Conheça o Museu do Mar – Museus Pelo Piauí

MuseudoMar

Hoje no #MuseusPeloPiauí vamos viajar até o litoral para te apresentar a imensidão do mais jovem museu do nosso estado: o Museu do Mar.

Inaugurado no dia 2 de julho deste ano, o Museu do Mar do Delta do Parnaíba “Seu João Claudino”, já é considerado o maior museu do Piauí. A instituição fica localizada no Porto das Barcas, em Parnaíba, e apresenta ao público um acervo baseado em pesquisas sobre a região.

História do Porto das Barcas – casa do Museu

O Museu do Mar foi inaugurado como parte do projeto de revitalização do Complexo Turístico do Porto das Barcas, a maior obra de revitalização do patrimônio histórico piauiense, com 10 mil metros de construção recuperados, desde a estrutura, cobertura, pavimentação, esquadrias, pintura e instalações. Para que você fique por dentro, vamos te contar um pouco da história desse importante espaço de Parnaíba.

Localizado às margens do Rio Igaraçu, à direita da ponte que liga Parnaíba à Ilha Grande de Santa Isabel, o conjunto arquitetônico do Porto das Barcas é um importante complexo de edificações do século XIX, remanescentes de uma época áurea do desenvolvimento comercial do Piauí.

Tombado pelo IPHAN, os 200.000m² do complexo abrigam galpões, prédios de alfândega, cais, pátios, velho dique, becos, vielas e armazéns. E foi em um desses armazéns portuários que o Museu do Mar foi construído.

 

Acervo – o que encontro no Museu do Mar?

Com projeto criado pelo arquiteto e professor Paulo Vasconcelos, o Museu do Mar já é considerado o maior de todo o estado do Piauí. São inúmeras peças que remetem à cultura e biodiversidade regional, dentre elas uma ossada de um peixe-boi, um esqueleto de baleia cachalote de 16 metros de extensão e barcos em tamanho real. Além de galerias, teatro, biblioteca, salas laboratório de teatro/audiovisual, café e um Parque das Ruínas.

O acervo do Museu está dividido em três seções.

  • 1ª seção – O Homem do Delta do Parnaíba

Leva em consideração a etnografia, o homem do Delta e a sua relação com as atividades pesqueiras e de sobrevivência, bem como seus costumes e crenças. Esta seção é subdividida em 11 setores, são eles:

Pesca no mar; Pesca no rio; Pesca de crustáceos; Marisqueiras; Catadores de caranguejos; Mestres estaleiros; Rancho do Mar; Artesãs; Curumins; Rendeiras; Fé e religiosidade.

  • 2ª seção – História Natural (dedicada à natureza do Delta do Parnaíba)

Nesta seção são tratadas as questões ambientais e é nesse espaço que estão os esqueletos de um boto cinza, de um peixe-boi e de uma baleia, além de réplicas desses e de outros animais.

Também há uma maquete dedicada ao Delta, que mostra as inúmeras ilhas, igarapés, biomas etc. O fundo do mar e as espécies que vivem nesse ambiente também são retratados numa maquete. É subdividida nos seguintes setores:

Proteção ambiental; Rio Parnaíba; Biomas; Praias; Vilas e Cidades; Répteis; Aves; Mamíferos; Fauna marinha; Baleias; Golfinhos; Peixe-boi.

  • 3ª seção – Navegando no Delta do Parnaíba

Espaço dedicado à tecnologia náutica e sua evolução ao longo dos anos. Por lá,  o visitante encontra 11 embarcações de vários tipos e tamanhos. Além de três setores dedicados às peças náuticas, relacionadas à segurança e comando das embarcações.

E não para por aí, na terceira seção ainda existe uma linha do tempo – Navegando no tempo – que mostra a história de Parnaíba e sua relação com o mar, dividida em 33 partes.  Nesta seção também há um espaço dedicado à Marinha do Brasil e outra aos estaleiros. Já no pátio do Museu, o visitante vai encontrar duas embarcações em tamanho real, que chegam a quase 20m de comprimento. Na parte de dentro do Museu você pode conferir embarcações em tamanhos menores.

  • Galerias

Como mencionado, o Museu do Mar possui duas galerias de arte para exposições temporárias (3 meses), que receberam inicialmente a exposição do artista plástico parnaibano Paulo Gaspar – com 17 telas de grande porte e a exposição do fotógrafo Gelson Catatau. Ambas as mostras levam ao público a temática do homem e do cotidiano do Delta do Parnaíba. Além de inaugurar a galeria com a exposição “Remares”, as fotos de Gelson Catatau também compõem a sala do “O Homem do Delta”. Para o fotógrafo, o Museu do Mar do Delta do Parnaíba é um símbolo importante para a história do estado, além de um marco para a cidade:

Acredito que o Museu pode ser uma peça importante na geração de um novo cenário vivo, porque potência cultural já temos de sobra. O meu desejo é que o Museu seja um espaço que agregue exponencialmente nossa vasta cultura regional. E que seja também, um lugar de aprendizado, criação e viabilização da arte e cultura parnaibana.

Museu Escola e homenageados

Pensando também em uma maior interação entre cultura, educação e turismo, o Museu do Mar oferecerá oficinas permanentes de teatro, dança e audiovisual. E para isso, o lugar conta com diferentes espaços que levaram o nome de homenageados piauienses.

  • Teatro Benjamim Santos em homenagem ao dramaturgo;
  • Biblioteca “Beira Rio Beira Vida” em referência a obra ambientada no Porto das Barcas do autor Assis Brasil;
  • Sala do curso de Teatro “Atriz Carmem Carvalho”;
  • Sala do curso de dança “Amo João Rodrigues” em homenagem ao Amo de boi mais velho, vivo e atuante de Parnaíba;
  • Laboratório do curso de audiovisual “Douglas Machado” em homenagem ao cineasta.

Funcionamento do Museu do Mar

Ter – Sex: das 09 às 20h

Sáb: 09 às 21h

Dom: 15h às 21h

Durante a pandemia a visitação ocorre via agendamento prévio através do WhatsApp: 86 99498-4246

Valores

Inteira: R$10,00

Meia: R$5,00

*meia para todos às terças-feiras

Endereço

Merval Veras, 300 – Nossa Sra. do Carmo, dentro do Complexo Turístico do Porto das Barcas. Parnaíba – PI

Mais informações sobre o Museu do Mar

https://instagram.com/museudomarphb

Fontes: Secult/ Ryck Costa – diretor do Museu

Total
0
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas