Milena Rocha representando a nova geração de cineastas

A piauiense Milena Andrade da Rocha nasceu em Santa Cruz dos Milagres, zona rural do Piauí, e é radicada em Teresina desde 2013. Ela é Técnica em Administração, pelo Instituto Federal do Piauí; formada em Jornalismo, pela Universidade Federal do Piauí; e radialista. Desenvolveu alguns trabalhos na área do jornalismo, fez produção audiovisual de três documentários (“Só com a Ajuda do Santo”, “Vidas em Rota” e “O pranto do Artista”) do coletivo LabCine, compôs a equipe de Som Direto do documentário “Afinado a Fogo”, financiado pela Ancine. Fez assessoria de imprensa e social mídia do Circuito Alternativo de Jazz, Blues, Artesanato e Ecoturismo, dentro do Festival de Inverno de Pedro II, além de outros trabalhos. Fez mobilidade acadêmica internacional por meio do programa BRACOL, Brasil/Colômbia, onde estudou audiovisual e participou do Festival Internacional de Cine de Cartagena de Índias (FICCI), no Caribe colombiano. Em 2018, Milena Rocha foi contemplada com o edital de mostra por meio da Parada de Cinema, com o documentário “Mulheres de Visão”.

“O audiovisual é uma forma de impactar com mais empatia.” Milena Rocha

Nome Completo: Milena Rocha

Descrição: Cineasta

Local de Nascimento: Santa Cruz dos Milagres

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

Infância em Santa Cruz dos Milagres

Milena Rocha cresceu rodeada de pessoas, acompanhando as procissões e o movimento religioso de Santa Cruz dos Milagres. Ela era coroinha da igreja e recolhia os objetos das promessas deixados pelos devotos e isso aguçou a sua curiosidade pelas possíveis histórias por trás de cada objeto. Além disso, Milena sempre gostou muito de ler, escrever e fotografar. Ainda na infância, ela já fotografava com a máquina fotográfica do seu pai. Na adolescência, teve contato com a palhaçaria. Por isso, desde pequena, Milena Rocha cultivou o hábito de se encantar por histórias, pois aprendeu o valor da memória oral que compunha o imaginário popular. Esse contato com o universo sacro foi materializado pelas encenações organizadas por ela e pelos seus colegas que percorriam a cidade apresentando diversas histórias, como a que deu origem à cidade.

Redescobrindo a cidade

A participação em diversas pastorais da igreja fez com que Milena Rocha cultivasse o hábito de viajar. Além disso, as suas vivências na cidade natal foram aproximando-a da futura profissão, tanto pelos projetos sociais dos quais fez parte quanto pela articulação como futura comunicadora, pois desde cedo ela já se apresentava nos programas das rádios comunitárias. A busca pela formação acadêmica fez com que ela deixasse o lar para estudar em Picos e, posteriormente, se mudasse para Teresina, objetivando cursar o Técnico em Administração pelo IFPI. Milena rememora como foi a transição de cidades e conta como foi readaptar-se e construir a sensação de pertencimento em outro município. Essa sensação de pertencimento só foi construída à medida que ela começou a trabalhar no Instituto Comradio, no projeto Um Olhar para a Cidadania, que acontecia na Associação dos Cegos do Piauí (ACEP). A experiência na ACEP fez com que Milena Rocha dilatasse ainda mais a sua própria percepção artística, pois lá ela precisou trabalhar com oficinas que aperfeiçoassem outros sentidos além da visão. Milena Rocha aprendeu a enxergar o mundo por meio da vivência na ACEP.

A imersão no audiovisual

Em 2014, Milena Rocha ingressou no curso de Jornalismo, na UFPI, e não tardou muito para que ela começasse a participar dos encontros estudantis. Logo no seu primeiro evento acadêmico, Milena conheceu a Comunicação Social Alternativa, área que mais condizia com os seus anseios, por tratar de hegemonia, mídia, poder, comunicação pública, comunicação comunitária. E foi a experiência acadêmica que aglutinou o grupo de estudantes interessados em audiovisual. Segundo Milena Rocha, sua primeira vivência com o audiovisual aconteceu com o convite para participar de uma intervenção organizada pela pastoral da terra, em Bom Jesus, para a gravação de um documentário sobre posseiros e grileiros de terras.
Na universidade, ela e outros estudantes decidiram criar uma revista para abordar diversas pautas a partir da comida, assim, organizaram a revista De Comer e a partir disso começaram a gravar vídeos. Durante esse período, a relação de Milena com o audiovisual era algo mais institucional, até que, em 2017, ela se inscreveu em uma bolsa para ir à Colômbia, onde cursaria algumas disciplinas de publicidade, fotografia e produção audiovisual. Posteriormente, quando retornou ao Brasil, Milena começou a produzir, com outros estudantes, alguns trabalhos de conclusão de curso e dessa assistência dada aos concluintes surgiu a ideia de produzir o documentário “O pranto do Artista”. Depois disso, foram surgindo outras oportunidades de produção cuja construção geralmente envolvia um mergulho, uma imersão, um trabalho etnográfico. A partir desse esforço estudantil, e de forma bem espontânea, surgiu o coletivo LabCine.

“A gente precisa ter mulheres pensando em todos os espaços de produção. Eu acho que a gente vive esse momento de rediscutir esse lugar”. Milena Rocha

Mulheres de Visão

A experiência com a Associação dos Cegos do Piauí (ACEP) aproximou Milena Rocha desse universo, despertando a preocupação pela acessibilidade no audiovisual, como a audiodescrição. Segundo Milena, as mulheres do grupo da ACEP queriam debater temas específico sobre mulheres, então, criaram o grupo de mulheres cegas e mulheres de baixa visão. O grupo começou a crescer, incluindo mulheres de outros municípios e, posteriormente, de várias regiões do Brasil. Então, as próprias participantes sentiram a necessidade de marcar um encontro e pediram a assistência de Milena como mediadora da reunião, que se tornou o Primeiro Encontro de Mulheres Cegas do Brasil, sediado em Teresina. No evento, que durou três dias, discutiu-se afetividade, sexualidade, tecnologia e etc. A partir dos podcasts gravados, surgiu a ideia de gravar um documentário, que só se concretizou com a feitura da monografia de Milena Rocha. Por sugestão da orientadora, Ana Regina Rego, a ideia foi transformada em projeto, até que surgiu o edital da Parada de Cinema que serviu como gatilho para acelerar a produção. O documentário ganhou o prêmio de Melhor Direção, na Parada de Cinema, entre outros prêmios contemplados em outros festivais brasileiros. Além disso, o documentário destaca-se pelo pioneirismo em termos de acessibilidade, pois é totalmente acessível, contendo tecnologias assistivas como LIBRAS, audiodescrição, Closed Caption e legenda em inglês.

Memórias de palha e barro

Inspirada nas histórias do cotidiano e com referências do coletivo “Caboré” e outros grupos nordestinos, Milena Rocha foi se nutrindo com o audiovisual e conta que o Jornalismo fez com que ela enveredasse mais para esse campo, embora todos tenham certa ligação com a imagem e o cinema. A LabCine também é resultado dessa vontade de produzir no audiovisual em um lugar que não tem formação na área, por isso, tudo acontece muito pelo esforço de quem está na área. Dessa forma, o cenário acabou favorecendo para a produção do audiovisual alternativo, embebecido pelo Jornalismo. Segundo a cineasta, a universidade era um espaço de experimentação. Atualmente, o seu processo de criação é atrelado à própria exigência de produzir um material que envolve também um amadurecimento no método de produção. “A gente tem uma estética alternativa e pertence a essa estética por falta de equipamentos, mas eu acho que, até se a gente tivesse esses equipamentos, nós trabalharíamos da forma como trabalhamos”, comenta Milena Rocha.

A etnografia da criação

Milena Rocha faz do audiovisual a possibilidade para rever as próprias crenças. Sempre imersa no trabalho que comporá a obra, ela se debruça sobre o ambiente, as vivências e os sujeitos filmados. Nessa etnografia, busca compreender as sutilezas do universo filmado para também envolver a identidade das personagens dentro da produção. No decorrer desse processo autorreflexivo, as próprias personagens se tornam partícipes e integram-se à produção. “O processo todo é fazer com, e não sobre”, frisa Milena Rocha. A cineasta, que nunca deixou de criar e se movimentar, demonstra essa inquietação no processo de criação e consegue apreender, com muita sensibilidade, particularidades das suas personagens. Milena Rocha aprendeu a trabalhar com os recursos disponíveis e sempre exigindo de si o seu melhor. A cineasta, que é uma das poucas profissionais do estado, frisa a importância de ocupar espaços, tanto no audiovisual como nas outras áreas: “A gente precisa ter mulheres pensando em todos os espaços de produção. Eu acho que a gente vive esse momento de rediscutir esse lugar”.

Contatos

Instagram.com/mandapramilena

Facebook.com/milenaandradedarocha

E-mail: mandapramilena@gmail.com

Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vídeo

Experiência Profissional

2013 à 2017| Assessoria | Coordenação de Projetos na  Comunicação, Juventude, Acessibilidade  e Sustentabilidade, no Instituto Comradio

2015 | Planejamento | Organização e Assessoria do Intercâmbio América latina e Brücke Le  pont. [Suíça, Brasil, Bolívia, El Salvador e Honduras]

2015|​ ​Assessoria de Imprensa do Encontro Brasileiro de Mulheres Cegas e com baixa Visão.

2015 | Comissão Organizadora do I SEMINÁRIO REGIONAL NORTE NORDESTE  (Convergências Midiáticas): “O futuro das rádios comunitárias em tempos digitais”, Teresina.  Piauí.

2016 | Oficineira de produção de conteúdos no Encontro Baiano de Mídia Livre, Salvador Bahia.

2016 | Repórter no Projeto de Extensão em Jornalismo Ambiental. (BIAMA/UFPI)

2016 | Oficina de Divulgação Científica no  Seminário Convergência Midiática e o Futuro das  Rádios Comunitárias. Organizado pela Associação Mundial de Rádios Comunitárias. Campinas,  São Paulo.

2017 | Oficineira de Produção de conteúdos para internet no Encontro de Educação e Software  Libre, Uneb,  Campus Conceição do Coité | Bahia.

2017 | Produção audiovisual (entrevistas, produção, câmera e montagem) de Três documentários  com o coletivo LabCine, Teresina. Piauí.

2018| Equipe de Som Direto do Documentário “Afinado a Fogo”, financiado pela Ancine.

2018 | Assessoria de Imprensa e Social Mídia do Circuito Alternativo Jazz , Blues, Artesanato e  Ecoturismo dentro do Festival de Inverno de Pedro II.

2018| Assessoria de Imprensa, Mídias Sociais, Fotografia e  Propaganda Eleitoral da Campanha  Política da Candidata a Deputada Federal Fabíola Lemos.

2018 | Oficina uso das mídias sociais para engajamento comunitário,   para jovens rurais do  Projeto Viva Semiárido financiado pelo, Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola, na  cidade de Jacobina do Piauí.

2018 |  Oficinas de produção Audiovisual para Jovens do Semiárido. Projeto coordenado pelo  Instituto Comradio. Floriano. Piauí.

2018 | Vídeo Institucional sobre o curso de Juristas Populares, coordenado pela Comissão  Pastoral da Terra, na região afetada pela Transnordetina, Parque Eólico e Mineração. Fronteira  Piauí, Pernambuco.

Outras fontes

http://entrecultura.com.br/2018/10/27/documentario-piauiense-mulheres-de-visao-leva-premio-de-melhor-direcao-em-festival-na-bahia/

 

Última atualização: 15/01/2019

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

5 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…