Tiarruma e vem pro Corso

Diááá, o corso do Zé Pereira é tradição em Teresina doido. Dizeno os mais velhos da cidade foi na década de 1930 que começaram os primeiros desfiles de carros no carnaval. Mas que foi nas décadas de 1950 e 1960 que o esquema virou tradição. O povo capava o gato frescano pelo centro da cidade tocando instrumentos e tendo como guia, o caminhão das raaaaparigas, representando a aparição das prostitutas da cidade, tudo nos trinques. Mas, logo surgiram os blocos de rua e escolas de samba, botando catinga no corso.

Ixe! Aí esse corso custou esquecido, voltando somente no final dos anos 90, com a fulerági do carnaval de rua, na primeira gestão do prefeito Firmino Filho. Em 1997, na tora do Seminário de Resgate do Carnaval de Teresina, o então superintendente da Fundação Monsenhor Chaves, José Afonso de Araújo Lima, jogou a migué da volta do corso, que agora seria arrumado no sábado de Zé Pereira.

Ô fole! A partir de 2008 o evento começou a se tornar o papoco que é hoje, tanto que a prefeitura começou a dá fé dos problemas na condução do percurso e teve que desdobrar mondicoisa. A dispersão não ocorria mais na Praça do Marquês devido ao piquero de gente acochando o evento, então precisou ser arrumada porque tinha era chão.

Só sal! Foi no ano de 2011 que apareceu dicunfôça o fuxico de maior festa do mundo. Armaria! A lapada do corso foi tão grande, que no ano seguinte, em 2012, o título foi comprovado com a vinda de um cabuêta do Guinness Book, o livro dos Recordes, que registrou a marca de 343 veículos decorados no desfile, número enfiado na publicação até hoje.

Arrochaa! Em 2013, com a nova gestão da Fundação Monsenhor Chaves, o corso esticou ainda mais, chegando à estrondante marca de 896 veículos inscritos. Foi quando a fundação pastorou a organização do percurso inventano na tubada, regras para garantir mais fluidez e segurança para o público. Em 2014, a organização decidiu futricar as origens da festa, meteno apenas os caminhões no desfile. Foram inscritos 420 veículos, doido, a brincadeira ficou mais raiada.

Oxente! O corso é uma festa apapagaiada para o povo, tradição teresinense cheia de turistas da caxaprego do carái de asa para arrochar essa belíssima fulerage. No corso, o povo fresca de todo jeito: com fantasias, danças, músicas, desfile de carros, palcos musicais e muita mangação.

Fi de rapariga, o corso 2019, está de cara nova, a bagaceira ainda acontece nurrumu da Avenida Raul Lopes, será sábado 23.02.2019 pertinho da boquinha da noite às 16h. E aí meu povo? Cambada, te alui não fique de fora dessa, se apronte com o seu melhor mulambo, pinte a cara e vá curiar a festa carnavalesca que papoca Teresina.

Fonte de dados: http://www.portalpmt.teresina.pi.gov.br/noticia/Corso-de-Teresina-A-historia-da-maior-festa-de-Teresina/5526

Por Luan Rodrigues.

32 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like