Últimos dias de inscrição para a convocatória de textos literários do Podcast Tem Livro Bolando na Mesa

Inscrições seguem abertas até o dia 8 de junho para pessoas autoras LGBTQIA+, pretas, indígenas e mulheres. Material será veiculado online nos formatos áudio e vídeo.

Formulário de inscrição

Pessoas autoras LGBTQIA+, pretas, indígenas e mulheres têm até o dia 8 de junho para inscrever textos literários na convocatória nacional do projeto Tem Livro Bolando na Mesa. Produzido em Brasília, o projeto chega a sua quarta edição, buscando amplificar vozes plurais e decoloniais, que possam ir na contramão das hegemonias dominantes no campo da literatura. Os textos selecionados por meio da convocatória serão gravados e veiculados no formato de podcast, em áudio e vídeo. As inscrições podem ser feitas através de formulário disponível nas redes sociais do @espiralcriativooficial.

Por meio de curadoria formada por mulheres escritoras e artistas do Distrito Federal, serão selecionados seis textos para serem gravados e veiculados através das principais plataformas de streaming. Podem se inscrever pessoas autoras de todo o Brasil e são aceitas produções em qualquer formato literário, com até duas laudas. O tema é livre, mas é necessário seguir uma abordagem decolonial. O resultado será divulgado no dia 14 de junho e o lançamento das leituras on-line nas plataformas de streaming ocorrerá no mês de julho, integrando duas rodas de conversa com a participação do público.

“Ler em voz alta é um modo de compartilhar a escrita para mais pessoas e promover a leitura. Era assim que minha mãe Maísa nos incentivava a ler desde pequenas,” comenta a psicóloga, artevista, educadora e idealizadora do projeto, Fernanda Fontoura.

Em 2020, em meio ao isolamento social provocado pela pandemia, Fernanda deu à luz ao projeto, buscando acessibilizar a leitura e sensibilizar a escuta de pessoas que foram historicamente excluídas pela hegemonia masculinista, cisheteronormativa e eurocêntrica na literatura. Logo, passou a integrar a literatura falada e não-hegemônica, enquanto ferramenta terapêutica, em suas aulas como educadora e em seus atendimentos como psicóloga ancorados no espaço Espiral Criativo.

As narrativas hegemônicas e as disparidades a romper

Pesquisa desenvolvida pelo Grupo de Estudos em Literatura Brasileira Contemporânea, vinculado à Universidade de Brasília (UnB), aponta que mais de 70% dos livros publicados por grandes editoras brasileiras, entre 1965 e 2014, foram escritos por homens e 90% das obras foram escritos por brancos, sendo que pelo menos a metade dos autores é originária do eixo Rio de Janeiro/São Paulo. Os dados mostram um cenário de homogeneidade entre escritores e publicações, atestando que homens brancos e de grandes centros urbanos têm mais espaço em editoras de grande porte.

Indo na contracorrente desse fato, Tem Livro Bolando na Mesa nos convida a ler-ouvindo e ouvir-lendo textos que incidem na descolonização, que confrontam a branquitude, rasgam a colonialidade e abrem frestas para o despertar de antigos novos mundos. O nome do projeto foi inspirado em uma fala do pai de santo e zelador de Nkisi, Tata Ngunzetala, que disse:

“deixo livro bolando na mesa pra ver se os filhos de santo leem, minha filha”.

Recorrendo aos meios tecnológicos de comunicação, a iniciativa busca ampliar o acesso a narrativas que apresentam perspectivas de inclusão, rotas de transformação, diversidade e bem viver.

ROTAS DE TRANSFORMAÇÃO – HISTÓRICO DO PROJETO

Tem Livro Bolando na Mesa nasceu dentro da rotina da idealizadora Fernanda Fontoura. Atuando como professora universitária durante a pandemia do Covid-19, Fernanda buscava meios para sensibilizar as pessoas em processo de formação profissional e minimizar os impactos e inseguranças provocados pelo distancimento social. Dessa forma, lança o projeto em 2020, promovendo leituras e rodas de conversa sobre pessoas autoras LGBTQI, negras, indígenas e mulheres que se debruçam sobre a temática da descolonização. O meio encontrado para encurtar distâncias e favorecer o acesso a leituras diversas foi a veiculação dos textos em plataformas streaming de áudio e vídeo.

O projeto rompeu o espaço virtual da universidade e foi aberto ao público em geral. A primeira temporada apresentou trechos do livro Memórias da plantação, da escritora Grada Kilomba, e textos sobre artesania e descolonização dos afetos, escritos pela psicóloga guarani Geni Ñunez. Na segunda temporada, o projeto leu trechos do livro Pedagogia das encruzilhadas, de Luiz Rufino, tecendo reflexões sobre sabedorias ancestrais descredibilizadas pela cultura eurocêntrica ao longo dos séculos. Na terceira temporada, a leitura debruçou-se sobre a obra Mulheres e Deusas, do escritor Renato Noguera, trazendo a reflexão das narrativas míticas de mulheres e seus significados.

Com divulgação orgânica, a veiculação dos textos em áudio tiveram mais de 4.000 visualizações e, em vídeo, atingiu mais de 2.000 visualizações, abrangendo 21 estados brasileiros e 23 países.

Espiral Criativo

Espaço de escuta ativa, fala criadora e acolhimento, ancorado em estudos e cosmovisões de saberes indígenas, de povos originários e afrocentrados. Propõe jornadas subjetivas e coletivas de transformação, por meio de perspectivas artísticas, criativas, sociais, culturais e terapêuticas. Foi criado pela psicóloga psicodramatista e artevista Fernanda Fontoura e atua através de três linhas de trabalho: atendimentos de Psicoterapia on-line; trilhas terapêuticas; e leituras de textos decoloniais no projeto Tem Livro Bolando na Mesa.

Fernanda Fontoura

Cantora, artevista, produtora, poeta, psicóloga, psicodramatista e educadora. Mãe de dois filhos, é mulher cis e bissexual, não monogâmica, nascida em Brasília e criada em São Luís do Maranhão. É fundadora do Espiral Criativo, espaço de acolhimento onde estuda e vivencia temas ligados à artesania dos afetos, decolonialidade das relações e Ecopsicologia. De 2017 a 2018, foi artista residente na Casa Ipê, em Ceilândia, onde realizava sarau semanal com perspectiva feminista. Atualmente, atende como terapeuta na área clínica e social com abordagem psicodramática e coordena o projeto Tem Livro Bolando na Mesa.

SERVIÇO

Convocatória Nacional – Tem Livro Bolando na Mesa
Últimos dias de inscrição

Período de inscrições de textos: até 8 de junho

Resultado dos textos selecionados: 14 de junho

Formulário de inscrição: @espiralcriativooficial – www.instagram.com/espiralcriativooficial

Assessoria de imprensa: 61 9.8575.8500 – Keyane Dias


Pareia Comunicação e Cultura
www.pareiacomunicacao.com.br
+55 61 9.9903.5395
Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Postagens Relacionadas