Chico Vinícius: do teatro à palhaçaria

O ator e palhace Francisco Vinicius de Freitas Pereira, mais conhecido como Chico Vinícius é natural de Pedreiras-MA, mas mudou-se para Teresina com dois anos de idade (em 1989), local onde viveu até os 20 anos de idade, posteriormente ele muda-se para São Paulo, local que reside atualmente. Chico é formado em Licenciatura em Educação Artística com habilitação em Artes Cênicas pela FPA – Faculdade Paulista de Artes (2008-2011) além disso estudou com Cida Almeida, Sofia Papo, Jesser de Souza, Julieta Paredes, Payaso Chacovachi, Palhaço Biribinha, Bete Dorgam, Yara Sbano, Alessandro Azevedo, Luis Louis, Nadja Turenko, Erickson de Almeida, Caco Mattos, Tereza Gontijo, Fernando Yamamoto, Paula Queiroz, Suzana Aragão, Dani Biancardi, Carolina Gonzalez, Lucia Romano, Alexandre Mate, José Fernando de Azevedo, Luciene Guedes, Janaina Leite, Eduardo Okamoto, Fernando Vieira, Eraldo Maia e Wanden Lima
Como interprete, Chico participou do Curta Metragem “Corre bichinha” de Edinho Costa (2020); das peças (Nossas) Vidas Secas ou somos todos estrangeiros? Cia de Desinventos (2014), A Irresistível Ascensão de Arturo Ui direção de José Fernando de Azevedo (2013), Secante, com a Cia. Teatro Renascer, direção Wanden Lima.(2006). Como Palhace Chicote dos espetáculos: Jujuba la Luchadora x Chicote La Muerte” e “MONASCICLOS” com a dupla Jujuba e Chicote, direção de Cida Almeida; CATAPPUM! direção de Mafalda Pequenino, Dramaturgia com parceria de Fagner Saraiva. (2019); Cabaré das Pílulas Cômicas direção Caco Mattos (2019). Chico Vinícius tem uma vasta experiência que dialoga inclusive com outros seguimentos artísticos, mas sempre interligada com a comedia física e a cultura popular.

 

 

“Rir é revolucionário num mundo triste” Chico Vinícius

Nome Completo: Francisco Vinicius de Freitas Pereira

Descrição: intérprete e palhaçe

Data de Nascimento: 28/01/87

Local de Nascimento: Pedreiras – MA – Maranhão.

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

 

Conhecendo o vasto universo das artes

Chico Vinícius, desde criança, foi um apaixonado pela representação, e o seu principal meio de consumo para isso eram as telenovelas. Dessa forma, ele cresceu brincando de imitar as cenas e reproduzir aquilo que via. Essas brincadeiras tinham como cúmplice a prima, ambos criavam cenários para desenvolver as cenas e Chico já demonstrava o seu desejo pela criação. O ambiente escolar foi outro espaço que contribuiu muito para o incentivo às artes, Chico estudou na Unidade Escolar Fontes Ibiapina e conta que começou a escrever nas aulas de Literatura e trabalhou pintura na aula de Artes visuais. Lá, ele e os colegas eram instigados pelas professoras das disciplinas. Chico Vinícius, desde as suas primeiras apresentações para o público, teve que trabalhar timidez e gagueira nervosa, ele enfrentou essas barreiras com a paixão pelo teatro.

 

 

Do surgimento do Renascer

Ainda na adolescência, entre treze e catorze anos de idade, Chico Vinícius ingressou no grupo de jovens da Igreja do Renascença I (periferia sudeste de Teresina) e foi lá que ele começou a entrar em contato com atividades artísticas concomitantemente com as atividades artísticas escolares. E um dos amigos do Grupo de Jovens, Valdeci, convidou Chico para participar da seleção de um grupo de teatro que estava começando na escola. Esse grupo era dirigido por Wanden Lima e o objetivo do grupo era a montagem de uma peça chamada “Paixão de Cristo” (2002), que circulou por diversos bairros da cidade. Depois da experiência, surgiu uma extensão do grupo que teve como objetivo continuar com o projeto do teatro, mas com uma formação mais contínua e dessa continuação surgiu a Cia. Renascer de Teatro (2003). O Grupo surgiu a partir de uma oficina ministrada pelo diretor de teatro Wanden Lima na Unidade Escolar Fontes Ibiapina e marcou o período apresentando peças de teatro misturando linguagens, mas focado no teatro físico. Chico Vinícius ingressa no grupo enquanto a trupe está apresentando a peça “Nós Queremos Casar Papai”; segundo o artista, ao entrar, ele já substitui um dos atores que precisou se ausentar. Depois disso, o artista permanece no grupo desenvolvendo outros trabalhos até a sua partida para São Paulo.

 

 

A contrapartida artística

Ali nas entranhas do grande Dirceu, Chico Vinícius começou a mergulhar no fazer teatral. No caminho para se modelar para os novos trabalhos, ele foi se redescobrindo e transformando a si mesmo. Nesse ato de lapidar-se, o artista foi se apropriando de técnicas e leituras que se tornaram uma prática metodológica na Cia Renascer de Teatro. Por meio do grupo, Chico rememora momentos marcantes como ter circulado pelos bairros periféricos de Teresina, além dos festivais de teatro por onde passou, algo que era impensável de se fazer naquele período e só foi feito por meio do teatro. Posteriormente, o grupo desenvolve o Projeto “Interpretando teatro”, contemplado pela Funarte (2006/2007), que consistia em aplicar oficinas em algumas escolas no grande Dirceu com a montagem de uma apresentação de cada oficina ao final do período; Chico Vinícius participou sendo artista-orientador em uma das oficinas.

“Vamos empretecer a arte” Chico Vinícius

 

 

A rotina da criação

Com uma formação que passou pelo teatro físico, comédia física e a palhaçaria, Chico Vinícius percebeu que o seu método de criação tem como principal fonte de estímulos gerados pelos movimentos corporais. Além disso, como o intérprete fez formação em Máscara ele frisa como a supressão da fala influenciou a encontrar alternativas para a expressão. Para Chico Vinícius, o importante antes de entrar no palco é se conectar ao grupo e deixar o copo aquecido e preparado para a apresentação e para as adversidades. Dentro do processo de criação de Chico, podemos perceber um trabalho intenso de apropriação dos conhecimentos que sustentarão o discurso defendido pela personagem, para isso o intérprete bebe nas fontes da literatura da área e das diversas produções que a personagem exige (seja filmes, documentários, entre outras obras de arte). Chico Vinicius é um pesquisador sempre em busca de novos conhecimentos para dominar mais elementos artísticos que possibilitem se dilatar em cena.

 

Descobrindo-se nas artes

Existem algumas pessoas que inspiraram Chico Vinícius durante a sua trajetória, uma delas é a sua avó, Dona Adalgiza Araújo de Freitas, que foi uma das pessoas mais importante tanto por dar suporte como por ter criado o artista, e principalmente por ter o ensinado a ter sensibilidade e delicadeza diante do mundo. Chico Vinícius destaca também a Cia Renascer de Teatro que foi onde ele aprendeu muito dialogando com cada um dos componentes. Além disso, ele pontua o apoio do seu companheiro e parceiro em muitos momentos da vida artística, Eraldo Maia, que foi a pessoa que colaborou para que ele pudesse investir na formação e na carreira nas artes cênicas, assim como pela própria experiência de vida e tantos conhecimentos compartilhados.

Chico saiu do Nordeste levando consigo a cultura claramente visível no sotaque e durante o processo de adaptação com a cena da nova cidade ele encontrou o palhaçx, linguagem que o fez entender e valorizar as suas particularidades. Autoafirmar-se um artista pretx e bicha foi um fator que ajudou inclusive a enveredar para o universo drag e da pesquisa da palhaçaria preta. No momento em que o artista se sentiu confortável com essas características que fazem parte da sua identidade, ele passou a inserir esses aspectos nos seus espetáculos.

 

Um lar dentro da palhaçaria

Após o seu contato com a palhaçaria Chico Vinicius, palhaçe Chicote, descobre que pode colocar sua identidade e discutir temas urgentes em sua obra. Nesse período conhece a Poliana Helena, palhaça Jujuba e produtora de São Paulo, que convida Chico para participar do seu projeto inspirado nas Cholitas Luchadoras da Bolívia, mulheres que encenam lutas de ficção e que é contemplado ao edital de fomento ao circo da cidade de São Paulo. Dessa pesquisa nasce o espetáculo “jujuba la Luchadoras X Chicote Lá Muerte” com direção de Cida Almeida, que circulou nas cinco regiões de São Paulo e convidada pra participar do MOTIM (Mostra de Teatro Infantil de Mindelo – Cabo Verde – África), em 2018. Aprofundando a pesquisa Chico Vinicius cria o “Monasciclos” (2019) com a dupla Jujuba e Chicote (@jujuba_x_chicote) e na direção Cida Almeida, também pelo mesmo edital de fomento. Monasciclos é a mistura da arte circense com a habilidade de Monociclo, com palhaçaria e a Arte Drag. Com esse espetáculo a dupla se consolida com a proposta de usar a palhaçaria pra discutir assuntos de gênero, feminismo e poder para o público infantil. Fechando sua pesquisa com a palhaçaria, tem a palhaçaria preta, a partir do texto “Catappum” criado em parceria com Fagner Saraiva, ator e palhaçe Filipeuto, no qual se apropriam do palhaço clássico para trazer uma identidade, estética, e protagonismo preto para o picadeiro, com parceria da direção de Mafalda Pequenino e sonoplastia da Monique Salustiano que entregam o coletivo – 2019. “Pensamos em uma estética preta, ressaltando nossos cabelos e com um texto político. Esses últimos espetáculos tentam desconstruir esse palhaço branco e europeu tradicional.”

Contatos

Telefone: 11 96706-6944

facebook: https://www.facebook.com/chico.vinicius.5

Instagram: Instagram.com/chico.vinicius/

Instagram.com/jujuba_x_chicote

e-mail: chicovinicius1070@gmail.com

site: Jujubaxchicote.wixsite.com/jujuba-x-chicote

youtube: Youtube.com/jujuvaxchicote

Fotos

Vídeo

Teaser do espetáculo “Catappum” (2019) https://youtu.be/8T2uSLe_Yog

Entrevista em Cabo Verde (2018) https://youtu.be/OkFxiuWI2po

Teaser do espetáculo “Jujuba La Luchadora X Chicote La Muerte” (2018) https://youtu.be/9fYUUdTr9eY

Número de palhaçaria “Coisa que voa” (2017) https://www.youtube.com/watch?v=vXBjQ_R7N3A

Espetáculo “Os Malacriados” (2015) https://www.youtube.com/watch?v=6hzJYk-Ybg4

Reprises clássicas “Luta de Box” (2015)  https://www.youtube.com/watch?v=j9ya_k-ekAI

Reprises classicas “Apito” (2015)   https://www.youtube.com/watch?v=zKLQKwA1zwM

Reprises classicas “Abelha abelinha”  (2015) https://youtu.be/uO7Y2R5QMVk

Outras Formações

  • Curso intensivo de “Treinamento técnico para o trabalho em cena” Com Jesser de Souza, do Lume Teatro, no Sesc Paulista (2019);
  • Formação e pesquisa no curso Intérprete e a Máscara, sob orientação de Cida Almeida, no Clã estúdio das artes cômicas (2018);
  • Formação em Feminismo comunitario de abya yala com Julieta Paredes, na La matrioshka, uma escola de luta (2018);
  • Formação em Palhaço e criação de repertório com Cida Almeida no Clã Estúdio das Artes Cômicas (2018);
  • Oficina Jogos de Palhaçaria com Cida Almeida no Clã Estúdio das Artes Cômicas (2017);
  • Curso Manual do palhaço de rua, com Payaso Chacovachi, Funarte-SP (2016);
  • Curso de Palhaço para iniciantes e iniciados com Bete Dorgam, casa do humor (2016);
  • Curso de Laço e Chicote com Yara Sbano no projeto Circo para todos III, da Associação Raso da Catarina (2015).
  • Curso de interpretação para TV e cinema com orientação de Nina Manci e Carlos Meceni na Agência Sagarana: TV e cinema (2015).
  • Formação em palhaçx pela Carpintaria de palhaços, do ponto de cultura Associação Raso da Catarina (2015).
  • Formação em Humor pela SP Escola de Teatro, São Paulo/SP (2013/2014);
  • Mímica total e teatro físico no Estúdio Luis Louis com orientação de Luiz Louis (2008).
  • Iniciação à Arte Dramática na casa da cultura de Teresina/PI, com orientação de Wanden Lima (2003);

 

Experiência profissional artística:

  • Integrante e Fundador dos grupos de palhaçaria: “Jujuba e Chicote” e “Coletivo Catappum!”.
  • Desde 2014 vem pesquisando Palhaçaria afro centrada (Palhaçaria Preta) e de identidade de gênero (Drag-Clown), voltada ao público infanto-juvenil.
  • Transmissão onlines de 20 lives dos espetáculo “Jujuba la Luchadora x Chicote La Muerte” e “MONASCICLOS” direção de Cida Almeida em perfis do Facebook de escolas de ensino infantil e fundamental do município de São Paulo, pelo Fomento ao Circo da SMC.
  • Apresentação na Convenção Paulista de Circo de Piracaia/SP com a versão número do espetáculo MonasCiclos (2019);
  • Apresentação no Cabaré das Pílulas Cômicas na Virada Cultural de São Paulo 2019, com a versão número do espetáculo MonasCiclos;
  • Circulação nas Bibliotecas Públicas da Cidade de São Paulo, pelo Bibliotecas Vivas, com Espetáculo CATAPPUM!, direção de Mafalda Pequenino (2019).
  • Participação no Festival Internacional de Circo, FIC, com o espetáculo Jujuba La Luchadora X Chicote La Muerte (2019).
  • Temporada em cinco regiões da Cidade de São Paulo pelo Edital de Fomento ao Circo da SMC com o Espetáculo MonasCiclos (2019);
  • Circuito Cultural nas casas de culturas da Secretaria Municipal de Cultura com o Espetáculo Jujuba La Luchadora X Chicote La Muerte (2018);
  • Participação Festival Infantil de Mindelo, MOTIM,  Cabo Verde/ África com Jujuba La Luchadora X Chicote La Muerte (2018);
  • Manipulador de bonecos no espetáculo A saga de João Caixote, direção André Mello. Temporada nas bibliotecas municipais de São Paulo/ SP (2018);
  • Palhaço em Les Tartufos, direção Cida Almeida. Com temporada no Clã Estúdio das Artes Cômicas (2018)
  • Ator em Palco da Reciclagem, MAHEI produções artísticas. Temporada no interior do estado de São Paulo: Monte Mor, Bauru e Marisol (2017).
  • Contador de histórias em Contos das Águas, direção de Cristiano Gouveia, realização da C Lune de Teatro. Apresentações no 11º Festcal em Campo Limpo, Biblioteca Centro Cultural São Paulo e temporada nas Bibliotecas municipais de São Paulo/ SP (2016/2017/2018).
  • Ator em Meu quintal direção de João Lima da Viapalco grupo de teatro. Temporada no Teatro Comunne e SP escola de teatro (2016);
  • Palhaço em O espetáculo mais prestigioso do século direção de Cida Almeida e Sofia Papo com A melhor da cidade Cia. Teatral. Apresentação na Virada Cultural em São Mateus, zona leste de São Paulo/SP (2016).
  • Palhaço em Os Malacriados, direção coletiva. Com apresentação no Projeto Teatro ComVIDA do Teatro Sérgio Cardoso, Satyrianas 2015 e circulação em espaços públicos da cidade de São Paulo/ SP (2015/ 2016);
  • Produção executiva da II Mostra Mangue Cultura em Juquitiba/ SP, realizado pela associação Raso da Catarina (2015).
  • Palhaço no musical Viva Vida, direção artística Gilberto Viveiros com a banda Viva vida e artistas circenses convidados. Apresentação no Céu Vila Formosa (2015);
  • Ator em (Nossas) Vidas Secas ou somos todos estrangeiros? Selecionado no Edital Proac- primeiras obras 2013, com realização da Teatro de Desinventos. Apresentações no Ateliê compartilhado Casa Amarela, no Tendal da Lapa, Casa Livre, Espaço Búfalo D’Água e Espaço 28 Patas (2014);
  • Ator em O que te assombra? Direção Vinicius Schiezaro e Adriana Lobo, realização do Coletivo Rumores. Apresentação na mostra infantil da Satyrianas (2014);
  • Palhaço no espetáculo de rua Numerê comiquê direção coletiva, Bagaceiras Clown. Apresentação na Praça Rosevelt na programação da Satyrianas (2014).
  • Ator em A Irresistível Ascensão de Arturo Ui direção de José Fernando de Azevedo com a Teatro de Narradores. Temporada na Rua 13 de Maio em frente ao Espaço Maquinaria (2013);
  • Ator em A farsa do Paneleiro, direção de Carolina Gonzalez. Com apresentação na Oficina Cultural Amácio Mazzaropi (2013);
  • Ator na Intervenção Aquele que diz sim, aquele que diz não, direção de José Fernando de Azevedo e Luciene Guedes com a Teatro de Narradores. Apresentação na casa de dona Yayá (2012);
  • Ator em Historia dos Três amores direção Daniel Utrez. Com apresentação na Faculdade Paulista de Arte (2012);
  • Ator em Retratos da cidade enquanto dorme direção de Eraldo Maia, com Teatro de Desinventos. Apresentação no Teatro do Instituto de Artes da Unesp (2012);
  • Ator em Experimento Hamlet direção de Natalia Bonilha. Com apresentação no CAC- USP (2012);
  • Ator em Memórias póstumas de Hamlet direção de Carlos Alberto Moreno. Com Grupo Más-caras. Temporada no Teatro Ruth Escobar, sala Miriam Muniz (2011);
  • Ator em Hamelin direção de Marcelo Braga. Com Temporada no Teatro Ruth Escobar na Sala Miriam Muniz (2010);
  • Ator em Senhorita Else direção de Daniel Gonzalez. Com Temporada no Teatro Ruth Escobar, na sala Dina Sfat (2009);
  • Ator em Cada um a seu modo direção de Rodrigo Palmieri. Com temporada no Teatro Ruth Escobar, na sala Gil Vicente (2009);
  • Como Ator-bailarino e coreógrafo participou do XI Festival de dança de Teresina/PI, com a coreografia, A hora em que perdemos a cabeça (2007);
  • Diretor na peça Nada é…ou entenda como quiser com jovens do Projeto Interpretando Teatro com apoio da FUNARTE. Com apresentação no Teatro João Paulo II e no II Festival de Teatro de Teresina/PI (2007);
  • Ator nas peças Fada dos sonhos, relações e Proletrium, com Cia. Teatro Renascer, direção de Wanden Lima. Todas com temporada no Theatro 4 de Setembro de Tetresina/PI (2006 e 2007);
  • Como Ator-Bailarino participou da coreografia Dançando Vênus, Eros e outros Mitos, coreografia de Eraldo Maia, no X Festival de dança de Teresina/PI (2006);
  • Ator em Secante, com a Cia. Teatro Renascer, direção Wanden Lima. Com participação na VII Mostra CARIRI das Artes do SESC Ceará (2005) e Festival Estudantil de Pernambuco, em Recife/ PE (2006);
  • Ator em B – uma tragédia Urbana, com a Cia. Teatro Renascer, direção de Wanden Lima. Com participação no projeto Teatro Popular R$ 1,99, no Theatro 4 de Setembro de Teresina/PI (2004);
  • Ator em Medéia, com Cia. Teatro Renascer, direção Wanden Lima. Com temporada no Teatro 4 de Setembro de Teresina/PI (2003).
  • Ator no projeto Paixão de cristo em Bairros, com Cia. Teatro Renascer, direção de Wanden Lima, Teresina- PI (2002);

 

Experiência como Artista-educador:

  • Oficina de Monociclo em dupla com Poliana Helena e Chico Vinicius na casa de cultura da “Freguesia do Ó” para Fomento ao Circo da SMC. (2020);
  • Oficina de Criação de Maquiagem com Poliana Helena e Chico Vinicius no centro cultural da “Vila Itororó canteiro aberto” para Fomento ao Circo da SMC. (2020);
  • Palhaço-educador, no projeto esperança com intervenções, jogos lúdicos e Palhaçaria na favela do Moinho, Campos Elíseos (2017/2018);
  • Ministrou oficinas como voluntário na Fábrica de cultura de Sapopemba (2011);
  • Estagiou como professor de teatro no SESI-Osasco (2010);
  • Artista-orientador no Projeto “Interpretando teatro” contemplado pela Funarte – em Teresina/PI com a Cia. Renascer de Teatro (2006/2007).

 

Oficinas, workshops, treinamentos e outros

  • Oficina de máscara neutra com Cida Almeida, Centro cultural Humbalada (2018);
  • Acrobacia cômica com Erickson de Almeida, SP escola de teatro (2017);
  • Entradas clownescas com Caco Mattos, SESC Consolação (2017);
  • Jogos de palhaçaria com Cida Almeida, Clã estúdio das artes cômicas (2017);
  • Treinamento para palhaço: estado de jogo, curiosidade, disponibilidade e prazer, SP escola de teatro, com Tereza Gontijo (2017);
  • Ator em composição com orientação de Fernando Yamamoto e Paula Queiroz na SP escola de teatro (2016);
  • Jogos de palhaçaria com Suzana Aragão e Erickson Almeida na SP escolar de teatro (2015);
  • Curso de formação de palhaço no ponto de cultura Carpintaria de palhaços da Associação Raso da Catarina (2015);
  • Iniciação a máscara do palhaço com Suzana Aragão na SP escolar de teatro (2014);
  • Oficina de construção de personagens cômicos: pílulas cômicas nos tablados das feiras com orientação de Caco Mattos na Oficina Cultural Amácio Mazzaropi (2013);
  • Oficina de interpretação teatral: a farsa nas feiras com orientação de Carolina Gonzalez na Oficina Cultural Amácio Mazzaropi (2013);
  • Aulas de Partitura Corporal com orientação de Lucia Romano, no Curso de Licenciatura em Arte-Teatro da Unesp na condição de aluno especial (2012);
  • Aulas de Teatro Brasileiro IV com orientação de Alexandre Mate, no curso de licenciatura em Arte-Teatro da Unesp na condição de aluno especial (2012);
  • Grupo de trabalho com a Cia. Teatro de Narradores, culminando com a criação do espetáculo A Irresistível Ascensão de Arturo Ui com orientação de José Fernando de Azevedo e Luciene Guedes no Espaço Maquinaria (2012);
  • Oficina de Teatro documentário com orientação de Janaina Leite na Oficina Cultural Osvald de Andrade (2012);
  • Workshop Dramaturgia do Corpo com orientação de Eduardo Okamoto no Espaço Elevador de Teatro Panorâmico (2011);
  • Workshop Corpografia, Coreografia e Ritmo, ministrado por atores da Boa Cia. no Espaço Elevador de Teatro Panorâmico (2011);
  • Oficina: focando o Corpo para Criação com orientação de Margô Assis no Sesc Paulista (2010);
  • Oficina de Iniciação a mímica com orientação de Nadja Turenko no Sesc Paulista (2009);
  • Oficina de Clown com orientação de Fernando Vieira no Globe/SP (2009).

 

Outras fontes

Palhaça Jujuba e Palhaço Chicote representam o Brasil em Cabo Verde

http://spcultura.prefeitura.sp.gov.br/agente/49510/

Última atualização: 24/08/2020

 

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

Total
1
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas