Kelma Gallas: a paixão pelas letras

A jornalista, escritora, professora, pesquisadora e roteirista Kelma Gallas é natural de Caxias-MA e radicada em Teresina. Ela é formada em Comunicação Social – Jornalismo pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), é pós-graduada em Imagem e Publicidade (UFPI, 2002). Atualmente é professora titular do Centro Universitário Santo Agostinho (UNIFSA). Integra desde 2011, o Grupo de Pesquisa CNPq, Sexualidades, Corpo e Gênero – SEXGEN (Universidade Federal do Pará), que desenvolve estudos acerca dos temas das culturas sexuais, das identidades homossexuais, da construção social do gênero, da diversidade sexual, entre outros. Sob o pseudônimo literário Hanna K, a autora publicou virtualmente as obras “A Dança Vazia” (2004), “Espelhos e Miragens” (2005) e “Tratado das Meias Verdades” (2007). Participou da coletânea “Elas Contam”, pela Editora Corações e Mentes (SP), em 2006 e [In]Contadas: aquelas que não podem falar e publicou a obra “Espelhos e miragens” (2017). Já no cinema Kelma foi roteirista no filme “Flor de Abril” (2013) e “Onde Moram os Cavalos Marinhos” (2017) dirigido por Cícero Filho (TVM Filmes) e está produzindo o filme “Babaçu Love”.

“Minha maior paixão na vida é escrever. Eu sempre quis ser escritora, é o meu sonho mais antigo.” Kelma Gallas

Nome Completo: Ana Kelma Cunha Gallas

Descrição: escritora de Caxias-MA

Data de Nascimento: 17 de agosto de 1966

Local de Nascimento: Caxias – MA

Revisado por: Paulo Narley

A expertise para escrever

Nascida na terra de Gonçalves Dias, Kelma Gallas cresceu em Teresina, cidade que se tornou cenário de suas principais obras literárias. A literatura é uma paixão antiga. Até a adolescência, ela se revezava entre as artes visuais e a escrita. “Nunca fui, de fato, uma boa desenhista ou pintora, mas o labor do texto me capturou por sua complexidade”, conta. Na época, os livros se amontavam no quarto, juntamente com os discos que colecionava. “Eu tinha muitos LPs e fitas cassetes, e depois, CDs e DVDs. Nunca superei essa paixão pela música”, diz. À semelhança de Nick Hornby (“Alta Fidelidade”) e Alison Bechdel (“Fun Home”), suas obras são atravessadas por referências culturais, discussões filosóficas e debates existenciais. É o caso de sua principal obra, “Espelhos e Miragens” (2005), publicado em 2017. “Sempre fui meio solitária e passei a adolescência enfurnada no quarto, que eu chamava de caverna – tanto uma referência à caverna de Batman como a do Platão “, brinca. Os quadrinhos também foram a sua grande paixão. Quando concluiu o curso de Jornalismo, na UFPI, o seu trabalho de conclusão abordava o mito do herói nos quadrinhos. Mais tarde, ela foi uma das criadoras do Núcleo de Quadrinhos do Piauí, e pesquisadora do tema, durante um tempo. Hoje, ela tenta equilibrar as inúmeras atribuições do exercício profissional como jornalista e professora do ensino superior, com a literatura. Tem um novo livro em gestação. “Minha maior paixão na vida é escrever. Eu sempre quis ser escritora, é o meu sonho mais antigo”, frisa.

Jornalismo e a literatura

O jornalismo entrou na vida de Kelma Gallas como forma de vincular a paixão pela leitura com a profissão de escritora. A escritora, apaixonada por autores como Arthur C. Clarke, Philip K. Dick e Oscar Wilde, fez da escrita uma missão e dedicou-se também a ler enciclopédias e dicionários, com o intuito de conhecer o máximo de palavras possíveis. O seu perfeccionismo e método de produção também têm relação com o seu processo de escrita, pois ela assinala como era oneroso ter que reescrever uma página inteira para corrigir um erro nas máquinas de datilografar. Quando Kelma começou o curso de jornalismo, na segunda turma de jornalismo da Universidade Federal do Piauí, ela dedicou-se à editoria de cultura. A estudante de jornalismo colecionava editoriais de cultura da Folha de São Paulo, tamanha era sua paixão. Sua atuação na área, inicialmente, se deu como uma forma de tentar reproduzir o mesmo formato, fugindo da ideia de cultura como agenda cultural. “Eu me preocupava não só em informar sobre a peça, mas em assistir e fazer uma narrativa a respeito daquilo”, conta Kelma Gallas.

“Olavo de Bilac que dizia que o poeta é um ourives, ou seja, ele vai lapidando a obra”. Kelma Gallas

O processo criativo

“Eu amo as palavras. Realmente penso que Olavo Bilac tinha razão ao dizer que o escritor é como um ourives, busca o perfeito encaixe da palavra no contexto do texto. E é isso, acho que é a busca de um melhor possível, dentro das minhas limitações, que me anima a continuar”, afirma Kelma Gallas, lembrando que escreveu fluidamente “Espelhos e Miragens”, em menos de um ano. Na época, escrever a história, com quase 400 páginas, lhe pareceu fácil. “Escrevia diariamente, cerca de cinco a seis horas, dividindo-me entre os estudos e o trabalho”, explica. A autora publicava semanalmente um capítulo de dez páginas. Mas, outros trabalhos seus demoraram um pouco para serem concluídos, como é o caso de novo romance. “Este, eu escrevo desde 2015, permanecendo em revisões, em mudança de ritmo. Tenho insights espalhados em várias cadernetas, revisões de rodapé em páginas impressas, mais intenso e lento… Eu acho que cada obra tem sua identidade, sua própria alma, construída no processo dinâmico e intenso que é o de criar um universo próprio”, pontua.

Espelhos e Miragens

“Espelhos e Miragens” (2017) é a obra inaugural de Hanna K, alcunha literária da jornalista Kelma Gallas. A obra conta a história de um amor incondicional e do amadurecimento decorrente de seus percalços. Narrado na primeira pessoa, por Ana Paula, uma estudante de Direito que se apaixona por Manu, uma colega de turma, o livro é atravessado por inúmeras referências culturais e um debate intenso sobre a natureza do amor. Mais do que um denso jogo intelectual sobre as inúmeras possibilidades de existir, a obra carrega reflexões sobre o assumir-se lésbica em uma sociedade heteronormativa. Indicado pela Revista Reversa (SP), como um dos livros LGBTs que deviam ser lidos em 2018. Além disso a obra recebeu um prêmio de literatura concedido pela organização da Parada Gay de São Paulo e o prêmio “Papo Mix de Literatura”. Segundo a autora, historicamente, a literatura, em seus variados campos, têm expressado convicções políticas e identitárias. No Século XX, acentuou-se um movimento cultural que, em certa medida, tenta preencher determinadas lacunas da representação identitária, especialmente, de grupos historicamente subalternizados, como mulheres, negros, indígenas e LGBTQI+. E é nessa corrente que se insere “Espelhos e Miragens”, onde as identidades falam por e para si. Esse tipo de abordagem não só busca um “nicho de mercado”; essas narrativas problematizam as suas próprias questões e apresentam, de um ponto de vista muito particular, as lutas identitárias de grupos específicos, muitas vezes, ausentes, mal compreendidos ou invisibilizados nos cânones da literatura.

Contatos

Instagram.com/kelmagallas

Facebook.com/kelmagallas

E-mail: kelmagallas@outlook.com

Telefone : 99849-0066

Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vídeo

Obras

Outras fontes

https://redepiaui.com/noticias/escritora-piauiense-lanca-livro-em-teresina/

http://piauihoje.com/noticias/espelhos-e-miragens-para-combater-preconceitos/

Última atualização: 19/02/2019

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…