Braga Tepi e a arte de dar vida ao metal

Braga Tepi

Criar é o maior dom do artista, é por meio da criação que conhecemos ou procuramos compreender as suas subjetividades. E pelas mãos desses criadores somos arremessados em diversos universos, instigados a expandir nossas percepções. Muitas vezes a arte transforma e se propõe a transformar, assim é a proposta de Francisco de Oliveira Braga que faz do metal verdadeiros universos, adicionando vida, criando personagens, histórias e ressignificando sucatas de ferro. O escultor e artista visual mais conhecido como Braga Tepi, nasceu em Buritizinho, zona rural de Teresina. Fez o curso profissionalizante para torneiro mecânico que possibilitou ao artista conhecer as bases para explorar a arte de moldar metais. Braga Tepi tem no currículo exposições como “Molibdênio” (2010), realizada no Shopping Cassino Atlântico e “Alma Vazada” (2012), que aconteceu na Galeria Hrocha, ambas no Rio de Janeiro. Além de ter participado de exposições fora do Brasil, como na Alemanha (2004) e Nova York (2007). O artista também já foi homenageado pelo 18 º Salão de Artes Plásticas de Teresina (2011) e ganhou diversos prêmios locais. As suas obras ultrapassaram fronteiras e encantam o público por onde passam.

“Eu gosto de colocar movimento na escultura, fazer uma linha mais orgânica, exigir mais do metal, pois o ferro, o bronze e o cobre são bem bonitos, não precisam ser pintados.” Braga Tepi

Nome Completo: Francisco de Oliveira Braga

Descrição: Artista visual e escultor

Data de Nascimento: 22/06/1972

Local de Nascimento: Teresina

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

O esboço do metal

Tudo se inicia nos rabiscos, nos rascunhos e esboços que precedem a feitura da obra de arte. A obra começa ali na parte do projeto e requer um longo ensaio, cujos resultados são percebidos já na fase do processo. E, esboçando a trajetória do artista que se destaca com as esculturas de metal, é possível perceber que o começo da carreira de Braga Tepi já revelava o potencial da genialidade contida na imaginação do artista. Por volta dos seis ou sete anos de idade, Braga teve contato com a arte no ambiente escolar. Ele estudava em uma instituição filantrópica regida pela igreja católica, que dava aos alunos a formação escolar. Nessa instituição, o menino começou a observar uma das freiras, que, nas horas vagas, desenhava. Braga rememora que o que chamou a sua atenção não foram as outras disciplinas, mas os desenhos feitos pela professora. Ele foi instigado pela paixão de ver surgir sobre a folha vários tipos de desenhos e, então, começou a se sentir motivado para também rabiscar. E o menino passou a desenhar em todo lugar, principalmente nos seus cadernos, até começar a gostar dos seus rabiscos. Seus primeiros desenhos eram reproduções das histórias em quadrinhos. Posteriormente, o artista começou a frequentar outros espaços, nos quais circulavam diversos artistas, como a Praça Pedro II, onde acontecia o Salão de Humor de Teresina. Ao entrar em contato com o Salão e com outros artistas, os desenhos de Braga Tepi ganham outra perspectiva, voltando-se para as temáticas do Salão.

A trajetória do escultor

Bem antes de fazer esculturas, Braga Tepi já desenhava, criava e entendia o caminho para a criação das suas obras. E foi por isso que ele começou a conhecer o mundo das artes e deu de cara com o cenário da música local. Sua inclinação para a música o levou direto para o Rock Teresina, na década de oitenta, período em que, segundo o artista, houve grande efervescência das artes e foi quando o artista começou a desenhar cartuns para fanzines. Nessa época, Braga começou a participar do Salão de Humor, que mudou não só a sua perspectiva, mas também proporcionou ao artista um dos prêmios do concurso. Além disso, o Salão motivou Braga a continuar pesquisando e criando desenhos diversos para participar dos concursos. Contudo, a era digital também atingiu o Salão, que passou a dar muito espaço aos desenhos digitais e, na época, Braga Tepi não tinha condições de ter um computador. Essa barreira fez com que o artista se distanciasse do Salão e buscasse outro caminho. Então, Braga buscou um curso para aprender uma profissão, foi quando começou o curso de tornearia mecânica.

“Eu queria peças que a partir do movimento que as pessoas vissem elas sentiriam uma espécie de um mundo diferente ao redor. Então eu criei o personagem do homem acoplado à máquina.” Braga Tepi

As nuances do metal

Braga Tepi transitou por diversos espaços, demonstrando como dar vida e movimento ao metal. Inspirado no surrealismo e na ficção científica (principalmente no seu subgênero, o steampunk), as suas obras são um amalgama de ideias soldadas com a liga de criatividade que surpreendeu diversos públicos, inclusive a crítica especializada. A explosão de ideias foi sendo materializada na modelagem e construção das esculturas, forçando o artista a se especializar para dominar processos mais eficientes do uso das suas ferramentas de trabalho, como a soldagem. Baga Tepi fez da arte a sua vida e investe seu tempo na feitura das suas obras, na construção das ideias que nutrem cada peça. Segundo o próprio artista, sua arte é fruto da crítica à ideia de “homem máquina”, ao avanço tecnológico selvagem, sem controle e que traz como consequência a perda da humanidade. A manipulação do metal como obra de arte é perigosa e, ao mesmo tempo, bela. Além disso, revela a sua percepção sobre uma outra natureza, um personagem que nunca está estático, sempre estará em movimento. Para o artista autodidata, que aprendeu a viver e se expressar por meio das suas obras, a arte tem um efeito transformador e serve como uma terapia, um ofício que acalma o artista. As obras de Braga Tepi ganharam o mundo e despertam questionamentos, encantam, provocam espectadores de várias partes do mundo.

Contatos

facebook.com/br.bragatepi

instagram.com/bragatepi.oficial/

bragatepi.blogspot.com/

Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vídeos

 

Exposições

Molibdênio (2010);

Alma Vazada (2012.

Outras fontes

https://cidadeverde.com/noticias/191683/de-torneiro-mecanico-a-artista-plastico-teofilo-apresenta-braga-tepi

http://www.portalentretextos.com.br/materia/a-arte-de-braga-tepi,3403

https://www.meionorte.com/blogs/culturaeturismo/braga-tepi-da-leveza-e-movimento-ao-aco-281132

Última atualização: 01/10/2018

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…