A escrita voraz, visceral e violenta de Renata Flávia

A arte é transformadora, tem o poder de modificar, de maneira brusca e sutil, tudo ao seu redor, consegue agregar novos tons à rua ou à alma e até aos espaços (sejam eles internos ou externos). A arte é ar, respiração e pele, mas também é sangue, ou seja, vai desde a superfície até o pensamento, parafraseando Da Costa e Silva. A teresinense Renata Flávia é esse atravessamento de versos e muita criatividade. A artista é graduada em História e especialista em História Cultural, pela Universidade Estadual do Piauí e mestra em Educação, pela UNINOVE. Além disso, é uma pesquisadora de assuntos relacionados à sua formação, tais como: história, educação e literatura. É servidora pública federal e exerce o cargo de Auxiliar de Biblioteca, no Instituto Federal do Piauí. É escritora, autora da obra “Mar Grave” (2018) e escreve no blog Lustre de Carne. “A literatura é a forma de me conhecer e de existir. Existir quando eu escrevo e quando eu leio, porque é quando a gente se encontra e se perde também”, afirma Renata Flávia.

Foto: José Ailson (Um Zé)

“A literatura é a forma de me conhecer e de existir. Existir quando eu escrevo e quando eu leio, porque é quando a gente se encontra e se perde também.” Renata Flávia

Nome Completo: Renata Flávia de Oliveira Sousa

Descrição: Escritora

Data de Nascimento: 12/08/1989

Local de Nascimento: Teresina-PI

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

Foto: José Ailson (Um Zé)

Incursões ao mundo das artes

Renata Flávia cresceu em um ambiente com muitas referências artísticas, começando pela paixão por música do pai, Paulo Sérgio, que compunha e tocava músicas diversas. “A música foi essencial para eu descobrir quem eu sou”, rememora Renata Flávia. A escritora conta que a sua vivência com a música aconteceu de forma orgânica, uma relação de identificação com as bandas e estilos. A criação sempre acompanhou a artista, que está o tempo todo descobrindo alguma forma de materializar toda a sua criatividade. E a curiosidade pela poesia começou quando ela soube de um concurso de poesia escolar. Nessa época, ela tinha sete anos de idade, morava em Parnaíba-PI e, mesmo sem saber o que era poesia, insistiu dizendo que queria participar do tal concurso. Posteriormente, essa primeira curiosidade vivaria rotina da aspirante a escritora.

Os cadernos de “proesias”

A escrita sempre foi algo presente na vida de Renata Flávia. Desde os doze anos, a menina escrevia compulsivamente nos seus cadernos poéticos, era uma escrita que já trazia a verve da poesia. Apesar de parecer, ela conta que não eram diários, e sim uma escrita mais livre e sem dar tanta atenção para a estrutura do texto. Posteriormente, ela começa a conhecer outros ciclos sociais, interessar-se pela leitura e feitura de zines. Os zines serviram também para Renata compartilhar e conhecer outros escritores, chegando a produzir edições pequenas como o “Crua”, que foi entregue apenas para alguns conhecidos. Em 2008, Renata Flávia conhece Rodrigo Leite e Mário Eugênio. Depois disso, o grupo começou a dialogar e discutir assuntos relacionados à poesia. Em 2012, eles lançam o zine “Tara”, composto por poesias de Kilito Trindade, Mário Eugênio, Renata Flávia, Rodrigo Leite e Luiz Valadares, com o design de Thiago Ramos e ilustrações de Joniel Veras, o lançamento aconteceu no espaço Canteiro de Obras. Foi nesse período que a escritora transferiu a atividade corriqueira de escrever nos cadernos para o ambiente virtual do blog, que é uma página web na qual se publica textos, artigos e diversos temas. Até então, Renata Flávia escrevia como desabafo, sem uma grande atenção à estética do texto, mas com a divulgação das suas obras, ela começa a exercitar a brincadeira com a linguagem e pensar mais na sua escrita.

O lustre de carne

Renata Flávia criou o blog “Lustre de Carne”, em 2007, no mesmo período em que ingressou no curso de História. A partir disso, ela começou a dialogar e ter um feedback com outras pessoas; até então, tudo que ela escrevia ficava restrito aos cadernos confessionais. Renata conta que ela escrevia em um quarto onde ficava tudo que ela gostava: o computador, os livros e o aparelho de som. Nesse cômodo, tinha um lustre muito estranho com uma estrutura que parecia uma lança e foi ali, observando o artefato, que ela teve a ideia de metaforizar esse lustre que ilumina a carne, o que há de mais profundo no ser, algo que de tão visceral chega a ser doloroso e machuca. A escritora conta que o blog funcionava como um exercício de escrita, de exorcismo, e é nessa troca que está a beleza da literatura e da poesia, pois é quando aquelas palavras ajudam, modificam ou até sensibilizam outras pessoas. O blog ficou dez anos em vigência, quando a plataforma encerrou as atividades e fechou o serviço. Com isso, a escritora conta que perdeu grande parte das suas “proesias”. Atualmente, ela retomou o Lustre de Carne, mas em outra plataforma.

“O livro me modifica quando ele atinge o outro. E essa resposta é que faz eu sentir que ele está vivo.” Renata Flávia

Foto: José Ailson (Um Zé)

O Mar Grave

“O livro me modifica quando ele atinge o outro. E essa resposta é que faz eu sentir que ele está vivo”, pontua Renata Flávia. Em 2018, a escritora lança a obra “Mar Grave”, pela Editora Moinhos, na série intitulada “Pontes Poéticas” que já tem a tradição de publicar obras dos novos autores e autoras. Para compor os textos que seriam colocados na obra, a autora fez uma seleção por temas. Renata Flávia sentiu a necessidade de mostrar a mudança na sua escrita criando esses minilivros dentro de um livro no qual expõe inquietações antigas e atuais, que são contadas por três vozes, três características. A obra, portanto, é como uma coletânea e está dividida da seguinte forma: “Obsidiana” (que é uma pedra vulcânica associada à proteção e purificação de energias), esse é o capítulo que tem mais textos do Lustre de Carne, com caráter mais introspectivo; “Histeria”, capítulo no qual a escritora aborda temas feministas; e “Voragem”, onde ela aborda a ideia do punk, com textos sobre a política. “Antes de publicar o livro, eu não tinha a opção de falar sobre ele, pois o Lustre era muito restrito. O livro serviu para abrir essa porta, pois eu sou muito na minha”, crava Renata Flávia. A escritora conta o quanto é importante esse diálogo com o público, pois é quando ela percebe como a escrita ganha novos significados e modifica a outra pessoa.

Um macramê poético

Renata Flávia é uma escritora entrelaçada à escrita. A sua paixão pela criação faz dela uma artista insaciável pela criação, sempre buscando expressar as suas ideias por meio das artes, ora escrevendo, ora pintando, ora tecendo os seus macramês. E a escrita tem essa mesma organização, esse costurar que é tanto solto quanto profundo e visceral. Renata Flávia conta como os livros de literatura foram importantes para a sua formação e como o incentivo dos seus professores ajudaram ela a mergulhar ainda mais na sua paixão pela literatura. O processo criativo da escritora é bem espontâneo, e ela conta que não tem um método para produzir, parte da sua necessidade de criação, mas a finalização da escrita para o livro tem uma seleção mais criteriosa. Em 2012, Renata foi aprovada na lei de incentivo fiscal A. Tito Filho (Lei nº 2.194), que financiará a publicação da sua próxima obra, baseada também nos textos do Lustre de Carne. Renata Flávia escreve as suas “proesias” (prosa e poesias) e “poemetos” (poemas curtos) sem seguir temas específicos, sua escrita é bem espontânea e livre de quaisquer amarras. Segundo a própria escritora, definir as suas “prosas poéticas” seria limitar o próprio alcance que elas têm sendo assim como são, indefiníveis.

Contatos

Tel: 86 9 99924-3294

email: renata.flavia07@hotmail.com

instagram.com/renata.flavia

lustredecarne.webnode.com

Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vídeo

Proesias

Poesia

poema mulher mundo

O desenho da tua boca contorna e mata

Chifre de boi e Madre pérola

CANTEIRO DE OBRAS 2013

um médico diagnosticou meu mal

Bibliografia

Mar Grave (2018).

Outras fontes

Crítica do livro “Mar Grave” de Renata Flávia, por Marciléia Ribeiro

Última atualização: 10/12/2019

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

4 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…