Bruna Castelo Branco e o entrelaçamento com os palcos  

A teresinense Bruna Castelo Branco é graduanda em Pedagogia na Universidade Federal do Piauí (UFPI), atriz no Grupo Metamorfose de Teatro e uma das grandes promessas do teatro piauiense. A estudante que foi conduzida de forma espontânea para as artes tem estudado constantemente para mergulhar cada vez mais no mundo das artes cênicas e fez da experiência com os palcos um motivo para questionar até o seu lugar na sociedade. Bruna Castelo Branco já atuou nos espetáculos Faces (2016) e Poliamor (2018), além disso participou de performances como “Cogito” apresentado na IX Mostra de Teatro COTJOC – Arte ao Alcance de Todos (2018), “Cores sob nossas peles” (2019) e “Linda e Gabriela” (2019). A atriz entra para a cena teatral com muita vontade de aprender, questionar e dialogar tanto com os grupos e coletivos quanto com o público.

“O teatro representa a libertação e não tem coisa melhor que liberdade.” Bruna Castelo Branco

Nome Completo: Bruna Castelo Branco

Descrição: Atriz

Data de Nascimento: 11/06/1996

Local de Nascimento: Teresina – PI

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

O germe da criação

O contato de Bruna Castelo Branco com as artes aconteceu inicialmente por meio da literatura, pois antes de conhecer o universo das artes cénicas a artista começou a expressar suas subjetividades na escrita. Bruna conta que era uma garota introspectiva e sempre tentou se distanciar de tudo que a deixava em evidência, por isso ela jamais teria pensado em atuar. Mesmo assim já existia o germe da criação se desenvolvendo na artista que usava as histórias e desabafos dos colegas como inspiração para a construção das suas crônicas. E, segundo Bruna Castelo Branco, sua perspectiva era produzir um livro, por isso ela passou a escrever contos e crônicas. “O livro é algo mais introspectivo, é só você e você mesma. Já no palco é diferente porque você se coloca vulneravelmente para que as pessoas te vejam, querendo ou não você se expõe como ator”, diz a artista.

Desbravando as artes cênicas

Os palcos têm uma magia inexplicável, algo subjetivo que só quem sente é capaz de tentar descrever e depois de instigada essa paixão, não tem mais jeito senão mergulhar no oceano das experiências que só a vivencia nos palcos proporciona. Segundo Bruna Castelo Branco o seu início nas artes cênicas aconteceu nos palcos, quando ela assistiu à apresentação da peça teatral “Quando o amor é assim, não assado” monólogo protagonizado pelo ator Júnior Marks. O impacto foi imediato, segundo a atriz, pois ela ficou apaixonada pelas possibilidades que o palco oferecia e com a performance do ator em cena. Bruna descreve como foi oneroso vencer o medo de se colocar no palco, pois até então ela preferia ficar nos bastidores de qualquer evento ou organização. A apresentação no Theatro 4 de Setembro do monólogo fez com que ela buscasse caminhos para conhecer o cenário teatral piauiense.

Metamorfose no teatro

A imersão de Bruna Castelo Branco no teatro, não mais como espectadora, aconteceu quando a atriz ingressou na Universidade Federal do Piauí (UFPI). No ambiente acadêmico, ela ficou sabendo da existência das oficinas de teatro por meio de um cartaz e quis conhecer o grupo. A partir da oficina, Bruna Castelo Branco começou a desvelar os seus conceitos a respeito das artes e do mundo, foi lá que ela entrou em contato não só com outras pessoas, mas sobretudo consigo mesma. O Grupo Metamorfose de Teatro surgiu na UFPI com a proposta de promover uma transformação por meio do teatro. Criado em 2013, por iniciativa do ator, dramaturgo e diretor Heberth Costa, a trupe foi ocupando os espaços acadêmicos, assim como diversos outros espaços, com arte. Desde então muitos estudantes e pesquisadores passaram pelo grupo, que se tornou um recinto de diálogos e produção artística. Segundo a atriz, o grupo se tornou um espaço de libertação e uma alternativa diante da pressão acadêmica, uma forma de expor toda a potência criativa suprimida pela sociedade.

“O Grupo Metamorfose me ensinou muito sobre o teatro e principalmente sobre mim mesma, foi como se eu saísse mesmo de um casulo.” Bruna Castelo Branco

Se desafiar para se aperfeiçoar

O teatro é um espaço de experimentações e pesquisas, amplamente nutrido por grandes autores e encenadores que sedimentaram tanto as suas gerações quanto as  gerações contemporâneas. Essa base que conduz o trabalho de Bruna Castelo Branco está presente na concepção dos seus trabalhos, que têm como objetivo gerar empatia no público. Para a atriz, o trabalho do ator é criar um diálogo com o mínimo de ruído possível entre o intérprete e o espectador, fazer da vivência no teatro uma experiência sensível que permita criar uma relação de intimidade com a plateia. Cada grupo de teatro e ator tem o seu método e forma de atingir os seus objetivos no palco, para Bruna, essa finalidade é construída seguindo um processo de mergulho intenso na construção da personagem, pois quanto maior seu domínio sobre a história melhor será para atingir o que se espera da personagem. “Acho que saber o que o personagem é facilita para entender o que ele vai sentir”, frisa a atriz. Bruna Castelo Branco conta que conheceu primeiramente o teatro performático, cuja principal fonte de expressão dos sentimentos se dá pela performance corporal mais que propriamente a fala. Apesar de ter criado uma afinidade com esse tipo de fazer teatral, ela gosta dos desafios, gosta de sair da sua zona de conforto para se forçar a melhorar e se aperfeiçoar constantemente.

As faces do poliamor

Bruna Castelo Branco subiu no palco pela primeira vez ao apresentar o espetáculo “Faces” (2016), que aconteceu no Teatro do Boi. Depois disso, a atriz continuou se apresentando tanto nos palcos de Teresina quanto nos eventos da cidade. O mais recente trabalho do Grupo Metamorfose de Teatro se chama “Poliamor”, que tem o texto e a direção de Heberth Costa. A proposta de montar o espetáculo partiu da atriz Mônica Gomes e foi sendo ampliada conforme o grupo foi discutindo sobre o assunto. O trabalho, segundo a atriz, foi desafiador por permitir vivenciar uma realidade diferente da sua, fazendo com que ela conhecesse, por meio dos laboratórios, alguns dos dilemas vivenciados pelas pessoas trans. O grupo se apropria do título poeticamente para abordar as múltiplas formas de amores existentes, inclusive, a relação poliamorosa. A peça tenta não só mostrar a importância da empatia, mas demonstra, de forma lírica, todo peso político por trás das relações que sofrem diversos preconceitos na sociedade, tema que causou comoção entre os estudantes da universidade e nos demais espaços onde foi apresentada.

A liberdade no palco

Para Bruna Castelo Branco, o teatro representa liberdade, criando e expressando um pensamento. Esse é o poder da arte, pois ela atinge de diversas formas o público e tem um poder de transformação imensurável. A atriz, que entrou para a cena artística com muita curiosidade e vontade de conhecer as artes, está constantemente buscando apreender as informações necessárias para a sua formação como artista, não se limitando a uma única fonte, tampouco apenas à experimentação. Por isso, a atriz conta como é importante que o Piauí crie cada vez mais meios para a profissionalização dos artistas das artes cênicas e revela o desejo de se graduar na área para se especializar mais ainda no teatro. Bruna Castelo Branco foi fisgada pelo teatro e diz que da mesma forma como se apaixonou pela arte ela desejaria que outras pessoas também vivenciassem essa paixão. “Eu quero que o teatro se expanda, que outras pessoas conheçam a magia do teatro”, frisa Bruna.

Contatos

Facebook.com/brunacastelobranco

Instagram.com/brunitoria

Instagram.com/cia.metamorfose

Tel: (86) 9 8881- 3423

Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Espetáculos

Faces (2018);

Poliamor (2019).

Performances

Cogito (2018);

Cores sob nossas peles (2019);

Linda e Gabriela (2019).

Outras fontes

https://www.portaloestado.com.br/noticias/entretenimento/companhia-de-teatro-metamorfose-apresenta-espetaculo-poliamor-em-teresina-6722.html

http://entrecultura.com.br/2018/11/18/poliamor-peca-da-companhia-metamorfose-enaltece-o-amor-em-sua-multiplicidade/

http://165.22.43.48/2018/12/04/critica-sobre-a-peca-poliamor-por-alisson-carvalho/

Última atualização: 29/04/2019

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

3 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…