Projeto com curso sobre “Reprodução de Saberes do Ofício da Baiana” no Memorial Esperança Garcia

Lançamento do Projeto Baianas de Acarajé de Teresina com apresentação da ABAM aconteceu dia 09.

Os cursos tem como objetivos resgatar e valorizar a cultura dos povos de matriz africana do Estado do Piauí, bem como ajudar a população negra, em especial os povos de matriz africana, no tocante à geração de emprego e renda.

“Me chamo Pai Rondinele de Oxum, fundador do Movimento de Terreiro do Estado do Piauí, em 2010 realizamos o mapeamento sócio econômica e cultural dos terreiros de Teresina no qual identificamos a necessidade de resgatar a cultura dos povos de matriz Africanas, respeitando a sua tradicionalidade e a vivência de cada comunidade”, explica Pai Rondinele Santos.

Em tempos de pandemia, muitas/os tem sofrido por ter perdido o emprego, pois muitas dessas mulheres eram diaristas, vendedoras autônomas, muitas trabalhavam informalmente.

O carro chefe é o curso de Baianas do Acarajé. O acarajé é uma comida de orixá, das comunidades de terreiros, que é oferecida a Iansã. O projeto trabalhará a gastronomia, a questão cultural, respeitando os saberes tradicionais dos povos de terreiros.

Duas instrutoras da ABAM – Associação Nacional de Baianas de Acarajé , virão de Salvador e farão a capacitação, durante 15 dias.

No final do curso, metade das participantes receberão o kit tabuleiro, com o material necessário para iniciar seu negócio. A ideia é criar, no final a Associação das Baianas de Acarajé de Teresina.

O  projeto ofereceu como contrapartida ao Memorial Esperança Garcia, a compra de câmeras de vigilância, cerca elétrica, bebedouro e pintura do prédio, onde funcionará toda a parte teórica. E a prática do curso de baianas de acarajé, será realizado na Nova Ceasa, parceira do projeto.

“As mulheres são a maioria nas comunidades tradicionais das culturas negras. Muitas delas são da periferia, muitas não têm qualificação profissional, muitas não têm formação formal, muitas nem sabem ler ou escrever. Muitas delas perderam seus empregos durante a pandemia e hoje estão vivendo à margem por não conseguirem colocar alimento em casa. Pensando nessa situação nós juntamos o útil ao agradável e apresentamos o projeto junto à Secult”, pontua Pai Rondinele Santos.

O Curso de Reprodução de Saberes é da Associação Santuário Sagrado Pai João de Aruanda – ASPAJA, financiado pela Lei Aldir Blanc/Edital AFRÂNIO CASTELO BRANCO, Através da Secult-Pi/Governo do Estado/ Ministério do Turismo/Governo Federal.

Sobre James Brito:

 James Brito é natural de Teresina, intérprete de suas próprias composições. Dois estilos musicais sempre estiveram marcantes em suas composições: o punk e o reggae. Bem conhecido no espaço da música piauiense, James Brito toca com os músicos Dimas Bezerra, Jorjão e outros. Possui dois CDs gravados com músicas autorais.

Parceiros: Governo do Estado, SECULT, SASC, CEPM, NOVA CEASA, Memorial Esperança Garcia.

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas