Igreja Nossa Senhora do Amparo, uma história de surgimentos

Igreja Nossa Senhora do Amparo. Fonte: Karla Brandão

A cidade de Teresina nasceu amparada por Nossa Senhora do Amparo, padroeira dos potinenses. Instalada na região onde antes era chamada de Chapada do Corisco, a igreja matriz foi planejada pelo então mestre Isidoro da Silva França e construída pelos anseios de um povo devoto. É uma das edificações mais antigas da capital, inaugurada 131 dias após a fundação desta, e sua pedra fundamental lançada no dia 25 de dezembro de 1850, primeiro Natal da nova capital do Estado.

Com arquitetura eclética, predominantemente em estilo neogótico, a fachada principal da igreja une as torres sineiras com uma passarela com parapeito ornado em curvas sinuosas, com belíssimas arcadas de linhas curvas. Em seu interior, a igreja possui alguns poucos ornamentos, bem simplista, agraciada pela presença das imagens sacras, sendo a principal a de Nossa Senhora do Amparo, trazida de Portugal no ano de 1850, onde a mesma foi cortejada da então capela da Vila do Poty, primeira edificação construída na cidade.

O entorno da Igreja do Amparo tem como característica a diversidade temporal e estilística dos edifícios presentes em seu entorno, representantes materiais do desenvolvimento da cidade.

Nome Completo: Igreja Nossa Senhora do Amparo.

Data de Criação: 24 de dezembro de 1852, por Manuel Joaquim da Silveira.

Local: Teresina, Rua Rui Barbosa, 270, Centro Norte.

Horário de Funcionamento: aberta todos os dias, com missa a partir das 07:15 (após a missa, é possível fazer confissões até às 12:00), fechando às 15:00. Aos domingos, são realizadas missas em três horários distintos, sendo estes: às 07:00, às 11:00 e às 17:30.

Contato: (86) 3221-8254

A história da igreja se enlaça com a da cidade. Desde o início da Capitania do Piauí (Piauhy), criada em 1718, desmembrando a região do Estado do Maranhão, o desejo de transferência da capital tornou-se um anseio. Entretanto, somente no ano de 1952, com o deslocamento da Vila do Poty (local onde a cidade teve seu início) para a Chapada do Corisco, às margens do Rio Parnaíba, é que o título de capital foi concebido e, conforme citado anteriormente, a igreja foi inaugurada, sendo entregue apenas sua capela mor e as sacristias laterais, para receber logo depois a imagem da padroeira.

A igreja foi tomada como ponto central do plano de construção da cidade. Sua construção passou por diversas conturbações. Segundo relatos presentes no Processo de Tombamento Estadual desta, a mesma só foi construída através da fé e força de vontade da população.

Este slideshow necessita de JavaScript.

A composição conta com a presença da capela mor, nave central, duas sacristias e duas capelas laterais, com capacidade para mil assistentes, sendo, até então, a maior igreja da capital. Na calçada da fachada principal, encontra-se o marco zero da cidade. A partir deste, todas as distâncias calculadas no plano urbanístico inicial da cidade foram elaboradas.

Em relatório à assembleia provincial, Dr. Manuel do Rego Barros Souza Leão, em 1871, destaca “que igreja N.S. do Amparo, única igreja que possui atualmente está capital, a qual, apesar de estar externamente concluída, acha-se interiormente em um estado de grande simplicidade, incompatível com o luxo em que deve conservar-se a matriz de uma capital da província”.

Uma cidade só possui identidade quando reconhece a importância da valorização e preservação de seus monumentos e de sua história. A Igreja Nossa Senhora do Amparo é retrato vivo da origem da cidade, seu ponto de partida e organização espacial. Representa o retrato de um povo, a luta pela sua construção, a fé e, acima de tudo, a concepção da cidade que temos hoje.

Atualmente o templo recebe algumas reformas de sua estrutura, entretanto continua aberta aos devotos e visitantes que desejam conhecer sua estrutura.

Destaco ainda alguns fatos de importância histórica da igreja, como o próprio período de conclusão da construção, sendo que esta foi iniciada em 1850, vindo a ser concluída apenas em 1950, um século depois, devidos a muitos atrasos da obra. Outro fator de importância diz respeito à parte construtiva da igreja, já que a igreja foi assentada em um solo pouco firme, aspecto que agrava até hoje a estrutura da igreja, aspecto visível quando visamos os óculos da nave principal.

A construção passou por diversas modificações, sendo a ultima e definitiva feita em sua fachada principal, em meados da década de 1940, pelo historiador Monsenhor Joaquim Chaves, neste período as torres ainda inacabadas foram demolidas, preservando apenas o coro, pois este já era feito de concreto armado, e no lugar destas foram construídas as torres atuais. Além das alterações externas, a parte interna da edificação também passou por modificações, afim de melhorar a ventilação e iluminação da capela.

Escrito por: Lourrane Silva

Revisado por: Paulo Narley

Fotos por: Karla Brandão

Outras Fontes

DIAS, Leonardo. Engenharia Piauiense. Sistema de Incentivo Estadual à Cultura, Siec. Teresina, 2017.

MENDES, Patricia. Igreja Nossa Senhora do Amparo e Sitio Histórico da Praça Marechal Deodoro. Fundec. Teresina, 2001.

2 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

Receita de Bomba

A bomba é um salgado tipicamente teresinense. Ele surgiu quando a dona Marlene Ferreira, sua criadora, resolveu empanar e…
Leia mais

Receita de Cajuína

Cajuína é uma bebida não alcoólica, feita do suco clarificado e cozido do caju. A clarificação se dava…