Bruno Farias: a voz de Valença que encanta o Piauí

O cantor, compositor, ator e Palhaço/Clown Bruno Farias nasceu em Teresina, onde passou parte da infância, a outra parte foi vivenciada em Aroazes-PI, mas Bruno se considera mesmo é de Valença pelas experiencias e histórias acumuladas na região. O músico que começou a conhecer o violão em meados de 2003 começou tocando MPB com voz e violão pela cidade, já foi contemplado em primeiro lugar em um festival de música com a canção “Sete Livros”, tocou no projeto Boca da Noite (Teresina-PI) e no Nação Piauí (Brasília-DF). Já participou de discos de coletâneas de canções autorais com grandes nomes da música no estado do Piauí. Bruno Farias lançou em 2016 o álbum “Lá e Cá” (2016), tem dois singles lançados como “Farol de Alexandria” (com vídeo clip no YouTube) e “Pensar Além”.

 

“Na igreja foi onde eu conheci um grande amigo, a pessoa que eu via como um pai na minha vida, o Padre Lauro de Deus. Ele mudou totalmente a minha vida.” Bruno Farias

Nome Completo: Bruno Cordeiro Farias de Matos

Descrição: Cantor, compositor, ator e Palhaço/Clown

Data de Nascimento: 26/06/1981

Local de Nascimento: Teresina

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

 

 

Uma história de superação

A história de Bruno Farias é sobre superação de muitos obstáculos e basta saber que desde criança ele foi um nômade, mudando de diversos núcleos familiares cujas passagens por esses espaços foram marcadas com cicatrizes e muitas dores de quem viveu uma infância cercado por dificuldades. Bruno Farias cresceu envolto pela crueza do abandono, resistindo e superando o medo e a dor mesmo quando só restava a escuridão da noite e o silêncio de uma casa ausente. Resignado, negou-se a sucumbir diante das adversidades e aprendeu a encontrar soluções quando não existia nenhuma saída. Por isso, ainda criança fugiu dos diversos algozes que se trajaram de tutores para conseguir sobreviver. Ele não teve referências artísticas, pois teve que aprender os trabalhos domésticos apenas com cinco anos de idade e graças a sua obstinação ele transformou a carências de recursos em forças. Bruno teve uma infância quase toda furtada, mas aprendeu o ofício de vender frutas no Mercado Velho de Teresina e pode conhecer os macetes das ruas, além de garantir o seu ganha pão. Ele conta que por muito pouco não se tornou uma criança em situação de abandono e que as trilhas do destino abriram outras oportunidades, ou seja, foi nesse período que os seus avós decidiram interceder na vida do garoto e levar para Aroazes, alterando drasticamente a trajetória do pequeno. No novo quase-lar, Bruno Farias afastou-se do mundo de ausências, violências e abandono.

 

As primeiras paixões artísticas

Apesar das dificuldades enfrentadas na infância, Bruno Farias  passou por uma nova etapa e já na nova casa, em Valença, pode finalmente se dedicar ao estudo e sempre se destacou nas tarefas escolares. Ele sempre manteve o hábito de trabalhar, mas foi nesse momento que todo o seu esforço começou a ser recompensado. Sua aptidão para as artes só surgiria na adolescência quando um dos seus amigos que chegou de São Paulo apresentou a banda Legião Urbana, além de outras bandas de rock. Todo o universo das músicas da banda causou uma identificação imediata e finalmente Bruno conta que se sentiu compreendido por toda aquela poesia, principalmente pela música Pais e Filhos. “Essa música me fez sentir a vontade de querer aprender a tocar e cantar a música. Mesmo sem eu entender direito, mas aquelas palavras eram como se fossem feitas para mim e eu a escutava dez vezes por dia”, pontua. Esse foi o período que Bruno começou a refletir sobre ele mesmo e fazer um mergulho dentro de si mesmo para tentar entender o seu próprio caminho e o seu lugar no universo.

“Estigmas, enigmas/ De quem viveu a dor/ Teve um dragão como protetor” (letra da música Estigmas)

 

Quando os caminhos se entrelaçam

“Olhe nos olhos meus e verá/ Verá reminiscências de um filme/ Trágico as vezes esquálido e logo cálido.” (Letra da música Longa Metragem)

Depois de enveredar para a área musical, Bruno Farias começa a mergulhar de cabeça nas melodias das músicas, mas ainda sem muita técnica. Ele aproxima-se do rock e nessa ânsia de conhecer toda a liberdade proporcionada pelo estilo musical acaba conhecendo uma das pessoas que mudaria a sua vida, foi com Raquel (irmã do poeta e repentista Zé Viola) que Bruno Farias aprimorou mais a sua musicalidade e que fez o artista se aproximar da igreja católica.

A Raquel também foi a pessoa que apresentou o namorado para o Padre Lauro, mas só depois de uma apresentação de escolar, quando os colegas de turma chamaram Bruno para tocar a música Admirável Gado Novo foi que o músico foi atrás do padre para ajudar a ensaiar a música. Após ver Bruno ensaiando o Padre o convidou para tocar na missa. “Na igreja foi onde eu conheci um grande amigo, a pessoa que eu via como um pai na minha vida, o Padre Lauro de Deus. Ele mudou totalmente a minha vida.” Foi por meio da Raquel e do Pe. Lauro que Bruno conheceu Caetano Veloso, Gilberto Gil, Chico Buarque, Belchior, Roberto Carlos, entre outros músicos e referências que ajudaram a refinar o seu olhar artístico.

“Na igreja foi onde eu conheci um grande amigo, a pessoa que eu via como um pai na minha vida, o Padre Lauro de Deus. Ele mudou totalmente a minha vida.” Bruno Farias

A luz do farol para as artes

“Quando há razão afogada/ Em sentimentos banais…/ Sem leme a mente navega/ Na tempestade voraz/ E o navegante perdido/ Procura a luz do farol/ No mar de sonhos contidos/ O peixe morde o anzol/ E o artifício da vida/ Se esconde na amplidão…/ Se parecer impossível./ Procure! Há solução…” (Letra da música Farol de Alexandria)

Depois de ingressar na igreja católica, Bruno Farias começou a desenvolver um trabalho na congregação em parceria com o Pe. Lauro de Deus que durou uma década. E desse trabalho surgiram muitas oportunidades, inclusive, foi graças ao incentivo do amigo e parceiro que Bruno saiu de Valença e se mudou para Teresina. Pe. Lauro tinha um grande prazer de falar da capacidade de Bruno quando nem o próprio cantor acreditava e foi um dos grandes divulgadores do talento do músico. Já em Teresina, o músico começou a experimentar tocar na noite e passou a tocar em um barzinho que tinha próximo de onde ele morava, no Centro de Teresina; a partir desse momento, Bruno começou a sentir as particularidades do que era tocar na noite e, no começo dessa nova etapa da carreira, de ter que modificar o seu estilo para atender aos pedidos que surgiam no ofício.


Entre a música, o teatro e a palhaçaria

Graças ao ambiente da música Bruno Farias conhece produtores, outros músicos como Vavá Ribeiro, entre outros. A timidez do artista começou a ser um fator limitante e por esse motivo Bruno Farias começou a pensar em estratégias para vencer esse obstáculo. Ele, que veio de outra realidade do interior do Piauí, percebeu que tinha que melhorar a sua performance para tocar na noite teresinense. Então Bruno começa a atuar nos espetáculos da Paixão de Cristo no bairro Monte Castelo na igreja, a convite da atriz Preta Gil, que vem a ser a sua forma de tentar burlar as barreiras internas. Foi nesse momento que Bruno conheceu o ator e diretor Adalmir Miranda e já de cara eles se tornam amigos, depois daí o diretor começa a tentar envolver o músico em outros projetos na área das artes cênicas. “O Adalmir foi a pessoa que sempre quis me levar para o teatro e disse que eu tinha um potencial para atuar.” Posteriormente, Bruno acaba sendo convidado para uma oficina de Clown e durante a pesquisa ele acaba descobrindo um novo universo que fez todo o sentido para a vida do artista naquele momento. Além disso, ele conheceu um artista que deu muito apoio a ele como o palhaço Tio Biscoly, que tem mais de dez anos de carreira e que fez parceria com o músico.


Um balé místico nos acordes do coração

Imerso em um oceano de incertezas, cujo futuro sempre foi uma incógnita, Bruno Farias  navegou com destreza de mestre, aprendendo com os obstáculos a administrar as emoções e transformar a potência da represa de sentimentos em verdades musicadas nos acordes. Suas músicas, feitas como ligas de um metal do escudo artístico de quem enfrentou caminhos espinhosos, embora sejam cantadas em camadas visíveis para aqueles que viveram dores ou inúmeras dificuldades, são compostas e encantam as mais brutas almas. Não há enigmas no diálogo construído entre o artista e o seu público, há encantamento e muita admiração. Bruno Farias chegou de mansinho e timidamente, mas foi conquistando o seu espaço e está a cada dia construindo outros caminhos. E aquela meninice que tanto fantasiou subir nos palcos, hoje, deixa admiradores no rastro do trajeto.

Contatos

Instagram.com/brunofariasoficial

Facebook.com/brunofariascantor

Youtube.com/brunofarias

Whatsapp: 86999367850

e-mail: brunofariasmatos@gmail.com

Fotos

Vídeo

Discografia

2016 o álbum “Lá e Cá” (2016).

Outras fontes

http://www.cultura.pi.gov.br/bruno-farias-e-a-atracao-desta-quarta-09-no-boca-da-noite/

 

Última atualização: 02/08/2020

 

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

5 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar
Leia mais

Fernanda Paz

“É importante que a literatura e a arte em geral possa ser um objeto de mudança, transformação ou…
Leia mais

Luana Campos

A cantora teresinense Luana Campos é sucesso de público, seja como vocalista feminina da banda Top Gun ou…