N° 03, de Laís Romero

Os olhos perdidos alteram-se
em cores repartidas por paixão
O vento atravessa meus dedos
e perco o rumo em delírios, em vão.
Por quanto tempo mais devo
exigir dos meus domínios de desejo?
Evoco deuses, aflição inconsolável,
aperto dentes dedos fibras
vasos tortuosos entre carnes
E não há portas para onde te carrego
nem te escuto os reclames e elogios.
O querer é um desafio necessário
que moldo o vento, se possível,
no conhecido rosto do inefável.

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas