Games no Piauí: A Frutífera Cena de Jogos e os seus Percalços

banner_indie

Revisão: Joana Tainá

Num fim de semana qualquer você, de repente, sente uma vontade de jogar algo em seu computador. Após ligar o PC, busca aleatoriamente na Internet ou em sites de vendas de games como a Steam, algo que te agrade e que traga uma diversão calorosa nos dias de folga. Após pesquisas, você percebe que na lista de jogos mais vendidos, existe um que tem certo trabalho visual diferenciado e de mecânicas interessantes e, num espasmo de curiosidade, busca saber quem são os desenvolvedores desse jogo. Surpresa, eles são os seus vizinhos! Talvez eu tenha exagerado, mas, não é exagero dizer que o desenvolvimento de jogos está cada vez mais próximo de mim, de você e da cultura piauiense.

O primeiro lampejo de criatividade que conseguiu alcançar um grande público foi o jogo The Last NightMary: A Lenda do Cabeça de Cuia, uma amostra da combinação de um bom visual e um ótimo tratamento de áudio que, aliado á um bom texto, mostrou para o cenário de desenvolvimento de jogos brasileiro que o Piauí, tão como os centros de produção de games do Sul e do Sudeste, tem talento para chegar ao topo. E é com um dos integrantes da equipe de desenvolvimento do The Last NightMary que eu pude conversar a respeito da cena de GameDev no estado e da comunidade da qual foi co-fundador, o Piauindie, conhecido por diversas atividades na área do desenvolvimento de jogos.

cabeça_de_cuia_nightmary
Game piauiense The Last NightMary, da Submersivo Game Studio

Na conversa tida com Ruhan Bello, acessibilidade foi um dos temas mais debatidos. Ruhan, funcionário da empresa alemã Exit Games, trabalha no desenvolvimento de uma ferramenta voltada para pessoas que desejam construir jogos online, chamada Quantum, onde ele é chefe de Inteligência Artificial. O seu trabalho, que tem como foco possibilitar que mais pessoas consigam programar games, é um dos vários outros pelo mundo que torna mais acessível o ato de fazer jogos. Algo que, como apontado por Ruhan, era muito diferente alguns anos atrás.

“Com o tempo e a popularização dos desenvolvimentos de jogos, mais game engines vão surgindo e com diversas estratégias de como jogos são feitos, o que é muito bom… Na minha época, quando eu comecei em 2013, eu de fato só tinha Unreal e Unity², só que na época a Unreal era paga, se não me engano, e eu não tinha alternativa para começar a testar senão a própria Unity.”

Com o passar dos anos, juntamente da competição entre a Unreal, que posteriormente ganhou uma versão gratuita, e a Unity, surgiram outras game engines, programas  criados com o objetivo de fornecer um meio de desenvolver games, que conseguiram destaque como Godot e o Game Maker, esse último inovando por seu sistema de Drag n’ Drop, uma forma de simplificar o ato de programar a partir do encaixe de blocos de informação.

Desenvolvimento em Drag n’ Drop no Game Maker (Fonte: Game Maker)

 

scripts_unity
Programação de Scripts na Unity (Fonte: Unity)

Entretanto, ainda que as ferramentas deem acesso para que jovens e adultos possam programar estejam sobre a mesa, existem dois pontos que entram em conflito com a ideia de criar uma cena de desenvolvimento frutífera: a descentralização do conteúdo e produção, e a falta de investimento cultural.

Desses dois percalços, um deles até que está bem resolvido. Essa descentralização dos conteúdos e da produção vem diminuindo à medida que mais desenvolvedores se conhecem, trocam ideias, e trabalham juntos. O Piauindie, fundado pelo Ruhan Bello, é uma dessas soluções que centralizam os produtores e incentivam a mais pessoas produzirem.

“Esse é um grupo de incentivo de desenvolvimento de jogos independentes, temos palestras, encontros mensais, desafio de desenvolvimentos, Game Jams que é pra criação de protótipos em curto espaços de tempo.”

Mas essa ideia não caiu do céu. Ela nasceu da troca de experiências tida por Ruhan e um grupo de amigos após irem em uma SBGames, Simpósio Brasileiro de Games e Entretenimento Digital, e conversarem com outros desenvolvedores sobre como eram construídas as relações e a cena de GameDev de cada estado. De volta pra casa, ele já tinha em mente o que fazer, mas não sabia como.

“Não existe nenhuma fórmula secreta. Cada estado decide como as coisas acontecem. Cada estado tem que surgir com a sua própria solução pra fazer acontecer. Ninguém lá tinha nenhum tipo de incentivo ou resposta de como fazer isso no Piauí, eles disseram que eu simplesmente teria que fazer. E depois dessa SBGames eu voltei pra casa com meus amigos e já em Teresina, a gente teve a ideia de começar a formar um grupo sem objetivo a principio, um grupo só pra começar a colocar desenvolvedores de jogos no mesmo grupo de whatsapp e deixar a coisa rolar pra ver o que as pessoas tinham interesse.” 

Asleep, game piauiense produzido pela Black Hole Games.

O Piauindie é uma iniciativa que amadurece e agrega valor as produções piauienses por se tratar de um polo de conhecimento e de atividades. Existem as Game Jams periódicas, que são momentos em que desenvolvedores se juntam durante um curto espaço de tempo para produzir o protótipo de um game, existem as palestras com diversos participantes de vários lugares do Brasil, e existe a corrente de conversa entre quem desenvolve e quem quer começar a desenvolver, algo essencial pra manter o grupo em expansão.

Entretanto, um fantasma que assola não só a produção de games, mas de todas as outras produções culturais no Brasil se aproxima dos desenvolvedores mais ambiciosos: a falta de incentivo monetário. Pois, pasme, fazer jogos custa caro, e muito! Explicando de forma bem rasa e simplista, os gastos do desenvolvimento de jogo vão desde: pagar mão de obra e suas ferramentas por um período que é de, no mínimo, dois anos, além de gastos como viagens para eventos, enfim, pagar tudo isso sem saber se o jogo vai se pagar. Os possíveis reveses que podem vir a acontecer se o jogo for bancado com pouco dinheiro assusta e diminui o escopo das produções e, pior ainda, causa o lamentável escoamento de talentos onde um desenvolvedor piauiense prefere bem mais trabalhar para uma empresa do Canadá, dos EUA ou como no caso do Ruhan, da Alemanha, do que aqui, visto que os incentivos culturais são irrisórios e para poucos.

“A gente no Brasil tem muito potencial que se perde pra grupos X ou Y, desistindo de fazer jogos pra arrumar emprego que não seja nessa área porque jogos não tem muito investimento aqui em Teresina, então a gente perde talentos, com certeza. E o que acontece é que, de fato, seria bom se existisse mais iniciativas no Brasil pra que a economia de jogos aconteça e, é uma questão muito complexa.”

pr_light
Project Light, produzido pela equipe Arka.

Por isso, é louvável a atitude de manter e enriquecer cada vez mais uma iniciativa que insere no estado uma nova veia cultural que, ainda que não seja muito movida por dinheiro, possuí o que toda produção artística tem que ter em sua gênese: o desejo.

O desejo que move os desenvolvedores piauienses também move outros pelo mundo. Inclusive, os jogos indies estão conseguindo uma posição de destaque antes ocupada apenas pelas grandes empresas como Sony, Nintendo ou Microsoft, mostrando que jogos nascidos como prototipações em Game Jams, dentro de um clima de testes de laboratório, evoluem e podem se tornar, com certa frequência, um grande sucesso. Só nesse começo de 2021, um jogo chamado Valheim, feito por 5 desenvolvedores, se tornou um dos mais vendidos da Steam, enquanto outro jogo chamado Loop Hero, feito por uma pequena equipe russa, ameaça tomar a posição do primeiro lugar. A briga agora é entre os indies.

burguer_game
Game piauiense Make the Burguer, produzido pela Creative Hand.

A médio e longo prazo, iniciativas como o Piauindie é o que vão garantir que a cena de desenvolvimento piauiense se torne sólida o suficiente para que, algum dia quem sabe, um jogo feito numa Game Jam venda bem na Steam. Ou melhor ainda, que não apenas só um jogo faça sucesso, mas sim que a cultura de jogos piauienses seja reconhecida mundo a fora. E, como foi dito na primeira reunião do Piauindie pelo Ruhan: “Eu não sei o que a gente vai fazer, nem o nosso objetivo, mas vamos começando pra ver se descobrimos algo, se não, tudo bem.” Só que agora é tarde demais pra pensar em descobrir o objetivo, porque eles certamente já sabem, só falta então o resto do mundo descobrir do que o Piauiense é capaz e, spoiler: somos capazes de muita coisa!  

Total
1
Shares
1 comentário
  1. Excelente artigo, o incentivo no desenvolvimento de jogos indie é baixo não so no Piauí mas no mundo todo, existem raras exceções de programas de financiamento, a média de salário de um programador de jogos é a segunda mais baixa no mercado de TI em geral, acho que esse mercado precisa evoluir no geral. De fato o Piauí tem grandes talentos e algumas pérolas mas acho que pra ganhar destaque os gamedev em geral precisam ter uma identidade mais bem definida

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas