Artista trans tem documentário exibido em exposição virtual do Itaú Cultural

Entre 4 e 13 de agosto, o site do Itaú Cultural (IC) traz a oitava edição de Todos os gêneros: mostra de arte e diversidade. Focado em questões ligadas à corporalidade, ao gênero e à sexualidade, o evento promove apresentações artísticas, conversas e outras atividades.

No site, o público pode conferir as poéticas por encomenda – cenas de teatro e performance com até 15 minutos de duração e produzidas por diferentes artistas a convite do evento. Os trabalhos são disponibilizados no dia 4 e ficam em cartaz até 13 de agosto.

 

Fluido é o nome da performance de Juhx. Com interpretação em Libras e legendas em português: Juhx é trans não binária, gênero fluido, drag queen, artista visual, performer e maquiadora. Natural de Crateús (CE), e mora em Teresina (PI). Formanda em artes visuais pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), luta pelas causas LGBTQIA+ e contra a gordofobia por meio das poéticas visuais.

 

 “O vídeo foi baseado no filme A ilha das Flores, usei aquela linguagem documentária pra falar sobre a minha própria vida, tipo por que pessoas de corpo divergentes precisam produzir arte? Então essa foi a minha resposta. Como eu não tinha dinheiro eu peguei tudo aquilo que eu já tinha em casa, usei o google como principal fonte de pesquisa . A desculpa das pessoas pra não quererem se informar é muito errada e rasa, por que no google você encontra toda informação que quiser. Desse modo, Imaginei sobre visualidades, como criar um documentário, criei cenas mini poéticas e depois as organizei com a ajuda dos meus amigos Douke que fez a trilha sonora e Alefone que fez a edição” afirma a artista.

 

Juhx também nos contou sobre o enfoque de sua performance. “A crítica que quero fazer é sobre pessoas que querem apoiar artistas, mas não dão dinheiro para fazerem os meios de produção, é impossível fazer arte sem dinheiro. Aquela ideia romântica que artista faz arte por amor, não existe, a gente precisa pagar o aluguel, se alimentar, ter uma boa saúde, para, além disso, falo para o meu público gordo, trago a questão da gordofobia, falo sobre o meu gênero fluido, pois sou uma pessoa trans não binária, reflito sobre ser homem, mulher, de ser um corpo divergente, um LGBTQIA+ uma pessoa militante, essas questões. O filme foi gravado na minha quitinete e no Bar do Rufino, pois, não precisa de muito para fazer arte, mais precisa-se de alguma coisa”, relata Juhx.

 

Com cores chamativas e elementos de cenas diferentes e provocantes, “Fluido” desperta várias narrativas e reflexões existenciais da vida humana. “Sou uma pessoa muito nostálgica, gosto de escapismos, de animes, vídeo games antigos dos anos 90 em geral então essa estética colorida que lembra a infância é a melhor fase da nossa vida. Toda essa vibe de ser monstro de poder me maquiar, em ser drag queen, artista visual,  uma pessoa apaixonada, que ama e quer ser amada , que busca afeto, que quer entender e quer que as outras pessoas também entendam ela” completa Juhx.

Desejamos sucesso, para esse valioso trabalho! Segue link para acesso ao vídeo:

https://www.itaucultural.org.br/secoes/agenda-cultural/todos-generos-2021-poeticas-encomenda

 

Foto: Fluido / Reprodução Juhx

Ficha Técnica

[classificação indicativa: 16 anos]

Performer: Juhx
Editor: Alefone
Trilha sonora: Douke
Câmera: Juliana Zalc
Fotografia: Juliana Zalc e Juhx
Roteiro, produção e direção de arte: Juhx
Montagem: Alefone
Técnicos de som: Alefone e Douke
Figurino e maquiagem: Juhx
Colorista: João Barreto

Total
104
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas