SOBRE LISTAS E TÍTULOS, por Jasmine Malta

          Na segunda-feira, 18/05/2020, fomos surpreendidos com a divulgação de uma Enquete para escolhermos quem seria “o maior nome da poesia piauiense pós-Torquato Neto” promovida pelo site Ferendum com suposta autoria da UESPI (segundo a postagem), apresentando 18 nomes de escritores, dentre estes apenas duas mulheres; mais de quatrocentas pessoas já deixaram marcada a sua preferência.

Link da enquete: https://www.ferendum.com/pt/PID409293PSD480675057

          Claro que um salutar debate foi gerado acerca dessa eleição, e alguns pontos merecem ser apresentados e seguirem colaborando para o aprofundamento da(s) questão(ões):

*Uma “Era Pós-Torquato Neto” seria uma proposição de organização historiográfica para a Literatura Piauiense proposta por quem? Qual o estudioso e em qual Teoria Literária sua análise organizacional está alicerçada? Sem “opiniões” ou “achismos”, mas com uma formação de pensamento crítico acadêmico e científico de verdade. Não é possível encontrar informações nem no Questionário, e nem na publicação; quem tiver esse conhecimento, por favor, agradecemos pela valiosa contribuição.

*Uma organização historiográfica segmentada em Eras e Fases possui o viés histórico e didático, com fatos e publicações que demarquem o “início” e o “final” de cada uma dessas etapas. Assim, quando seria iniciada a Era Pós-Torquato Neto e como/quando ocorreria sua finalização? Datas, Publicações de obras, acontecimentos históricos elencados para tal suporte: Quais? Por que? O que está vindo antes dessa “Era” e o que está por vir depois dela?

*Sempre é válido lembrar que desde os anos 70 o poeta não é reeditado e seguimos “lendo os que leram Torquato”, pois não estamos diretamente bebendo em sua fonte; única, por sinal. Exceto os sortudos que conseguem acesso à “Os Últimos Dias de Paupéria” na biblioteca particular de algum amigo ou conhecido, e com todos os cuidados de manuseio que a edição já pede.

*Nomes como os de Adriano Lobão, Demetrios Galvão e Thiago E parecem ter sido adicionados para bafejar um “ar de atualidade” à Lista proposta. Com apenas duas poetisas (Graça Vilhena e Marleide Lins) aparecendo fica evidente a falta de leitura e de conhecimento acerca da produção piauiense, principalmente a feita por mulheres, pela parte de quem organizou essa votação.

*Os números que os votados até o momento apresentam como resultados e possível classificação, são de realmente fazer pensar com bastante cuidado sobre a origem e a finalidade da analisada Enquete. Além de estar gerando uma boa conversa entre os que realmente estudam e “fazem” a Literatura Piauiense como seriedade e compromisso.

          Sou formada em Letras Português pela UESPI, e foi nessa casa onde aprendi muito sobre nossa Literatura, onde realmente mergulhei nas pesquisas que resgataram escritoras e resultaram em reedições de obras do século XIX. Nesse espaço acadêmico e científico pude conhecer pessoalmente estudiosos e educadores voltados para a nossa historiografia literária, foi lá onde conheci escritores e pude dialogar com eles em palestras e lançamentos; dentro dessa Instituição escolhi trilhar pela área e nela sigo desde o Trabalho Final de Literatura na Graduação. O diálogo permaneceu ao longo dos anos e o contato tem sido fortalecido com os professores, inclusive os mais recentes. Sigo espantada com uma Enquete dessa natureza, e, claro, bastante desconfiada do uso indevido, ou escuso, do respaldo de nossa Universidade Estadual.

          Títulos são importantes para a formação curricular acadêmica e contagem de pontos em seleções, fora desse âmbito não passam de “Concurso de Miss” – onde nem sempre a mais preparada, a mais talentosa e da preferência popular será a coroada. Vê-se muito mais um jogo de vaidades e influências do que realmente de qualidade literária, produção poética significativa e de representatividade piauiense. Torquato foi um poeta conhecidamente incomodado com sua cidade e suas raízes provincianas, difícil compreender em qual ponto um dos listados pode aproximar-se dessa caraterísticas torquateanas.

          Ummmmmmm… Talvez seja na fama e projeção fora do espaço local! Mas nosso Anjo Torto é muito mais reconhecido nas terras além do eixo mafrense como Compositor, e não como Poeta. E agora, José?

 

 

 

Jasmine Ribeiro Malta

Professora, Escritora, Artista Visual, Designer de Interiores

 

10 Shares:
1 comentário
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar