Meditação à beira do Poti, por Ana Lúcia Castelo Branco

(Inspirada no poema de Mário de Andrade, Meditação sobre o Tietê)

 

Água do Poti onde queres me levar¿ Rio de curvas anfíbias que vai para o Parnaíba

Tarde. Debaixo da ponte o rio, a correnteza murmura a água pesada e barrenta. O sol enche de reflexo a tarde.

Tão vasta a boca do rio é como se fosse a tarde abocanhando desesperos que inundam corações atormentados

O barro recolhe o reflexo do sol medroso. É só um momento. O rio abocanha a tarde, o reflexo, os olhos corredores…

É a cidade que cospe e caga o rio. É a vida medíocre que corrompe a natureza humana e aplaude

Nada atrai, apenas seguir o curso do próprio rio

Não quero entender a dor que faz de mim um caramujo que guarda o transmissor de uma séria doença.

 

 

Ana Lúcia Castelo Branco, licenciada em letras Inglês e Português pela UFPI, divide seu tempo entre poesias, Brasília e Artes plásticas.

Total
1
Shares
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas