Bumba-meu-boi – Lendas Piauienses

Lá por entre as terras da Piauí, numa grande fazenda de gado, uma criança se revirava noite e dia na barriga de uma escrava, chamada Catirina. A gravidez dela já estava do meio para o fim, mas ela continuava esbanjando força nos trabalhos de escrava naquela fazenda. Só que, como resultado desses trabalhos pesados, sempre lhe restava noites de fome. Para complicar, a comida servida aos escravos era coisa que a criança, que gerava ali dentro de si, não apreciava. E eis que numa noite calorenta, um desejo profundo e intenso por comer língua de boi a surpreendeu da pior forma.

– Chico, homem, ou eu como uma língua de boi bem temperada e assada ou esse teu filho aqui vai sair de dentro de mim antes da hora e me rebentar ao meio. – Catirina reclamou ao marido.

Francisco, também escravo de terras piauienses, achou aquele desejo da mulher completamente sem lógica. Como pode essa mulher desejar algo tão diferente e impossível para a situação em que eles viviam? Mas tamanha era a loucura da esposa, que ficou a noite em claro a praguejar esse desejo por língua de boi, que Francisco, preocupado, pensou em cometer uma loucura: matar um dos bois do senhor fazendeiro na calada da noite. Ele foi até o curral, silenciosamente, e lá dentro, às escuras, alcançou o primeiro boi por perto e enfiou o facão na garganta do animal. Só que Francisco não tinha experiência em matar animal desse porte e acabou que o boi entoou um som de dor que acordou toda a fazenda.

Alarmado com aquele som de horror, o Senhor da fazenda saiu disparado para o curral e lá encontrou a pior cena da sua vida: o seu boi preferido, o maior e mais forte, estava agonizando, cercado pelo próprio sangue e por todos os escravos que acordaram para ver o que se passava. Dentre os escravos, estava o conhecido Chico amarrado por ter sido identificado como o autor do crime. O Senhor da fazenda teria o condenado na hora se não fosse a tristeza que o invadia. Não conseguiu manter a compostura de homem forte diante do seu boi predileto a morrer e ele se entregou ao lamento sobre o animal. Mas logo mandou irem buscar os melhores curandeiros da região para salvar a vida do seu nobre animal.

Os melhores pajés se reuniram com os curandeiros de toda espécie e transformaram todo o espaço do curral em palco para um ritual de ressuscitação daquela vida que jazia recente. E, assim, o boi ressuscita para a felicidade de toda a fazenda.

Tanta felicidade essa que o Senhor concedeu o perdão ao escravo Chico após saber que o motivo de sua atitude criminosa foi a de satisfazer o desejo da sua mulher grávida. E, assim, todos sãs e salvos festejaram a vida do boi com toda fartura e alegria.

Todo ano que se seguiu desde aquele ocorrido, naquela mesma data, a festividade era comemorada, com reunião de todos da fazenda e arredores – chegando a se expandir para além das terras piauienses – para honrar aquele boi cheio de vida.

Escrito por Evilanne Brandão.

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar
Leia mais

Receita de Bomba

A bomba é um salgado tipicamente teresinense. Ele surgiu quando a dona Marlene Ferreira, sua criadora, resolveu empanar e…
Leia mais

Batalha do Jenipapo

Na manhã do dia 13 de março de 1823, pela região de Campo Maior, na Província do Piauhy,…
Leia mais

Receita de Bolo Frito

O bolo frito é um biscoito de goma frito no óleo vegetal (de preferência óleo de coco babaçu) muito…