Documentário que aborda vivências de pessoas trans será lançado em Teresina

Fonte: Google imagens

No dia 29 de janeiro, é comemorado o Dia da Visibilidade Trans. A data foi criada no ano de 2004, após 27 travestis, mulheres e homens trans irem até o Congresso Nacional, em Brasília-DF, para lançarem a primeira campanha nacional idealizada e organizada por pessoas trans, chamada “Travesti e Respeito”. A campanha foi pensada com o intuito de chamar a atenção para a necessidade de promoção da cidadania e do respeito aos direitos da população trans, que, dentre as letras que compõem a sigla LGBTQ+, é o grupo mais vulnerável.

“Essa é uma data para que a sociedade veja e reconheça que existem pessoas além da cisgeneridade. É um dia pra lembrar que em todos os outros dias do ano nós devemos ser lembrados, respeitados e amados.” (Wendy Augustus)

Em comemoração à data, no próximo 29 de janeiro, o Coletivo 086 (@coletivo086) irá lançar o TRANSDOC, dirigido por Daniel Albano, Grax Medina, Rafael Santana e Rodrigo Moara.

Wendy Augustus (@o.astronauta), uma das vozes do documentário e que, atualmente, produz conteúdos voltados para pessoas trans em sua conta no Instagram, afirma a necessidade de iniciativas como essa. Wendy considera a produção importante “porque trata, de uma forma simples e verdadeira, sobre a vida de muitas pessoas que normalmente são excluídas da sociedade, mesmo que ocupem os espaços que qualquer outra pessoa ocupe. É uma forma de dar voz e vida a algo que tá aí, só que as pessoas não querem enxergar. É dar vida e sentido a várias histórias trans que estão escondidas por medo ou por falta de oportunidades.”

Wendy Augustus (@o.astronauta)

Para ele, em um país ainda marcado por uma alta taxa de casos de transfobia, um dos muitos significados da produção é a possibilidade de dar voz a quem, por muito tempo, foi estigmatizado: “é ter voz, ser ouvido e visto. Não só eu, mas todos que estão ali representando, de certa forma, vários homens e mulheres trans que não tiveram a oportunidade de falar, que nem estão mais presentes pra poder contar a sua história, pois foram vítimas da violência, do preconceito.”

“Tento levar conhecimento também às pessoas cisgêneras, porque com informação e conhecimento o preconceito tende a diminuir, e os índices de violências e transfobia também.” (Wendy Augustus)

O lançamento oficial e a exibição do documentário acontecerão no Auditório Esperança Garcia, na Faculdade Adelmar Rosado, às 18h:30 do dia 29 de janeiro de 2020.

Você pode conferir os trailers do documentário nos links a seguir:

https://www.instagram.com/p/B7tpa9OB837/?igshid=106bo7juhk54n

https://www.instagram.com/p/B7wcKixlyW5/?igshid=8lkcr35na0uq

 

0 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar