Conheça o Museu de Arte Sacra de Oeiras (MAS) – Museus Pelo Piauí

Museu de Arte Sacra de Oeiras
Museu de Arte Sacra de Oeiras – Foto Alisson Carvalho

Hoje no #MuseusPeloPiauí vamos revisitar a história do nosso Estado, viajando pelas estradas ao Sul até Oeiras – primeira capital do Piauí. Tida como Patrimônio Cultural e Capital da Fé, sua memória é intimamente marcada pela religiosidade, representada em suas manifestações e construções históricas. E para compreender essa trajetória, convidamos você a conhecer uma importante instituição de salvaguarda, o Museu de Arte Sacra de Oeiras (MAS).

Localizado entre importantes construções de interesse histórico e religioso, o MAS foi criado em 1983, com o objetivo de guardar o acervo sacro pertencente às três principais igrejas da cidade: Nossa Senhora da Vitória, Nossa Senhora da Conceição e Nossa Senhora do Rosário.

Oeiras – Capital da Fé

Construída há mais de três séculos, a cidade localizada ao Sul do Piauí se desenvolveu ao redor da matriz de Nossa Senhora da Vitória – considerada a primeira Igreja do nosso Estado. Designada capital da província do Piauí em 1758, permaneceu com o título por 92 anos, até a transição da capital para Teresina. Oeiras apresenta um longo conjunto de construções históricas tombadas pelo IPHAN e o título de Cidade Monumento Nacional, além de reconhecidas manifestações religiosas, como rituais e procissões que envolvem principalmente a Semana Santa e atraem milhares de fiéis todos os anos.

Tamanha tradição religiosa pode ser encontrada também nas diversas manifestações artísticas de representação e estímulo da fé, que se encontram, em grande parte, salvaguardadas na Sede do Museu de Arte Sacra. No MAS, o visitante é conduzido a uma viagem pela história sacra do Estado, desde a colonização que ocorreu com a instalação do primeiro templo religioso em terras piauienses até as práticas cotidianas atuais.

Sobrado – Sede do Museu

Situado na Praça Visconde de Parnaíba, o sobrado João Nepomuceno recebe esse nome por ter sido construído como residência do capitão-mor João Nepomuceno de Castelo Branco, que ali viveu até a transferência da capital, em 1852. No início do século XX (1909-1919) também foi morada do coronel Alano Beleza. Posteriormente, foi adquirido pelo poder municipal, servindo como sede para a Câmara do Tribunal do Júri e em 1929 como sede do Grupo Escolar Costa Alvarenga.

Em 1937, foi tombado como patrimônio arquitetônico e, em 1940 foi doado à Diocese de Oeiras, se tornando Palácio dos Bispos, tendo sido morada oficial dos três primeiros bispos: Dom Espedido Lopes, Dom Raimundo e Dom Edilberto Dinkeklburg. Apenas em 1983 o prédio foi reformado e direcionado a se tornar sede do Museu de Arte Sacra. Recentemente, o prédio passou por uma nova reforma, com recuperação de forros, pisos e esquadrias.

Acervo do MAS

O MAS possui aproximadamente um acervo de 500 peças, com itens em ouro, prata, bronze e cobre, louças e porcelanas, têxteis, telas, madeira, gesso, papéis, fotografias, vidros e relíquias que representam cinco séculos. Como mencionam os pesquisadores em Museologia Áurea Pinheiro e Pedro de Freitas Jr, em artigo publicado em 2020 sobre o MAS:

Constitui o acervo imagens sacras de madeira, varas do pálio, lanternas, crucifixos, castiçais, resplendores e coroas de prata. Além de paramentos litúrgicos e outros objetos que pertenceram aos primeiros bispos da diocese. Algumas peças sacras ainda são usadas no período de festas e celebrações religiosas. Visitar o Museu de Arte Sacra é conhecer a história de Oeiras, que está intimamente ligada à história da Igreja Católica nos ‘Sertões de Dentro’

O acervo de forte representatividade da cultura local encontra-se em exposições de longa e curta duração, além da reserva técnica, distribuídas em nove salas tematizadas. São elas:

  • Dom Expedito Lopes (Bispos) / Dom Edilberto Dinkelborg (Bispos): As salas dos bispos ocupam dois ambientes no térreo, com peças de celebrações religiosas, e itens pessoais (roupas, fotografias, sapatos, paramentos sacerdotais, mobílias);
  • Sala Dona Alina Nunes (Santos): Localizada no andar superior, a sala possui imagens de santos em madeira policromada do século XVIII;
  • Sala Dona Maria de Cota (Semana Santa): Nesta sala estão presentes todos os elementos processionais utilizados na quaresma;
  • Sala Mariana (Procissões): Composta com as três Marias padroeiras das três principais igrejas da cidade de Oeiras;
  • Sala Dona Alzira Reis Tapety (Divino Espírito Santo): Composta por molduras que narram o cotidiano dessa celebração
  • Sala Dona Júlia de Carvalho Nunes (Música Sacra): Sala onde nos deparamos com anjos musicistas e instrumentos musicais do século XIX, XX e XXI
  • Capela Nossa Senhora da Vitória: Encontramos uma bela imagem de Nossa Senhora da Vitória do século XVII (1697), sobre um altar do século XVIII, além de bancos, coroas, resplendores, confessionários, cálices, castiçais e relíquias
  • Sala de Exposições Pe. Miguel de Carvalho: Sala dedicada a exposições temporárias/curta duração.

Projetos Educativos desenvolvidos pelo MAS

O museu é um núcleo de educação permanente do indivíduo, contribuindo para o desenvolvimento de sua capacidade crítica e consciência identitária. Com o objetivo de fortalecer a democratização da cultura e fomentar o conhecimento da população, o MAS promove ações educativas em diversas datas ao longo do ano, como na Semana dos Museus (maio), e Primavera dos Museus (setembro). Dispondo também de exposições de curta duração com gratuidade para estudantes. Também atua com palestras em escolas públicas e privadas.

Funcionamento do Museu de Arte Sacra de Oeiras (MAS)

Ter – Domingo

08h às 13h

Valores

R$5,00 (cinco reais) público geral

R$3,00 (três reais) para estudantes

Revisão: Joana Tainá

Fontes: Diretoria do MAS, IPHAN, Governo do Piauí, Artigo “O Museu de Arte Sacra de Oeiras no Sertão do Piauí, Nordeste do Brasil”, escrito por Áurea da Paz Pinheiro e
Pedro Dias de Freitas Júnior.

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas