma humana com sua arte, a tornaram referência para jovens atores e atrizes piauienses. Silmara Silva é uma “operária da arte”.

“Converse pouco, trabalhe muito.” Silmara Silva

Nome Completo: Silmara Pereira da Silva

Descrição: Atriz e diretora

Data de Nascimento: 30/04/1983

Local de Nascimento: Teresina-PI

O primeiro contato da atriz Silmara Silva, com o teatro, foi aos 15 anos, ainda na escola. No começo, Silmara buscou conhecer silenciosamente as pessoas que compunham o cenário teatral teresinense, indo a eventos que faziam parte da programação cultura da cidade, e tentando se situar no ambiente em que estava imergindo. Sua história profissional começa, de fato, com a atuação no espetáculo infantil “Circo Desmontado” (2000), do Dramaturgo piauiense Raimundo Dias, dirigida pelo diretor Roger Ribeiro, do Grupo Proposta de Teatro, de Timon-MA. A partir desse momento, além de precisar lidar com os desafios pertencentes ao universo profissional do teatro, que já não são poucos, a atriz teve de enfrentar o fato de sua família não aceitar seu ofício. Lá no início, antes de se estabilizar em montagens profissionais, a menina sonhadora, filha de empregada doméstica, trabalhou exaustivamente na busca por aprender cada vez mais sobre o fazer teatral, e realizava simultaneamente trabalhos de malabarista, pirofagista e panfletagem nos sinais de trânsito. Silmara fala com orgulho de todas as dificuldades enfrentadas, e de todas as experiências vividas nessa fase de sua vida, pois além de terem lhe servido como escola, foram importantes principalmente por lhe permitirem resistir, ainda hoje, aos desafios, que é ser artista no Piauí. A operária da arte continua trabalhando incansavelmente, pois diz ter certeza de que nasceu para o teatro, e que só assim se sente existindo verdadeiramente.

Mergulho no ofício de atriz

Nesses 17 anos exercendo seu ofício, Silmara Silva sempre buscou extrair o máximo de si mesma, estudando incansavelmente em sua pequena biblioteca de teatro, e repensando a cada passo o seu “fazer teatral”. A atriz passou por alguns grupos de teatro ao longo dessa jornada de autoconhecimento, como Grupo Proposta, Grupo Personas, e Grupo Corpos, até se encontrar com seu grupo atual, o Coletivo Piauhy Estúdio de Artes. Silmara reúne em seu currículo uma série de espetáculos, e entre eles, o já citado, Hospício Poético (2009), espetáculo de Dança-Teatro, que trazia um olhar e uma escuta afinada em cima dos transtornos mentais, com direção e encenação colaborativa entre ela e os bailarinos Datan Yzaká e Paulo Beltrão, tendo sido apresentado em vários casas de espetáculo do Piauí. Trabalhos como esse mostram o esforço da atriz em entender a alma humana, levando aos palcos discussões e reflexões. Silmara se interessa muito na troca entre ator e espectador, e nos bons frutos que podem ser colhidos a partir disso. Sua procura é, sobretudo, por um teatro com criatividade e personalidade, fundamentado em estudos e principalmente muito esforço e disciplina. Segundo a atriz, é preciso aprofundar questões, pois o teatro tem um papel muito importante na construção humana. E é por acreditar nisso que ela luta juntamente com outros artistas pela implantação do tão sonhado curso de Artes Cênicas em Teresina.

O teatro que rompe barreiras

A atriz Silmara Silva já teve oportunidade de levar o seu trabalho para diversos palcos por todo o Brasil. Prova disso, foi a sua circulação pelo Norte-Nordeste do país, com o premiado espetáculo infanto-juvenil “O Auto da Folia de Reis” (2010), com direção de Adalmir Miranda, do grupo Corpos de Teatro. Esse trabalho a consagrou com o título de melhor atriz de 2012, na premiação dos Melhores do Teatro Piauiense. Silmara também escreveu e atuou em “Infância” (2011), montagem premiada no 1º Festival de Cenas Curtas-OPEQ. E ainda na linha de espetáculos infantis, dirigiu e adaptou o espetáculo “Circo saltimbancos” (2012), baseado no texto “Saltimbancos”, de Chico Buarque. Para a atriz, o teatro infantil, antes tido como ingênuo, evoluiu satisfatoriamente em todos os aspectos, e deve ser visto de uma maneira diferenciada. Esse tipo de teatro tem a função principal de discutir valores humanos como a bondade, solidariedade, honestidade e amor, e precisa ser tratado com tanto profissionalismo quanto os demais gêneros teatrais, por ter a responsabilidade de dialogar diretamente com um público em desenvolvimento, auxiliando na formação do caráter e educando para a vida

“Ela é mulher piauiense, com coro de bode e nasceu para mostrar que essa força transcende.” Silmara Silva

Exercício sobre Medeia

Carreira estabilizada, prêmios recebidos, sucesso de crítica e público, Silmara Silva já tinha tudo isso quando resolveu se lançar rumo ao desconhecido, por sentir a necessidade gritante de descobrir novos caminhos que dessem o verdadeiro sentido à sua arte. Foi para resolver os conflitos pelos quais passava que surgiu “Exercício sobre Medéia” (2013), com direção de Adriano Abreu, e realização do Coletivo Piauhy Estúdio de Artes.  O espetáculo levou um ano para ser montado, e durante esse período, a atriz treinou exaustivamente o corpo e a mente, para adquirir o condicionamento físico e psicológico, que resultaram, em cena, na sua poderosa personagem. Todo o esforço valeu a pena, Silmara já foi duplamente agraciada com o troféu de melhor atriz por esse trabalho marcante, que contribuiu pela inovação que impôs na linguagem do teatro piauiense. A peça já foi encenada em vários palcos, como no Rio de Janeiro (2015), e Ceará, durante participação no 23º Festival Nordestino de Guaramiranga-CE (2016).  E ainda no ano passado, desembarcou em Mindelo (Cabo Verde), para participar da 22.ª edição do Festival Internacional de Teatro do Mindelo (Mindelact). “Exercícío”. O trabalho volta a ser apresentado nos palcos de Teresina, em Março, numa temporada de quinta a domingo no Espaço Sobrado. É um trabalho primoroso e potente, que vale a pena conferir.

A Operária da arte

“Converse pouco, trabalhe muito” é a primeira dica da atriz Silmara Silva para quem pensa em ser artista no Piauí. E disso ela entende bem, pois como já dissemos, teve que lidar com a descrença da própria família ao seu trabalho. Foi preciso e ainda é, trabalhar muito para provar que é possível, sim, ser artista no Piauí. É isso mesmo! Quem imagina que a vida de artista só é feita de glórias e lindos espetáculos, se engana. Se fatores históricos e culturais são barreiras para os artistas brasileiros, no estado do Piauí, essas barreiras são ainda maiores. Para a atriz, é preciso vencer as adversidades diariamente, e acima de tudo, seguir respeitando a profissão, sem se importar com a fama ou o sucesso, tendo como principal preocupação o exercício digno do ofício. É preciso, sobretudo, existir para a arte. Silmara acredita que com a implantação do curso de Artes Cênicas em Teresina, será possível dialogar com a cena local, o que provocará um crescimento tanto intelectual quanto estético, uma vez que o teatro contemporâneo sobrevive de pesquisa para se fortalecer.

Garimpando o mundo das artes

Fechamos essa semana de homenagens à Silmara Silva, dizendo que ela é sim, uma operária da arte. A menina que anotava as agendas culturais que passavam na tv, ou eram publicadas em jornais, e que começou timidamente a frequentar os teatros, conhecer pessoas, trabalhou exaustivamente para levar adiante seus sonhos de sobreviver de arte. Viajou o Brasil, participou de vários festivais, e foi até para a África. Silmara ousou sonhar, e segue da mesma forma, com o insaciável desejo de conhecer o universo teatral, sua espiritualidade, sua técnica, seu amor e emoção. É possível perceber a preocupação que  Silmara possui em saber como sua arte vai chegar até o público, onde vai tocá-lo, influenciá-lo, magoá-lo ou transformá-lo. Se inspirando em nomes como como Marcelo Flecha (Coordenador da Pequena Companhia de Teatro -MA), Lari Sales (Atriz e presidente do Sindicado dos Artistas), Lorena Campelo e Edithe Sampaio, a atriz segue na sua busca, tentando tocar a alma humana com sua verdade, ao dizer para a humanidade que existe, que está disposta a servi-la, através dessa arte que cura É nessa troca que está o alimento de que ela necessita para a alma. E Silmara segue trocando, trabalhando incansavelmente. É esperar para ver os frutos de cada uma dessas buscas, pois como Silmara Silva disse “Ela é mulher piauiense, com coro de bode e nasceu para mostrar que essa força transcende”. Evoé, Silmara!

Contatos

http://facebook.com/silmara.silva.393

http://instagram.com/silmarasilvapi

Fotos

Vídeos

 

Espetáculos

Memórias Póstumas de Brás Cubas (2000);

Morte e Vida Severina (2000);

Circo Desmontado”(2001);

Homem Terra” (2003);

Faces (2004);

Assombrações (2005);

Ulisses entre o amor e a morte (2007);

Hospício Poético (2009);

O Auto da folia dos Reis (2010);

Exercício Sobre Medéia (2013);

Leituras dramáticas (2013);

De última Pocket Show

Hospício Poético (2009)

Infância (2011)

Auto de Natal (cidade de União PI) (2011)

Artista na dor (2011)

Circo Saltimbancos (2012)

Outras fontes

https://www.meionorte.com/blogs/culturaeturismo/piauiense-silmara-silva-vai-ao-rio-abrir-o-projeto-grandes-minorias-com-medeia-315629

http://www.gp1.com.br/noticias/silmara-silva-atriz-piauiense-se-apresenta-em-porto-velho-259166.html

 

Última atualização: 12/02/2017

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
3 comments
  1. Uma atriz arretada. O pé se firma na terra, ela enreda um passo de tango, mas aí a força a enraiza nesta vivência telúrica da arte. E se entrega, e não tem medo!
    Fico orgulhoso de ver as fotos de sua leitura de um texto meu ainda cru, na elaboração pela elocução e pelo o corpo da atriz. Foi perfeito o passeio pela dor de “Germano”, essa figura ora corajosa ora covarde. E Silmara se entregou sem medo. E me deu o presente de apurar o texto, de ver o texto, como se fosse uma manobra da locura ou do absurdo. Mas lá estava ela, se descontruíndo nesta personagem ainda sem pele. E como um artrópode, que acabou de perder seu exoesqueleto, ela surge com outra couraça.
    Obrigado pela sua forte, sublime e ilumanada existência.
    Roberto Muniz Dias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…