A poesia, de João Carlos M. Bezerra

Meus caros,
A poesia não morre
Ela ultrapassa todas as gerações
Tal como o nome de uma família
Que está no presente
Sem se esquecer dos seus ancestrais
 
O poema está na vida e nos seres
No cotidiano
Em todos os momentos
Seja se intensa alegria
Ou no mais profundo pesar
 
A poesia, meus amigos
Alimenta minh’alma
Fortalece meus músculos
Me tira o sono
Me trás amores
 
Vivo na poesia livre
Longe de metrificaçoes
Distante da ciência exata
 
 
Onde meu poema rabiscado
Nas folhas de papel A4
Compilados de momentos vividos
Dos imbróglios constantes
Do afã de meu ser
Ou profusões de romances
 
A poesia, meus amores
É a busca incessante de coisas sem respostas
Se faz acórdãos de poetas
Trancritos nas sinas transcendentais
E conclusões sem pé e sem cabeça.
 
João Carlos M. Bezerra
14/03/2018 (Picos)

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas

Raiz, da Banda Carnawood

Raiz é uma música composta pela banda Carnawood que busca trazer um pouco do regionalismo do nordeste e retratar o povo. Esta música faz parte do projeto autoral da banda voltado para criar músicas com as partes da carnaúba, e assim montar um álbum conceitual.