Thiago E: compositor em reabilitação labiríntica

A poesia é uma reinvenção do universo, é dilatar o sentido convencional e acrescentar novas cores. Imerso em tantas cores poéticas nasceu Thiago E. O teresinense é músico, poeta, compositor em reabilitação labiríntica, escritor e professor. Com discromatopsia, leva seus dias como driblador de gagueira e motorista com restrição Z. Formado em Letras/Português na Universidade Federal do Piauí, Thiago confessa ter gostado dessa experiência. Em 2013, lançou “Cabeça de sol em cima do trem” (livro e disco). Participou de várias antologias poéticas. Integrou a banda Validuaté, com a qual lançou os discos “Pelos pátios partidos em festa” (2007), “Alegria girar” (2009), o EP “Este lado para cima” (2013) e o DVD e CD ao vivo “Validuaté” (2015). Foi um dos editores da revista Acrobata – literatura audiovisual e outros desequilíbrios. Com o grupo Academia Onírica, produziu eventos de poesia e editou a Revista AO (2010 a 2012). Manteve a coluna Intacta Retina durante alguns anos no Jornal O Dia, publicando poemas e outras linguagens. Trabalha na Coordenação de Comunicação do Ministério Público do Estado do Piauí.

“Esse negócio de escrever poesia é uma doença que se tem e te deixa viciado. É um sintoma de alguma coisa que você tem que investigar.” Thiago E

Nome Completo: Thiago Pereira E Silva

Descrição: Poeta e músico

Data de Nascimento: 14/03/1986

Local de Nascimento: Teresina

Perfil escrito pela Geleia Total
Escrito por:
 Alisson Carvalho
Revisado por: Noé Filho e Narley Pereira Cardoso

Infância na Centenário

Nascido e Crescido em Teresina, perambulando pelas avenidas Centenário e Santos Dumont, o poeta Thiago E foi apendendo a gostar das coisas simples, porém essenciais para a sua construção como pessoa. As primeiras lembranças de um momento significativo remetem à infância, aproximadamente aos sete anos de idade, quando o Thiago E passava as férias em São Paulo. Ele assistia à apresentação de um manipulador de marionetes que era transmitida em um programa de TV e nunca mais esqueceu o momento que viu um esqueleto sendo manipulado ao som da música “O Pulso” de Arnaldo Antunes. A contradição da música que só falava de doenças e que parecia ser algo bom, dançante e envolvente chamou a sua atenção do menino, pois era algo incomum, estranho. E aquela letra reverberou na sua mente durante um bom tempo, mas foi só posteriormente, no começo da adolescência, na década de noventa, época de destaque dos pagodes, que Thiago E sentiu a vontade de tocar instrumentos musicais. O despertar para o samba e o pagode, assim como pelo chorinho criou a curiosidade de querer também participar daquele meio. O jovem artista começou a tocar pandeiro, cavaquinho, se vestir a caráter, andar nas rodas de samba que tinham próximas à sua casa, na época em que todos os seus colegas se encontravam nas locadoras de videogames. E desse contato foi que veio a admiração pelo trabalho das bandas Raça Negra, Katinguelê, Exaltasamba, Negritude Junior, Kiloucura, Grupo Raça, Bezerra da Silva, Zeca Pagodinho. Partiu da música o interesse pelas artes e a música se tornou um dos seus principais espaços de interação com o mundo.

O circo azul

As pequenas ações podem parecer algo simples, contudo poderão alterar e definir caminhos na vida das pessoas, logo um livro lido poderá construir uma legião de leitores ou um grande escritor. Thiago E conta como uma pequena ação foi responsável pela sua imersão no mundo da literatura. Lá no ensino médio o professor, músico e compositor Alzimar Alvarenga não só incentivava a leitura como fazia da atividade um exercício frequente e obrigatório entre os alunos. O que começou com raiva passou a ser paixão, hábito e vício, Thiago começou a ler por prazer depois de um tempo. O primeiro livro que arrebatou o menino foi a obra “O reino de muito longe” escrita por Carlos Augusto Segato. Posteriormente, aos dezesseis anos, Thiago E inicia um novo ciclo na sua vida, conhece o teatro e entra para o grupo Circo Negro, dirigido por Chiquinho Pereira. O grupo de teatro era subdividido e Thiago pertencia ao Circo Azul, que era formado por atores iniciantes. Nesse período o artista apresentou algumas peças teatrais, dentre elas muitas voltadas para obras cobradas nos vestibulares, e dessa experiência ele aprendeu como ter uma consciência corporal maior, assim como a se posicionar no palco.

Os primeiros rabiscos

Cativado pelo samba, a primeira música escrita foi uma crítica feita ao transporte coletivo do bairro onde morava. Intitulada “Buenos Aires Aeroporto”, a letra, inspirada no nome do ônibus foi construída para ser um samba e já demonstrava certa ironia, além do lado humorístico presente na obra de Thiago E. Ele começou a enxergar a poesia com mais carinho por volta do ensino médio quando conheceu as poesias de Alvares de Azevedo, o impacto de conhecer um estilo de escrever diferente dos que ele já tinha visto antes fez com que o menino se interessasse pelo peso de autores como Augustos dos Anjos. Nesse período o professor Claudio Vasconcelos, vendo o interesse do aluno naquela literatura, entregou a cópia da obra de Augustos dos Anjos para o aluno, que passou a ler avidamente o presente. Dali, Thiago descobre também a poesia concreta, autores como Augusto de Campos, Haroldo de Campos, Décio Pignatari, Pedro Xisto e Ronaldo Azeredo começaram a fazer parte das suas leituras. Paralelamente o futuro poeta foi se envolvendo com a música e se desenvolvendo nas duas artes. Thiago E experimentou a escrita que foi incentivada pelos seus professores, como o professor A.J.. “Cara, Coroa, Interpretação, Vida, Porra é sempre palavrão?”, declama Thiago. O caderno de criações do menino começou a ganhar poemas que começaram com o sentido de denúncia e críticas sociais até chegar no estudo mais cuidadoso com as palavras.

“Eu penso a poesia como uma invenção de um universo diferente, um universo novo, um olhar diferenciado sobre algo que aparentemente está dado.”

Poesia e música

Thiago E era um estudante apaixonado pelos mistérios do universo, por isso experimentou o curso de técnico de eletrotécnica e música, mas se encontrou mesmo foi estudando Letras Português. A vivência acadêmica ligou o estudante aos integrantes da banda Validuaté. Foi na banda que o poeta começou a produzir mais poesias e a pensar na estrutura dos versos, nas letras para as músicas. Thiago E conta que foi um período de intensa produção poética. A banda, que estreou em 2004, começou a se popularizar um ano depois, após uma apresentação no Salão de Humor de Teresina. Com integrantes vindos de experiências musicais diferentes, a banda tinha na sua composição uma mistura e diversidade, tudo isso aliado ao regionalismo e senso de humor dos integrantes foi responsável pelas composições variadas, particulares e que conquistou rapidamente o público piauiense. “O meu objetivo era este, com as possibilidades que eu tinha, com os meus limites: fazer uma música que tivesse uma abordagem temática diferente. Que não fosse tão usual”, comenta Thiago E. A experiência com a música, com a banda, segundo o poeta, foi um momento de aprendizado, no qual teve a oportunidade de conhecer e viajar com os colegas.

Fruindo da poesia

Para o poeta Thiago E, a poesia consegue ampliar o que é pequeno e pincelar com outras cores, por isso, o olhar do poeta é sempre um olhar diferente. “Eu penso a poesia como uma invenção de um universo diferente, um universo novo, um olhar diferenciado sobre algo que aparentemente está dado”, conta Thiago E. Segundo o poeta, iniciativas como o Salão do Livro do Piauí – SALIPI  – são importantes antes para fortalecer a leitura. Thiago viu o Salão nascer e também foi impactado pela feira literária. Ele relata que no primeiro Salipi viu o livro “As coisas”, de Arnaldo Antunes, em um dos estandes de uma livraria e que leu a obra durante os dias do evento, pois não tinha como comprá-lo naquele período. Foi no salão do livro que Thiago conheceu autores, participou de encontros e criou vínculos com outros artistas. Posteriormente, o leitor passa a ser poeta, o menino que lia os livros escondido publica “Cabeça de sol em cima do trem” (2013). Ele se prepara para o lançamento do segundo livro, falando sobre a sua paixão por gatos. “Esse negócio de escrever poesia é uma doença que se tem e te deixa viciado. É um sintoma de alguma coisa que você tem que investigar.”

Poesia nunca morre

Thiago E é um poeta preocupado com a transmissão da ideia. Suas poesias buscam tocar em temas que aparentemente seriam corriqueiros, mas sempre com alguma característica particular, dita de forma não convencional. Com músicas que sacudiram e encantaram, principalmente o público piauiense, o poeta une a tradição com a atualidade e consegue sensibilizar públicos variados. Seus versos, ritmos e musicalidade são frutos da seriedade com que Thiago trata a palavra, pois ele confessa ser um interessado no estudo da língua portuguesa. A busca pelo ritmo pessoal levou Thiago E a se distanciar da música e investir mais na escrita. Segundo o poeta, isso era necessário para se entender melhor e aprimorar a sua escrita. Thiago E é uma referência na poesia de expressão piauiense, conquistou o público com as suas músicas e é inspiração para novos músicos e escritores.

Contatos

facebook.com/thiagoe.ah

youtube.com/channel/UCCXZ1iMV6mUTkLhuWZqb0xg

Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vídeos

Música Sem Título – parceria com a banda Guardia

Poema Muro – leitura de Micheliny Verunschk

Música O Escuro – Validuaté

Poema Gagueira – leitura de Arnaldo Antunes e Thiago E

Música Eu Só Quero Acabar Com Você – Validuaté

Poema O Escuro e o Silêncio – leitura de Antonio Cicero

Música A Lenda do Peixe Francês

Poema O Mar e o Pano

Música Plaina Maravalha

Poema Língua – leitura de Karina Buhr

Bibliografia

“Cabeça de sol em cima do trem” (2013)

Discografia

“Pelos pátios partidos em festa” (2007);

“Alegria girar” (2009);

“Este lado para cima” (2013);

“Cabeça de sol em cima do trem” (2013);

“Validuaté” (2015).

Outras fontes

http://www.mallarmargens.com/2013/01/6-poemas-de-thiago-e.html

http://www.literaturabr.com/2016/10/26/poesia-de-thiago-e/

https://cidadeverde.com/janelasemrotacao/79095/thiago-e-poemas

 

Última atualização: 13/08/2018

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

5 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…