Elizabeth Báttali

Tem artista que escolhe a sua arte e aqueles que são escolhidos por ela, pois foi assim que aconteceu com a bailarina e coreógrafa Elizabeth Báttali, que foi laçada pelos prazeres da dança. A teresinense é formada em Licenciatura em História e está cursando especialização em Dança. Além disso, esteve na criação da Cia de Dança Equilíbrio, trabalhou no Núcleo de Atendimento Inter geracional (NAI-DIRCEU), onde ministrava aulas de dança para crianças, adolescentes e idosos em situação vulnerável. Estudou ballet na escola de Ballet Helly Batista, Le Ballet Studio de Dança e Luzia Amélia. Fundou e foi coreógrafa dos grupos Lume Cia De Dança (2005 a 2007) e da Báttali Cia de Dança (2010 a 2015) que era formada por crianças, jovens e adultos, sendo contemplada com várias premiações e ganhando destaque no cenário da dança local. Atualmente trabalha para a Fundação Cultural Monsenhor Chaves (FCMC) ministrando aulas de dança, inicialmente no Teatro do Boi e posteriormente no Teatro João Paulo II, onde atua até hoje. Elizabeth também ministra aulas de dança no Espaço Cultural Mestre Joaquim Carlota localizado na cidade de Bom Jesus e faz parte do Coletivo Projeto 8, composto por oito artistas que trabalham as possibilidades da criação. Elizabeth Bátalli é pura criatividade.

“Eu não sei o que eu seria se não fosse a dança ter me acolhido, eu posso dizer que a dança é a minha vida.” Elizabeth Báttali

Nome Completo: Maria Elizabeth Batista Lima

Descrição: Bailarina e coreógrafa

Data de Nascimento: 30/12/1979

Local de Nascimento: Teresina-PI

 

Perfil escrito pela Geleia Total
Escrito por:
 Alisson Carvalho
Revisado por: Noé Filho

 

Um quintal de criações

“Eu sempre gostei de alguma coisa que eu não sabia bem o que era, e quando eu era criança eu brincava fazendo algumas performances”, rememora Elizabeth Báttali. Nessa busca e experimentações artísticas algumas pessoas foram essenciais para a definição do caminho que a bailarina seguiria. As primeiras referências artísticas de Elizabeth foram a Xuxa e suas irmãs, que dançavam em quadrilha e escolas de samba de Teresina. Acompanhar as apresentações das irmãs criou na menina o desejo e a paixão pela dança, figurinos carnavalesco e todo o universo dos palcos. “O meu quintal era o meu laboratório de criação.” A ideia e vontade de ser bailarina permaneceu durante alguns anos nas brincadeiras caseiras e apenas na imaginação da menina. Posteriormente Elizabeth Báttali conhece o projeto social “Núcleo de Atendimento Inter geracional” (NAI) que possibilita a realização do sonho de dançar. Foi por meio do projeto que a bailarina conheceu o cenário da dança local e o quintal de criações se dilatou, tornou-se a própria cidade.

Um caminho na dança

“Eu não sei o que eu seria se não fosse a dança ter me acolhido, eu posso dizer que a dança é a minha vida”, comenta Elizabeth Báttali. A bailarina foi descobrindo um caminho, um lugar, a sua identidade na dança. Ela iniciou o seu contato com a dança no ano de 1999 por meio do projeto social do “Núcleo de Atendimento Inter geracional” que oferecia aulas gratuitas de dança para a comunidade do Dirceu. O seu primeiro professor de dança foi o bailarino e coreógrafo Negro Val que apresentou as possibilidades do mundo das artes. O vínculo com o bailarino ultrapassou a sala de aula e virou parceria, juntos os dois desenvolveram alguns projetos e continuam produzindo até hoje. “Quando eu entrei na sala eu percebi que tinha sido diferente, algo me tocou.”, comenta Elizabeth Báttali. A bailarina relembra que o grupo começou dançando danças populares, mas que a sua primeira apresentação no palco do Theatro 4 de Setembro foi com dança Afro e que envolvia outros projetos, como o de percussão compondo a parte musical da coreografia. Com esse grupo Elizabeth começa a experimentar outras linguagens da dança, então o nome Maria Elizabeth Batista Lima, que foi uma homenagem do pai à rainha da Inglaterra Rainha Elizabeth II, tornou-se Elizabeth Báttali e a bailarina fez dos palcos o seu reino e a sua casa.

O equilíbrio na dança

Elizabeth Báttali em parceria com o bailarino e coreógrafo Negro Val, Luis Carlos e outros bailarinos, fundaram a Cia de Equilíbio de Dança. Com o grupo a bailarina apresentou inúmeras coreografias e destaca o espetáculo de dança “Étnico” (2001) que significou a estreia do grupo e o seu primeiro espetáculo de dança abordando a diversidade da cultura brasileira. A paixão pela dança passou a ser uma profissão e a bailarina sentiu-se confortável para montar o seu próprio trabalho, agora como coreógrafa. Posteriormente com a saída de Negro Val do NAICA Elizabeth Báttali assume o projeto e cria o grupo de dança de mulheres, posteriormente cria a Báttali Cia de Dança. Então a bailarina passou a ministrar aulas de dança, ofício que conserva até hoje. As experiências tanto dançando como coreografando foi ganhando reconhecimento já nos primeiros trabalhos e a aceitação do público serviu como incentivo para mergulhar cada vez mais no oceano de possibilidades da dança. E foi justamente a ânsia pelas pesquisas dentro da dança que levaram a bailarina para se integrar ao coletivo “Projeto 8” junto de oito artistas que compartilham experiências e experimentam criações, performances e ideias. O grupo “Projeto 8” já montou e apresentou diversos espetáculos como “Amores”, “Peças de um Quebra cabeça piauiense”, “Corpo Piauiês”, “Fábrica”, “Morfodeu” e a performance “Beijos pela Última vez”. “A dança não inicia e nem termina no movimento. Ela é o que me move, o que me faz a

“A dança não inicia e nem termina no movimento. Ela é o que me move, o que me faz acordar no outro dia.” Elizabeth Báttali

Um sono furtado pela inspiração

“Eu gosto da dança, eu gosto do movimento, eu gosto do pensamento, eu gosto de criar e do contexto geral”, diz Elizabeth Báttali. A bailarina conta que o seu processo criativo é bem espontâneo, sem um método rígido e que pode surgir a qualquer momento, inclusive de madrugada, muitas vezes lhe roubando o sono. Elizabeth descreve que tudo pode motivar a criação e inspiração, pois vive em estado criativo constante já que ela é uma pesquisadora do movimento. O trabalho como coreógrafa foi ganhando mais força e a bailarina confessa que é a sua grande paixão, suas incursões aos palcos diminuíram para dar espaço às suas obras expressas no corpo de outros bailarinos. Dentre os trabalhos como coreógrafa, destaca-se a participação no clipe “O baile” da Banda Validuaté no qual ela mostra toda sensibilidade e força dos bailarinos em diálogo com a música. “Eu amo coreografar, eu me sinto muito confortável coreografando”, comenta.

Existência e resistência

Elizabeth Báttali já participou de vários espetáculos nesses anos todos dedicados à dança. Do espetáculo “Étnico” ao “Resistência” foram muitos anos de intensa pesquisa e trabalho. “Resistência” representou um grito, um manifesto contra tudo que atravessa a trajetória do profissional da dança, é o existir e resistir diante das adversidades impostas pelo mundo. Diante dessas inquietações que costumam ser frequentes no dia a dia dos profissionais da arte, Elizabeth Báttali usa a própria arte para expressar e resistir contra o desrespeito sofrido pelos profissionais da dança. E ela relata que a dança transforma a vida das pessoas, os trabalhos desenvolvidos ao longo da sua carreira com jovens e adolescentes em situação de risco mostraram o impacto da arte nas comunidades periféricas. E foi justamente trabalhando com esses jovens que Elizabeth Báttali aprendeu a lidar com as particularidades dos alunos e a entender o poder que a dança tem.⠀⠀⠀⠀⠀⠀⠀

Um espaço especial chamado dança

A dança ocupa um espaço importante na vida da bailarina Elizabeth Báttali, um lugar especial que ultrapassa a profissão, é uma paixão íntima e que está tão entrelaçada na vida da artista. Por isso ela afirma que seria impossível separar esse universo no qual ela foi construída e construiu. A bailarina já apresentou em inúmeros palcos com espetáculos importantes para a história das artes piauiense. Além disso, ela sempre esteve envolvida com projetos sociais, da mesma forma como descobriu uma razão e sentido na dança, Elizabeth tenta levar a dança para outras pessoas. O trabalho de formiguinha, levando arte para as periferias já mudou a vida de muitos jovens. Ela ajudou no processo de formação e aperfeiçoamento de muitos bailarinos de destaque na cidade e contribuiu com muitos profissionais da cidade. Elizabeth Báttali é uma referência na vida de muita gente, não só de bailarinos e ela afirma que a dança é para todo mundo. “Eu gosto de respeitar o corpo de cada um, pois cada um é um mundo, é um corpo diferente”, comenta Elizabeth Báttali.

Contatos

facebook.com/elizabeth.battali

instagram.com/elizabethbattali

+55 86 99927-1108

Fotos

Vídeos


Espetáculos atuando como bailarina

Teresina 147 anos (2000);

“Nativus” (2000);

Étnico (2000);

La Sylphid (2002);

Povos que dançam Teresina (2002);

O Corsário (2003);

Copélia (2004);

O espaço quando ninguém ver (2004);

Lendário Piauiense (2005);

Quatro (2007);

Elis vive (2002/2007);

Por baixo dos panos (2007);

Mulheres Plurais (2004/2007);

A vida íntima de uma galinha (2007/2008);

Todo Lado (2008);

Dançando onde o povo estar (2008/2010);

Sobre Páginas (2010);

Álvaro de Campos em Pessoa (2012);

O que você sempre quis saber e os seus pais nunca contaram (2013).

Espetáculos atuando como coreógrafa

Espetáculo “Contato” (2006);

A pequena vendedora de fósforo (2012);

Espetáculo “Recortes” (2013/2014);

“Ringue Klauss Viana de Dança Contemporânea” (2013);

Espetáculo de Natal “Luz” (2013);

Espetáculo “Pixel” (2012/2013);

Poemas dançados em parceria com a banda Os Olivêra (2010);

Espetáculo “Construção” (2010);

Musical Palmares (2010/2014);

Espetáculo Amores (2015/2018);

Caravana da Rabeca de Natal (2015);

Peças de um Quebra Cabeça Piauiense (2015/2016);

Beijos pela Última vez (2016);

Corpo Piauiês (2017);

Morfodeu (2017);

Fábrica (2017);

Resistência (2018).

Outras fontes

https://cidadeverde.com/noticias/218351/cidade-viva-divulga-espetaculo-de-danca-amores

http://ciaequilibriopiaui.blogspot.com/2007/08/

 

Última atualização: 27/05/2018

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…