Állex Cruz declama “Móveis Empoeirados no Peito”, de Ithalo Furtado

Állex Cruz declama “Móveis Empoeirados no Peito”, de Ithalo Furtado

Imagens e Edição: Ícaro Uther
Música: Superlua Azul de Sangue, de Pedro Ben e Davi Abel
Apoio: Casa da Cultura de Teresina

Móveis empoeirados no peito
(Ithalo Furtado)

Me sinto
tão pequeno
tão tímido
diante das coisas
do mundo
e dessas forças sem nome

há tantas coisas sem nome
como estas que me fazem
sumir por dias e te procurar
sempre na hora estranha
da noite mais longa
de um ano difícil como este

mas como voltar pra casa
após tantos anos de autoexílio?
é como ir ao cemitério com doces
ou à igreja com asas
é só o que nos resta, baby
É a coragem pra fugir
quando tudo é prisão

há tantas coisas sem nome
tantas coisas sem voz
no peito de quem não tem par
e o que nos resta é fugir
pra dentro de um filme
ou de uma canção
é sempre a mesma história, baby
fugir quando tudo é prisão

Conheça a Geleia Total: https://linktr.ee/geleiatotal

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas