Marcos Gomes

Movimentar-se é se libertar das amarras do mundo, superar as próprias limitações e transmitir, com gestos, os sentimentos mais sutis e delicados. Marcos Gomes sabe bem disso, pois encontrou na dança a libertação para as palavras que estavam contidas. Aprendeu a falar por meio do corpo. O bailarino e coreógrafo descobriu a dança por acaso e se apaixonou. Iniciou seus estudos em dança no ano de 2009. Participou dos grupos de dança: Nai Dirceu, Báttali Cia de Dança, Cia José Nascimento e Escola de Ballet Helly Bastista. Esteve no elenco dos espetáculos de dança “Auto de Natal” (2009-2011), “Construção”(2010), “Píxel” (2012), “Dançando onde o podo está” (2012), “Recortes” (2013), “Centelhas” (2016) e “O que te faz lembrar” (2017). Marcos Gomes é um bailarino eclético e, como coreógrafo, transmite toda a mistura de conhecimentos para os seus alunos, característica presente também nas suas coreografias. “Arte é tudo, arte é expressão. É você conseguir mostrar para os outros aquilo que tem dentro de você”, diz o bailarino.

“Arte é tudo, arte é expressão. É você conseguir mostrar para os outros aquilo que tem dentro de você.” Marcos Gomes

Nome Completo: Marcos Diogo Pereira Gomes

Descrição: Bailarino e coreógrafo

Data de Nascimento: 09/06/1994

Local de Nascimento: Teresina-PI

 

Perfil escrito pela Geleia Total
Escrito por:
 Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley Pereira Cardoso

 

Nasceu dançando

Antes mesmo de conhecer a dança Marcos Gomes já dançava, pois a paixão surgiu espontaneamente sem que ninguém precisasse convencer o garoto. A dança foi consequência da empolgação gerada pelas músicas e pelos ritmos dançantes, por isso mesmo Marcos simplesmente não conseguia se conter, era atração imediata tentar acompanhar as músicas escutadas e o corpo era o primeiro a reagir. A expressão do corpo que passava a se tornar mais presente no dia a dia do garoto eram preenchidas por temas infantis como as músicas da novela infantil Chiquititas e outras canções em voga no período. Marcos relembra que sempre ganhava fitas e posteriormente CDs com as músicas preferidas, o estilo variava muito, pois o garoto sempre teve um gosto musical variado. Essa variação se manifestou posteriormente nos estudos da dança. Marcos Gomes nasceu em uma família que sempre gostou das grandes comemorações e que estavam sempre festejando, mas é o primeiro dançarino da sua família. O dançarino foi deixando-se levar pelo ritmo e acabou emaranhado nos fios rítmicos da dança.

Estudo sobre o corpo em movimento

A brincadeira de dançar se tornou profissão quase que por acidente, pois Marcos Gomes rememora o seu ingresso na primeira oficina de dança e tudo aconteceu de modo espontâneo. O bailarino foi com uma vizinha sua ao Núcleo de Atenção Intergeracional (NAI) do bairro Dirceu Arcoverde, projeto destinado a atender crianças e jovens em situação de risco promovendo vários cursos como o curso de Dança ministrado pela coreógrafa e bailarina Elizabeth Báttali. E o convite para participar da oficina veio da própria professora de dança, Marcos achou o convite inusitado, mas quis passar pela experiência e entrou para o grupo. E com quinze anos de idade entrou para o seu primeiro grupo de dança que embora focasse na dança contemporânea, experimentava de tudo um pouco, seja o balé clássico ou as danças populares. O contato com a dança não findou no projeto, acabou se tornando parte da vida de Marcos Gomes e o bailarino saiu da oficina para o seu primeiro grupo, Báttali Cia de Dança. O primeiro grupo de Marcos serviu como base para os futuros trabalhos, o bailarino eclético permaneceu estudando estilos variados de dança para conhecer as possibilidades e superar os limites do seu corpo.

As experiências do bailarino

Após a experiência com o grupo de dança do projeto de Nai Dirceu, Marcos Gomes foi convidado para a Battali Cia de Dança, onde permaneceu de 2011 a 2014. Nesse período, o bailarino adquiriu uma vasta experiência com a dança contemporânea, participando de festivais e apresentações em Teresina. Depois disso, Marcos Gomes levou um tempo para encontrar-se novamente e esse caminho da dança foi sendo lapidado com a entrada dos seus dois colegas, Jonas Alves e Douglas Lira, em uma das oficinas de dança da Casa da Cultura, ministrada pelo bailarino e coreógrafo José Nascimento. Os colegas convidaram Marcos Gomes para participar da oficina e, ao aceitar o convite, o bailarino paralelamente começou a estudar balé clássico, na Escola de Ballet Helly Bastista. As duas experiências foram bem enriquecedoras para o bailarino, que começou a entender melhor técnicas mais variadas de dança e perceber as sutilezas dos seus movimentos.

 “A arte é libertação, pois é como se o desenho que eu fizesse tirasse de dentro de mim algo que está acontecendo.” Marcos Gomes

O que move o corpo

Mover-se, gesticular, expressar com o corpo mensagens não verbais é o grande desafio para um mundo preso à palavra. Contudo, para o bailarino, o que seria dificuldade se torna possibilidades de expressão. Comunicar-se por meio do movimento é rechear-se e munir-se das ideias e sentimentos que irão compor a coreografia. Por isso, Marcos Gomes é tão enfático ao dizer que o bailarino estuda não só o corpo, mas os temas que complementarão a ideia da obra. Não se transmite aquilo que não se conhece. Logo, para que haja comunicação, o bailarino passa também pela experiência de empatia com as ideias, estudando como aquele tema impacta o próprio bailarino, performer e intérprete. Para alimentar a intenção dos movimentos, Marcos Gomes conta que o seu processo criativo é composto por duas partes, desenvolvidas juntas: uma é a apropriação do movimento, da coreografia, e a outra, não menos importante, é a apropriação do tema e dos sentimentos presentes nos movimentos. Nesse sentido, Marcos fala da importância da música na construção dos sentimentos e movimentos do bailarino. “A arte é libertação, pois é como se o desenho que eu fizesse tirasse de dentro de mim algo que está acontecendo”, enfatiza.

Unindo forças

Marcos Gomes foi encontrando um caminho na dança e nessa estrada artística começou a ser professor e coreógrafo, transmitindo para seus alunos tudo o que foi absorvido ao longo da sua vida. Na composição de um espetáculo ou coreografia, o bailarino leva em consideração o tema principal que se quer passar e alia isso à música. A coreografia que mais emocionou Marcos foi “Sons”, um trio que tinha no elenco Marcos, Jonas Alves e Douglas Lira. Embora o trio desenvolvesse um trabalho com tema aberto, a sensação era de que se tratava de um trio amoroso, e os três bailarinos sempre acabavam muito emocionados ao apresentar a coreografia: “A última vez que dançamos eu comecei chorando e fui chorando até o fim. Acho que foi um trio que gostamos muito”, relembra Marcos Gomes. O bailarino foi acumulando algumas referências na dança ao longo da sua trajetória e grande parte dos colegas de palco e profissionais conhecidos nas oficinas e grupos se tornaram mais do que apenas diálogos, mas pessoas que o bailarino passou a admirar, como Jaciane Sousa, Hellen Mesquita, Deborah Colker, Ana Botafogo, além dos seus professores Elizabeth Báttali, José Nasimento e Helly Batista Júnior, assim como outros tantos que ajudaram na lapidação dos seus movimentos.

A potência no movimento

Marcos Gomes inseriu-se no cenário das danças e foi deixando o próprio fluxo da arte invadir a sua vida lentamente, sem perceber já estava imerso e marcado pela arte. Fez da dança o seu projeto de vida e esforçou-se para continuar dançando mesmo com todos os obstáculos. O bailarino foi demonstrando que dançar é mais que paixão, é determinação e foco. Sua pesquisa para conhecer as possibilidades dos movimentos jamais estagnou, ao contrário, pois só se aprimora diariamente. Marcos Gomes é um dos exemplos de como a dança pode transformar o corpo e a vida da pessoa, por isso ele tenta mostrar o mesmo, que é possível vencer com o que se gosta, com o que se ama, com a arte. Sua paixão que começou motivada pela destreza dos movimentos de outros bailarinos e grupos hoje é motivo de inspiração para outros jovens bailarinos que sonham em se profissionalizar. E ele lembra que o trabalho é duro, não são só flores, é muito trabalho e estudo para construir um corpo para a dança.

Contatos

instagram.com/marrcosgomess.ab

facebook.com/marcos.passo.167

Fotos

Coreografias como bailarino

Auto De Natal-Nai Dirceu (2009-2011);

Construção (2010);

Píxel (2012);

Dançando Onde O Povo Está (2012);

Recortes (2013);

Centelhas (2016);

Pétalas (2017);

O Que Te Faz Lembrar? (2017).

Outras fontes

https://www.google.com.br/search?ei=w387W7GMNsSXwATNpLu4Dw&q=dança+petalas+jose+nascimeento&oq=dança+petalas+jose+nascimeento&gs_l=psy-ab.3..33i160k1.6503.15931.0.16176.30.29.0.0.0.0.355.4176.0j11j7j1.19.0….0…1c.1.64.psy-ab..11.16.3470…0j35i39k1j0i67k1j0i131k1j0i22i30k1j0i22i10i30k1.0.MKTxgYVjbbs

http://portalpmt.teresina.pi.gov.br/admin/upload/documentos/9eafb69359.pdf

 

Última atualização: 01/07/2018

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Pode Gostar
Leia mais

Maria da Inglaterra

Maria Luiza dos Santos Silva, mais conhecida como “Maria da Inglaterra”, nasceu em Luzilândia em 1940. Começou a…
Leia mais

Lais Rosa

Ela é um sucesso nas redes sociais, seus textos ultrapassaram as fronteiras e conquistaram admiradores de todas as…