A poética dos quadrinhos de Zayze Medeiros

Zayze Medeiros é natural de Teresina-PI, graduande em Psicologia, artista e bicha afeminada, encontrou a arte durante a mais tenra infância e fez desse espaço a sua forma de se expressar, se posicionar e existir no mundo. Atua como cartunista desde 2018 gerindo a página do instagram @quadrinildes, é colunista no site da Geleia Total e produziu a série de tirinhas “Caixa de Pandora” para o programa Estúdio Interativo da TV Assembleia de Teresina. Além disso, Zayze já participou da exposição “Vivências” no Festival Rumbora (2020) e a exposição no Festival de Artes Integradas Piaga (2019. “Por que não falar do cotidiano das pessoas trans? Assim nasceu as personagens trans, inspiradas na cartunista Claire Bretécher.”

 

“Por que não falar do cotidiano das pessoas trans? Assim nasceu as personagens trans, inspiradas na cartunista Claire Bretécher.” Zayze Medeiros

Nome Completo: Zayze Medeiros de Menezes

Descrição: Cartunista

Data de Nascimento: 12/07/1998

Local de Nascimento: Teresina

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

Quando a arte eclode

“Assim que me entendi por gente, comecei a desenhar”, diz Zayze Medeiros. Desde criança, a mãe de Zayze alimentava culturalmente a filha com histórias em quadrinhos que inicialmente eram lidas pela própria mãe. Então, com aproximadamente cinco anos de idade, Zayze começa a manusear o lápis e de cara começa a experimentar o desenho, demonstrando uma aptidão para a arte. Esse impulso para criar foi incentivado pelos pais, mas não teve influência da família. A artista conta que só recentemente descobriu que os seus pais também trazem na veia o dom para as artes, pois eles experimentavam a criação no âmbito privado, o pai mais voltado para a poesia e a mãe para as artes visuais. E assim foi passando o tempo, entre experimentações e leituras.

A tinta da violência produzindo transformação

Mesmo sendo influenciade por quadrinhos como turma da Mônica ou almanaque infantil, Zayze Medeiros sempre teve uma predisposição a criar histórias que trabalhava a transversalidade com temas de cunho mais social. É válido lembrar que as histórias de Zayze já traziam as influências de filme de terror. “Eu adorava filme de terror, então assistia um filme ontem e já ia tentar desenhar ele em forma de quadrinho”, diz Zayze. A artista sempre teve a feminilidade presente na sua performance e por isso antes mesmo de entender a própria sexualidade Zayze sofreu bullying e diversas violências, dessa forma a arte se tornou a sua forma de expressão, o mecanismo de manifestar todas essas agressões e os temas de caráter sociais surgiram como uma ferramenta de embate. “Eu sempre sofri bulling porque eu sempre fui uma criança bem afeminada, de andar na ponta dos pés. Mesmo muito criança é impressionante como a LGBTfobia era intrínseca. Com oito anos de idade eu já escutava os colegas me chamando de ‘viado’ e está aí a hipocrisia, só pode chamar ‘viado’ de modo desrespeitoso.”

Quando a arte eclode

“Assim que me entendi por gente, comecei a desenhar”, diz Zayze Medeiros. Desde criança, a mãe de Zayze alimentava culturalmente a filha com histórias em quadrinhos que inicialmente eram lidas pela própria mãe. Então, com aproximadamente cinco anos de idade, Zayze começa a manusear o lápis e de cara começa a experimentar o desenho, demonstrando uma aptidão para a arte. Esse impulso para criar foi incentivado pelos pais, mas não teve influência da família. A artista conta que só recentemente descobriu que os seus pais também trazem na veia o dom para as artes, pois eles experimentavam a criação no âmbito privado, o pai mais voltado para a poesia e a mãe para as artes visuais. E assim foi passando o tempo, entre experimentações e leituras.

“A arte representa sobrevivência!” Zayze Medeiros

A arte que representa e que manifesta

Zayze Medeiros tem uma trajetória entrelaçada entre as letras e as artes visuais. E à medida que ia crescendo passou a usar as suas poesias como uma forma de expressão dos sentimentos concomitantemente experimentando os desenhos. Com o passar do tempo a poesia foi ficando mais presente e influenciando a sua forma de representar nas artes. “Conforme eu fui conhecendo alguns cartunistas como a Laerte, que é uma grande inspiração para os cartunistas principalmente dessa nova geração, pois ela é uma percursora em quebrar estereótipos de gênero, tabus. E ela teve que abdicar de muitos dos privilégios dela (privilégio de ter nascido homem, privilégio de já ter construído uma carreira como “O Laerte” e ela remodelou a forma de criar humor. Então ela foi uma grande inspiração, também gostava muito da Mafalda do Quino e conforme eu ia vendo esses quadrinhos mais sociais eu fui sentindo vontade de fazer quadrinhos que representasse também algumas das minhas insatisfações sociais.”

Arte: Zayze

A caixa de Pandora

Zayze Medeiros sempre penou e criar personagens fixos que pudesse ter um desenvolvimento ao longo do tempo, mas somente quando começou a surgir a vontade de criar as personagens trans é que a artista tem a sacada de criar essas personagens contínuas abordando a vivência das pessoas trans. Para a artista, o cotidiano das pessoas trans em si já garante muita reflexão diante de tantos obstáculos impostos e desafios construídos pela sociedade. Além disso, Zayze conta que se inspirou muito na cartunista Claire Bretécher que produziu a série “Os Frustrados” que perdurou por anos e cada história continha uns dez quadrinhos. Dessa forma, a admiração pelo trabalho de Claire se transformou numa inspiração. A primeira personagem trans de Zayze se chama Pandora da série “Caixa de Pandora” que foi exibida no programa Estúdio Interativo da TV Assembleia de Teresina. Segundo Zayze, a participação no programa foi um convite do Jornalista e artista visual Jader Damasceno que faz um trabalho de divulgação de artistas piauienses e desde então mantém essa parceria com a artista.

 

Lapidando a revolta

O quadrinildes, perfil de Zayze Medeiros nas redes sociais, surgiu após o período eleitoral em 2018 e teve como principal objetivo reagir de forma artística aos ataques feitos contra alguns grupos, como a comunidade LGBTQIA+. A necessidade de imprimir a sua revolta frente os discursos homofóbicos, sexistas e racistas tirou Zayze Medeiros das sombras do anonimato e fez com que ela expusesse ao mundo as suas criações que tiveram uma repercussão enorme nas redes sociais. Foi com esse impulso provocado pela revolta que a artista se lança no cenário artístico. Zayze é uma consumidora voraz de quadrinhos e suas inspirações são grandes cartistas mulheres além da artista Frida. Além disso, seu processo criativo é muito fluido, pois a artista vai colhendo as ideias que surgem durante o dia e entre os rascunhos até a arte final ela conta que tem um longo caminho de lapidação. Zayze se considera uma artista muito cuidadosa com o conteúdo que vai expor, por isso seus trabalhos demoram muito para serem finalizados e eles precisam sair exatamente como a artista imagina mentalmente a sua arte.

Contatos

Instagram.com/quadrinildes/

Facebook.com/zidane.medeiros

zayzem@gmail.com

Fotos

Vídeo

Exposições

Festival Piaga (exposição coletiva);

Vivências (Festival Rumbora).

Outras fontes

https://www.portalodia.com/tvodia/bom-dia-news/zayze-medeiros-leva-para-os-quadrinhos-questoes-da-vida-da-populacao-lgbtqia-11108.html

Última atualização: 13/10/2020

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas