COMIDA DO CENTRO: Comida de rua, PFs, lanchonetes e botecos?

Centro da cidade. A história de Teresina começa como a primeira cidade planejada, a qual completou 167 anos no dia 16 de agosto. Esse marco foi dado com a fundação da igreja Nossa senhora do Amparo, como uma boa cidade católica, e todo o projeto passou pela curadoria do Conselheiro Saraiva.

Partindo do centro, que Teresina se fez grande! Em meados dos anos 50/70, era no centro da cidade onde se concentravam diversos empreendimentos, tantos gastronômicos como culturais. Considerando que o centro é o bairro mais antigo, me vem o questionamento: o que ele nos traz de referências gastronômicas e culturais dessa cidade tão jovem?

Durante semanas, tenho me dedicado a esse trabalho árduo de pesquisa. Para mim a melhor pesquisa, quando se fala de comida, não é a do Trip Advisor ou a do Instagram, mas uma ferramenta bem antiga que está caminhando para o desuso: a do boca-a-boca. Queria opiniões reais e verdadeiras, sem censuras e frescuras.

Em todos os lugares que eu ia ou que eu estava, começava a comentar sobre essa minha ideia e esse projeto, e quando perguntava – o que tem de bom no centro? – recebi por diversas vezes um silêncio de alguns minutos. Ninguém sabe.

Quem ainda vai ao centro para se divertir? E por que não, se o centro foi o primeiro bairro teresinense, e é onde se encontram as mais belas obras arquitetônicas? Onde mais um turista, conhecendo nossa cidade, iria? E mesmo nós, teresinenses, que deveríamos nos apropriar e ocupar tais lugares, onde poderíamos ir?

Em diversas cidades, os centros abrigam lugares especiais, que perduraram por décadas e que trazem consigo algo imortal da cultura alimentar desses locais. Nesse momento, continuo com os questionamentos: para onde foram nossos lugares?

Uma cerveja antes é muito bom pra ficar pensando melhor, ouvi dizer.

Um dos lugares que conheci e que achei relevante culturalmente é o Casa barro. É um Lugar  jovem em todos os sentidos, é recente e que reúne toda a produção artística teresinense, desde música, fotografia, literatura e artes plásticas. E inclusive alguns encontros do geleia ocorrem nesse local.

Casa barro

É aconchegante, tem um ar de quintal de casa e as pessoas se auto atendem. Quanto à comida achei pouca variedade, mas do cardápio não deixe de provar o caldinho de feijão e a panelada. Vale retornar, pois quando fui o cardápio era reduzido e hoje oferecem drinks e mais opções.

Caldinho de feijão

Eu sou fissurada em caldinho de feijão e prometo aqui uma “batalha dos caldinhos de feijão” da cidade. Sempre provo quando vejo no cardápio.

Panelada. Clássico piauiense de origem portuguesa.

Ainda continuo à procura, garimpando pouco a pouco. O que mais o centro nos reserva? Para mim, essa é só a pontinha do iceberg. Compartilhem e me mandem dicas. Preciso do boca-a-boca, geleienses! Até a próxima.

FONTES:

https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pi/teresina/historico

Fotografias: Acervo Pessoal

ACERVO PESSOAL: COMIDA DE BOTECO: BOTECO PIAUIENSE. PARA A DISCIPLINA DE COZINHA FRIA, IFPI, 2017.

1 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You May Also Like
Leia mais

Receita de Bomba

A bomba é um salgado tipicamente teresinense. Ele surgiu quando a dona Marlene Ferreira, sua criadora, resolveu empanar e…
Leia mais

Receita de Cajuína

Cajuína é uma bebida não alcoólica, feita do suco clarificado e cozido do caju. A clarificação se dava…