Fernando Freitas

Fernando Freitas é ator, bailarino, coreógrafo e drag queen é natural de Teresina e está constantemente produzindo. No teatro já montou peças renomadas e premiadas como: “Raimunda Pinto, Sim Senhor!” (1992); “D+ show – Coletivo” (2004); “Harém Conta o Assassinato do Anão do Caralho Grande” (2005); “Chá das Quintas” (2007); “A Casa de Bernarda Alba” (2009); “Macacos Me Mordam! – A Comédia” (2012); “Abrigo São Loucas” (2013); “Um Bico para Velhos Palhaços” (2015) e recentemente “Duplo Molière” (2018). Na dança esteve na fundação do Balé da Cidade, parceria que durou 15 anos, e do grupo de dança da Casa Zabelê, este último atuando como coreógrafo. Fernando Freitas é precursor do movimento Drag Queen no Piauí com a personagem Samantha Menina. Fernando Freitas está na história do teatro piauiense, pioneiro na maioria das atividades artísticas que escolheu, não só experimentou variadas artes como se destacou e tornou-se referência para as novas gerações.

“Arte é experiência de vida, arte me torna muito disciplinado. Ela representa sabedoria.” Fernando Freitas

Nome Completo: Fernando Jorge Freitas

Descrição: Ator, bailarino, coreógrafo e drag queen

Data de Nascimento: 09/02/1972

Local de Nascimento: Teresina-PI

A primeira experiência no palco

O contato com as artes aconteceu por meio da escola, segundo Fernando Freitas. Essas primeiras experiências com a arte, seja como disciplina extracurricular ou nos trabalhos de gincana, foram essenciais para rolar a identificação com o teatro e a dança. Desse período, Fernando relembra que certa vez o grupo do qual fazia parte ficou com a tarefa de representar um umbandista, e coincidentemente um de seus professores tinha assumido a direção do Grupo de Teatro Experimental Universitário – TEU. O então diretor do Grupo TEU convidou o ex-aluno para se unir ao grupo de teatro. Com a trupe ele subiu pela primeira vez no palco com a peça “O médico à força” (1989) que foi apresentada até no Festival Universitário de Santa Catarina. Posteriormente Fernando Freitas ganha seu primeiro prêmio como ator, um dos mais significativos por ter sido o primeiro e a confirmação de que era aquele o caminho que ele deveria seguir.

O harém teatral

Tendo começado a carreira como ator aos 16 anos e desde o início mostrando ser mais que promessa, Fernando Freitas começou a se destacar desde cedo e o talento não passou despercebido. Nesse período ele era um admirador do Grupo Harém de Teatro e assistia aos espetáculos com muito entusiasmo, principalmente pelo grupo ser a grande referência do teatro no Piauí. Fernando conta que jamais se imaginava compondo parte do elenco de “Raimunda Pinto, Sim Senhor!”, a peça foi durante mais de vinte anos o grande destaque na cena teatral e um dia o ator foi convidado para participar do grupo e lá permanece até hoje. O Grupo Harém de Teatro atua no cenário das artes desde 1985 e é um grande colaborador da formação de grande parte dos atores do Piauí, atuando não só no Piauí e no Brasil, como também no cenário internacional. É responsável, desde 2008, pelo Ponto de Cultura denominado “Nos Trilhos do Teatro” desenvolvendo cursos nas áreas técnicas das artes cênicas e no mesmo ano realiza o seu I Festival de Teatro Lusófono (FestLuso) com apresentação de espetáculos do Brasil, Portugal, Moçambique, Angola, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe. Desde então o Grupo Harém de Teatro vem produzindo o FestLuso. Além disso, o grupo é responsável não só por peças renomadas e premiadas, como pela construção desse diálogo com outras estados e países. “O grupo harém pra mim, é parte corpórea. É parte da minha história”, diz Fernando Freitas.

Dançar é se libertar

Quem vê a beleza dos movimentos dos bailarinos nem imagina o quanto é preciso ralar para conseguir transmitir leveza e graça ou quantos preconceitos e desafios um bailarino tem que enfrentar. Fernando Feitas começou as aulas de dança na Escola Técnica. Nesse período, o artista relata o quão constrangedor era sair da aula da dança e cruzar a escola sob o som de vaias e injúrias, agressões que muitas vezes deixavam de ser verbais e passavam a ser físicas. “Antigamente você tinha que ter muito peito pra poder fazer teatro, fazer dança. Homem principalmente”. Passado esse período escolar, Fernando começou a fazer oficinas de dança primeiro com o professor Costa, depois com o Sidh Ribeiro, que foi um dos fundadores do Balé da Cidade de Teresina. Posteriormente foi fundado o Balé da Cidade de Teresina, em 1993, e o então bailarino se integra ao grupo no qual dançou durante 15 anos aproximadamente. A experiência ajudou a fortalecer o trabalho e se desenvolver artisticamente. Além dos festivais e cursos, o bailarino ensaiava nos três turnos e foi por meio da dança que aprendeu a ter uma disciplina mais rigorosa. Como coreógrafo, Fernando Freitas atuou na Casa Zabelê durante 14 anos, desenvolvendo muitas coreografias que se destacaram. O trabalho de criar não para, Fernando continua guiando novas gerações de bailarinos. “É uma experiência maravilhosa criar obras. Eu sobrevivo com a dança.”

“Eu amo dançar, dançar pra mim é liberdade, eu me liberto.” Fernando Freitas

A mãe das drags no Piauí

A ideia de se travestir começou como uma brincadeira e tudo partiu da proposta do bailarino Lívio Cesar de organizar uma festa em Teresina onde teria uma drag recepcionando os convidados. Foi quando Fernando Freitas recebeu o convite para fazer uma drag e surgiu a Samantha Menina, que já tem aproximadamente vinte anos de existência. A personagem foi se consolidando no cenário e conquistando o público não só na noite Teresinense, mas também em alguns eventos da cidade. Considerada a mãe das drags do Piauí, já foi tema de estudos acadêmicos e é uma grande referência para o movimento Drag Queen. A performance e construção da personagem é motivo de orgulho para Fernando Freitas, que diz ter um grande carinho pela Samantha Menina, além de tratar com seriedade essa personagem.

Ser artista é insistir

Fernando Freitas é um admirador da dança piauiense, chegou a assistir à coreografia intitulada “Fuga”, apresentada pelo Balé Popular, mas dançou essa coreografia mesmo foi com o Balé da Cidade de Teresina. No teatro o artista diz ser apaixonado pela peça “A Casa de Bernarda Alba” (2009) desde a primeira vez que assistiu a ela, em Blumenau-SC, que tem um grande carinho pela obra e é uma das suas maiores realizações. E é claro que, para resistir às adversidades, o artista tem que ter muito jogo de cintura e saber lidar com a escassez de recursos, a falta de valorização do profissional e da obra. Para Fernando Freitas quem quer ingressar nas artes deve se dedicar bastante, são profissões desafiadoras e, apesar das dificuldades, ele conta que é muito feliz fazendo arte e não consegue se ver longe das artes.

Arte é disciplina

A arte é liberdade, mesmo quando há a disciplina. É profissão e experiência de vida, mistura-se tanto com o artista que se torna parte dele, é algo visceral, é vontade de viver e é também sabedoria, segundo Fernando Freitas. O artista tem a sua história misturada à história da arte piauiense, falar do teatro e dança é lembrar da contribuição dada por Fernando, que, mesmo com as adversidades, resiste e insiste em criar. Parar não está nos seus planos, afinal não se pode frear a criatividade. Fernando Freitas sonha um dia voltar aos palcos como dançarino e deseja montar um monólogo. Seja atuando nos bastidores ou nos palcos, sabemos que gerações de artistas tiveram esse artista como referência, foram mais de dez peças e coreografias apresentadas ou montadas nesses mais de vinte anos de carreira. A sua marca não se restringe a números, embora eles já sejam suficientes para mostrar o quanto Fernando Freitas conquistou durante a sua carreira. Um artista que brilha dentro e fora do palco e que conquistou o respeito e o carinho do Piauí.

Contatos

http://facebook.com/fernandofreitas.freitas.3

http://facebook.com/profile.php?id=100011178184669

Fotos

Coreografias

Balé da Cidade de Teresina

– Crispim, a Lenda – 1993.

Direção Coreográfica: Sidh Ribeiro

Direção Cênica e Bailarino: Fernando Freitas.

– Quase Deus – 1996

Direção Coreográfica: Marcelo Evelyn

– E Por Nós o Silêncio – 1997

Direção Coreográfica: Sidh Ribeiro

Direção Cênica e Bailarino: Fernando Freitas.

– Fantasia Nordestina – 2000

Direção Coreográfica: Sidh Ribeiro

Direção Cênica e Bailarino: Fernando Freitas.

– Caravana do Paraíba “Tributo a Roberto Carlos e Luiz Gonzaga” – 2002

Direção Coreográfica: Sidh Ribeiro

Direção Cênica e Bailarino: Fernando Freitas.

– Espaço N@velouca – 2003

Direção Coreográfica: Sidh Ribeiro

Direção Cênica e Bailarino: Fernando Freitas.

– Entre Tantos – 2003

Direção Coreográfica: Roberto Freitas

Direção Cênica e Bailarino: Fernando Freitas.

Casa de Zabelê

– AVS – 2000

Direção e Coreográfica: Fernando Freitas

– Corporeografia – 2002

Direção e Coreográfica: Fernando Freitas

– Na Barra – 2004 (releitura do espetáculo em 2008)

Direção e Coreográfica: Fernando Freitas

Oficinas e Cursos – Dança

– Dança Contemporânea

Seguida de montagem da coreografia do espetáculo “Penitências”

20h/aulas – Ministrante: Ana Cláudia Andrade – CE

Local: Casa da Cultura

Realização: Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves.

– Balé Clássico

9h/aulas – Ministrante: Valéria Matos

Local: São Paulo

Realização: IV Passo de Arte – 1996

– Jazz Moderno Intermediário

Ministrante: Mário Nascimento

Local: São Paulo

Realização: IV Passo de Arte – 1996

– Oficina de Dança e Direção de Arte

Ministrantes: Marcelo Evelin, Cristiana Cavalcante e Fabian Galama

Local: Casa da Cultura de Teresina

Realização: Fundação Municipal de Cultura Monsenhor Chaves – 1997

– Oficina de Balé Clássico Avançado

20h/aulas – Ministrante:  Luis Fabri

Local: Escola de Dança Helly Batista – 1998

– Oficina de Jazz Avançado

9h/aulas – Ministrante: Roseli Rodrigues

Local: Festival de Joinville – SC – 1998

– Oficina de Contemporâneo

10h/aulas – Ministrante: Adriana Creche

Local: Festival de Joinville – SC – 2005

Peças teatrais

1989 – O Médico à Força – Moliére (Teatro Experimental Universitário – Grupo TEU)

1991 – O Santo e a Porca – Ariano Assuassuna – Direção: Selma Bustamante e Chico Filho (Teatro Experimental Universitário – Grupo TEU)

1992 – A Bicicleta do Condenado – Fernando Arrabal – Direção: Chico Filho (Teatro Experimental Universitário – Grupo TEU)

 – As Criadas – Gean Jenet – Direção: Laurent Mattalia (Teatro Experimental Universitário – Grupo TEU)

– Raimunda Pinto, Sim Senhor! – Francisco Pereira da Silva – Direção: Arimatan Martins (Grupo Harém de Teatro)

1994 – Apesar de Romeu e Julieta – Alejandro Casanova, Oscar Wilder, Isis Baião e Eugène Ionesco – Direção: Chico Filho – recebendo o Prêmio de Melhor Ator no VIII Festival Universitário de Teatro de Blumenau – SC e no XV Festival de Teatro Amador do Nordeste, em Feira da Santana – BA (Teatro Experimental Universitário – Grupo TEU)

1996 – Chapéu de Sebo – Chico Pereira – Direção: Chico Filho

1997 – O Caso do Vestido – poemas de Carlos Drummond de Andrade – o ator assina a direção

2004 – D+ show – Coletivo

2005 – Harém Conta o Assassinato do Anão do Caralho Grande, adaptação da Obra “O Assassinato do Anão Caralho Grande” de Plínio Marcos

2007 – Chá das Quintas – Aldo Leite

2009 – A Casa de Bernarda Alba – Federico Garcia Lorca

2011 – O Pequeno Príncipe – Antoine Saint-Exupéry

2012 – Macacos Me Mordam – A Comédia – Arimatan Martins

– A Lenda do Vale da Lua – João das Neves

2013 – Abrigo São Loucas – Arimatan Martins

Atualmente exerce a função de Tesoureiro do Grupo Harém de Teatro e uma chefia no FestLuso – Festival de Teatro Lusófono.

Outras fontes

http://piauihoje.com/noticias/semana-do-teatro-encerra-com-premiacao-dos-melhores-atores-e-diretores/

 

Última atualização: 15/02/2018

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

0 Shares:
4 comments
  1. Conheci Fernando na escola técnica e neste tempo ele não mostrava apenas ser um execelente ator e dançarino, ele mostrava ser um ser humano incrível, de uma humanidade, humildade e carisma. Guardo em minhas lembranças momentos maravilhosos que pude presenciar. Merece toda a homenagem. Um abraço a este artista marilhoso. Keylla Souza

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…