A resistência por meio da dança de Ana Clara

A bailarina de dança afro, Ana Clara, é natural de Teresina, mas radicada em Amarante desde criança. Atualmente, vive em Floriano, onde se dedica ao curso de Bacharelado em Nutrição. Além disso, ela é organizadora e professora do Movimento Encrespa Amarante-MEAMAR , Papo Enrolado (Palmeirais-PI), integrante do Modjumbá (Floriano-PI) e Grupo de Capoeira Contemporânea (Regeneração-PI). Ana Clara já circulou por diversos municípios piauienses e maranhenses fazendo diversas apresentações, como Regeneração, São Francisco – MA, Palmeirais, Floriano e Teresina. Em Água Branca, além de se apresentar, ela ministrou oficinas. Ana é pregressa de projetos culturais como o Projeto Cultura Viva. A bailarina faz da dança um meio para mostrar toda a riqueza da Cultura Negra.

    

“A dança representa paz, pois no momento que escuto o atabaque ou o tambor eu sinto como se tivesse lavado a minha alma.” Ana Clara

Nome Completo: Ana Clara da Silva Oliveira

Descrição: Bailarina de dança afro

Data de Nascimento: 19/07/1998

Local de Nascimento: Teresina-PI

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

O desabrochar da paixão pela dança

A paixão pelas artes é algo que surge de maneira espontânea, mas quando acontece é impossível negar o desejo de criar. Independentemente de qualquer obstáculo a alma do artista é uma represa de criatividade incontrolável, impossível de ser barrada. Foi assim também com Ana Clara que cresceu assistindo as bandas se apresentando nos programas de TV e desde cedo começou a se interessar pelas coreografias de estilos como swingueira e funk. Com o desabrochar do desejo pela dança Ana Clara começa a tentar reproduzir as coreografias das músicas que mais gostava e de tanto brincar de imitar os bailarinos ela passou a dançar espontaneamente. Para Ana, a dança é uma pausa na correria, nos problemas do dia a dia, uma oportunidade de mergulhar dentro de si e encontrar a paz que só a dança é capaz de proporcionar.

O primeiro grupo de dança

Ana Clara não esperou por ninguém para iniciar o próprio grupo de dança, assim que compartilhou do deseje de criar um grupo juntou algumas amigas e juntas começaram a organizar as suas próprias coreografias. O grupo era composto por ela e mais seis colegas( Andressa Cristina, Micaela Maria, Maiara Sobrinha, Larissa Lima, Bruna Alves) e não tardou muito para começar a circular pela escola e dentro de eventos da própria cidade. Assim que ganharam mais confiança as meninas começaram a ousar mais e participar de festivais nas cidades vizinhas. Ana Clara conta que o grupo começou a dançar o estilo Street Dance e as inspirações para as coreografias vinham da internet, com algumas modificações feita pela própria bailarina, além disso era ela a responsável também pela edição das músicas. “O amor pela dança sempre habitou em mim, mas somente com os projetos da escola eu pude desenvolver mais esta arte”, crava.

A importância da escola para a valorização da arte e cultura

Ana Clara descreve como foi fundamental o ambiente escolar para o seu desenvolvimento e para o aperfeiçoamento das suas habilidades com a dança. Com um modelo de Educação focado em conhecimentos holísticos ela pode entender a sua relação com o mundo. Foi na escola CETI Polivalente que Ana começou a se identificar artisticamente, pois foi onde entrou em contato com um projeto desenvolvido pelas GRE’s estaduais que tinham o objetivo de criar coreografias e músicas relacionadas ao Quilombo Mimbó e às histórias de Amarante. O projeto gestou o Grupo Cultura Viva que teve como coreógrafo o bailarino Negro Val e a letra para a música foi desenvolvida pelo professor Neilson. Segundo Ana Clara, a música falava da Cultura Mimbó, do Cavalo Piancó, entre outros aspectos Cultura de Amarante. O espetáculo circulou por alguns lugares na própria cidade como no Festival Cultura Viva no Mimbó e em outras cidades como em Palmeirais. Para a bailarina essas experiências foram essenciais na construção das suas escolhas filosóficas e políticas.

Raízes profundas e galhos culturais fortes

Foi por meio da dança e do projeto Cultura Viva que Ana Clara começou a se aprofundar mais no universo da dança, pois além das informações obtidas ela conheceu diversos profissionais nos muitos eventos que começou a participar. A bailarina começou a entender as suas origens e perceber a importância de valorizar a Cultura, pois somente quando conhecemos as nossas raízes é que podemos defender quem somos. Dessa forma a artista foi conhecendo e participando dos grupos Movimento Encrespa Amarante-MEAMAR , Papo Enrolado (Palmeirais-PI), Modjumbá (Floriano-PI) e Grupo de Capoeira. “Esses movimentos me ensinaram que é importante se amar, se empoderar e conhecer a nossa própria força. Só quando conheci isso foi que passei a amar também as pessoas”, frisa. Ana Clara conta que o Movimento Encrespa já teve quatro edições e que além desse evento o movimento promove ações durante o ano. Em novembro a bailarina participa dos eventos no quilombo Mimbó que tem uma importância muito grande na sua trajetória. A bailarina apaixonada pela cultura da região conta que já foi integrante do grupo folclórico Cavalo Piancó e lá ela pode circular pelas cidades vizinhas fazendo apresentações da dança. “O Cavalo Piancó é uma dança nascida em Amarante onde os fazendeiros durante as noites enluaradas para afugentar os cavalos, os animais que comiam suas plantações e suas vazantes, criavam essa dança. Passavam a noite dançando para não dormir.”

“O amor pela dança sempre habitou em mim, mas somente com os projetos da escola eu pude desenvolver mais esta arte.” Ana Clara

Quando a criação germina

Para Ana Clara a dança é uma oportunidade de expor todas as referências da sua ancestralidade, é por meio da dança que ela consegue se comunicar com o mundo para demonstrar as belezas das suas raízes. Para a bailarina a arte está diretamente vinculada com a política e a educação, pois na sua experiência ela percebeu o quanto a dança e as demais atividades artísticas serviram para despertar a consciência que ela possui atualmente. Por isso, o sentimento que mais motiva a arte de Ana é a liberdade, pois é somente por meio da liberdade que podemos desempenhar atividades que causam prazer. “A dança representa paz, pois no momento que escuto o atabaque ou o tambor eu sinto como se tivesse lavado a minha alma”, diz. Com um processo criativo bem espontâneo, Ana Clara costuma pensar na coreografia primeiro e durante os ensaios vai aplicando o que imaginou, alterando os movimentos para encaixá-los na música quando for conveniente. Para a bailarina as suas grandes referências artísticas são pessoas como as suas professoras Sâmia Alves e Maria das Graças, conhecida carinhosamente como Gracinha ou Pérola Negra, além do coreógrafo e bailarino Negro Val.

Transformando vidas

Ana Clara é pregressa de uma projeto escolar que formou não só artistas, mas uma comunidade consciente do seu papel social e da importância da valorização da própria Cultura. Uma artista que desde os doze anos de idade é envolvida com a Capoeira e que mesclou todas as suas paixões demonstrando o poder que a arte possui de integração. Assim como o batuque do tambor, a trajetória da artista está fincada na dança Afro e sua integração ao movimento ajudou a entender que não existem fronteiras insuperáveis. A artista frisa que um ato que parece simples pode demonstrar uma superação e enfrentamento, por isso o movimento MEAMAR foi um divisor de águas na sua vida, por ensinar, por abrir portas, dilatar a imaginação e permitir vivenciar experiências impares. Soltar os cachos pode ser transgressor, pode despertar discussões sobre diversos temas que são trabalhados na arte da bailarina. Graças a essas ações muitas vidas são transformadas e atualmente a dança assume um papel transformador, pois nos diálogos das suas aulas ela descreve que aprende muito. Ana Clara é uma das referências da dança Afro de Amarante e vem ocupando os espaços e mostrando para as novas gerações a importância de se amar, se aceitar e se empoderar.

Contatos

Facebook.com/anna.klara.50

Instagram.com/cllarana_

Email: cllarana00@gmail.com

Fotos

Vídeo

Outras fontes

https://somosnoticia.com.br/noticias/cidades/amarante/iv-encrespa-acontece-com-grande-publico-em-amarante-189003.html

Última atualização: 29/01/2020

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

7 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…
Leia mais

Luana Campos

A cantora teresinense Luana Campos é sucesso de público, seja como vocalista feminina da banda Top Gun ou…