Fac et spera, de Jonas da Silva

Faze e espera, é a divisa de esperanças
De alguém que ainda na vida tudo espera
E ainda crê nalgum sonho e na quimera,
Dando ouvido às baladas e às romanças…

Fac et spera! e a fabricar faianças
Levei a minha louca primavera;
E às festas de Amatonte e de Citera
Jarras enviei de todas as nuanças…

Tarde depois, as forças combalidas,
Vejo-as no chão, desiludido quase,
Jarras, crateras e ânforas partidas
“Venho agora concluir a antiga frase:
Fac et spera… o Sofrimento e a Morte!”

Total
0
Shares
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas