Coleção Afrofuturismo na periferia de Teresina

O projeto promove intervenção artística na paisagem urbana de regiões periféricas na cidade de Teresina a partir do movimento estético-político Afrofuturismo.

Contribui para a revitalização e resignificação paisagística e arquitetônica da cidade ao levar, para os moradores dessas regiões, o contato direto com a arte urbana através das técnicas do Lambe Lambe e do Grafitti, construídos com temas e elementos da cultura afro-brasileira.

Nesse primeiro momento, a Coleção rememora e homenageia personalidades negras do estado do Piauí. Buscando valorizá-los quanto a sua historicidade no processo político e cultural. O projeto, assim, assume caráter de intervenção social, urbana e artística.

O Afrofuturismo é pensado aqui como plataforma, enfatizando a expressão de artistas visuais negros, especialmente convidados, no contexto urbano contemporâneo. Dessa forma, o projeto se apropria de espaços urbanos desprestigiados, que nesta ação, servirão de suporte para o talento no campo do design, da fotografia, da pintura e da colagem.

Uma das artistas já confirmadas é Lya Nazura. Uma das grandes expoentes e referência do movimento afrofuturismo no Brasil. A artista, que possui pesquisas focadas na representatividade negra nos quadrinhos e no cinema, cria obras que unem personalidades da história negra a elementos ficcionais, gerando uma identidade visual única e fortemente influenciada pela cultura pop japonesa.

Antonio Filho, idealizador do projeto, aponta as motivações dessa ação: Divulgar e fortalecer o movimento estético-político afrofuturismo a fim de ressignificar os processos de mitificação da população negra; Contribuir no processo de revitalização paisagística urbana através da arte urbana, por ora marginalizada, desenvolvendo um pensamento crítico, ajudando no processo de desconstrução das artes de rua; e por fim, diante do processo de esquecimento sistemático da cultura negra, enxergar a necessidade de rememorar e manter viva a memória de personalidades negras do Piauí.

Para Jone Clay Macedo, presidente da Assaac/Piauí, entidade realizadora do projeto: Teresina vive um momento de efervescência nas artes urbanas, um  segmento outrora marginalizado, que ganha cada vez mais espaço, nas ruas e até em espaços privilegiados como galerias de artes mundo afora. Um exemplo recente é o CUIA – circuito urbano de intervenções artísticas (ação desenvolvida pela entidade em parceria com Saracura Produtora) e o Festival Retalhos, dois grandes expoentes locais deste movimento. A Coleção Afrofuturismo se soma a estas iniciativas.

Mais informações:

Antonio Filho – 9 8834.4560

Jone Clay Macedo – 9 9844.9497

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas