As inevitáveis linhas impensadas do escritor Claucio Ciarlini

 

O escritor, professor, editor, jornalista cultural, coordenador, historiador e cineasta amador Claucio Ciarlini nasceu em Teresina, mas é radicado em Parnaíba desde a infância. É formado em História pela Universidade Estadual Vale do Acaraú – Sobral – CE (2004) e Especialista em História do Brasil – FAP – Faculdade Piauiense – Parnaíba – PI (2009). Claucio atua há mais de quinze anos em prol da Literatura, da História, da Cultura e da Educação em Parnaíba. Ele é Membro da Academia Parnaibana de Letras, onde ocupa a cadeira número 23. Além disso, Claucio já publicou sete obras. Dentre as publicações, quatro são de sua autoria: Linhas Impensadas (2004), Pedido de autorização para pensar (2005), Inevitável (2009) e Parnaíba, por quem também faz por Parnaíba (2019); e três como idealizador e organizador: Versania – Coletânea Poética – 1°Ed. (2017) / 2° Ed. (2018) e Contos entre Gerações (2019). O escritor também é cofundador e editor do impresso cultural “O Piaguí”, que é um jornal cultural, literário, histórico, mensal, distribuído gratuitamente em Parnaíba, Luís Correia e outras cidades desde novembro de 2007, de forma ininterrupta, e que atualmente está na sua 147° edição. Fora o vasto currículo na carreira literária, Claucio ainda é idealizador e supervisor do Projeto Cinema e História, desenvolvido desde 2011 na escola estadual Cândido Oliveira.

“Aliado a minha família e amigos, a literatura, principalmente o ato de escrever, tem me ajudado a superar as maiores tormentas e desafios pelos quais passei na minha trajetória.” Claucio Ciarlini

Nome Completo: Claucio Ciarlini Neto

Descrição: Escritor, professor, editor, jornalista cultural, coordenador, historiador e cineasta amador

Data de Nascimento: 24/03/1981

Local de Nascimento: Teresina

Escrito por: Alisson Carvalho
Revisado por: Paulo Narley

As primeiras referências

Claucio Ciarlini, desde muito cedo, foi morar em Parnaíba-PI e lá cresceu com as influências da cidade praiana, mas foi nas viagens à Fortaleza – durante as férias – que consumiu as fitas VHS referentes aos clássicos do cinema, além de música, quadrinhos e literatura. A variação na nutrição dessas expressões artísticas foi resultado dos gostos diversificados dos seus tios, que ofereciam ao sobrinho tanto conteúdo artístico. Com a mudança de escola, na transição para o Ensino Médio, Claucio Ciarlini vivenciou um movimento efervescente na cidade, que teve como protagonista o professor, ator, cineasta e escritor A. José. Graças às inovações do professor, as aulas de literaturas se transformaram em verdadeiros laboratórios de teatro com direito a muita encenação e participação dos alunos. “O Antônio José teve uma importância extraordinária, não só para mim como para os meus colegas, tanto que alguns começaram a fazer teatro influenciados por ele. Antônio José não dava só aulas, ele encenava.”

Reconhecendo a escrita

“Eu iniciei na escrita literária com 14 anos (1996). Durante os primeiros anos, escrevi muito sobre mim e sobre aqueles que me eram próximos.” Claucio Ciarlini conheceu os clássicos da literatura por meio da educação escolar, incentivado por professores como A. José. Sua paixão se tornaria rapidamente um desejo de expressar sentimentos suprimidos e sobre o universo ao seu redor. Com o passar dos anos, Claucio começou a perceber certo amadurecimento. Quando tinha aproximadamente dezessete anos de idade, ele começou a se dedicar a temas mais profundos, que, inclusive, estavam além dos próprios sentidos. Nesse período, a sua escrita enveredou para temáticas que envolvem as mazelas sociais e os fatos históricos. Além disso, é quando o escritor passa a ser mais criterioso e cuidadoso com a sua escrita. No momento em que Claudio Ciarlini percebeu a sua responsabilidade com a Literatura, ele se reconheceu como escritor e arquitetou o seu primeiro livro, lançado aos vinte e dois anos de idade, em 2004.

A trajetória de um escritor

Claucio Ciarlini deixou Parnaíba para morar em Fortaleza com finalidade acadêmica, foi quando participou do seu primeiro concurso literário e, segundo o autor, o resultado, que não foi o esperado, revelou a sua obstinação, pois ele insistiu na literatura. Em 1999, o autor retorna à Parnaíba já se sentindo mais maduro e foi quando o escritor começou a criar um material impresso feito artesanalmente até ingressar no curso de História, em Sobral, onde organizou um concurso literário e publicou a sua primeira obra. Posteriormente, Claucio retorna para Parnaíba, formado, e lança o livro “Pedido de autorização para pensar” (2005). Depois de um hiato de dois anos, um dos primos do escritor propõe a criação de um jornal cultural com o intuito de contribuir para a cultura parnaibana, momento marcado pela criação do Piaguí, em 5 de novembro de 2007. Em 2008, Claucio Ciarlini começou a dar aulas. No ano de 2009, lançou o livro de poemas intitulado “Inevitável”, demonstrando uma qualidade maior em relação aos livros anteriores. “Inevitável” foi resultado de um período em que o autor tinha mais mecanismos de divulgação, por isso, a obra chegou a ser lançada no primeiro Salipa, evento que abriu espaço para escritores, permitindo um contato maior com os seus leitores.

“Costumo escrever sobre o cotidiano, sobre a história de lugares e pessoas, sempre mantendo uma postura crítica quando necessário.” Claucio Ciarlini

O Piaguí Culturalista

“Para mim, com sinceridade devo confessar, a equipe do Piagüí é a mais brilhante geração surgida após o Inovação, sobretudo porque infensa a radicalismos e individualismos tacanhos e improdutivos.” (Trecho do comentário escrito por  Elmar Carvalho)

O impresso cultural O Piaguí é um jornal cultural, literário e histórico com edições mensais e distribuído de forma gratuita e democrática nas cidades de Parnaíba, Luís Correia e cidades adjacentes. O jornal circula de forma ininterrupta desde novembro de 2007 e já está na sua 148° edição (referente ao mês de fevereiro de 2020). O Piaguí atua como um veículo de divulgação da arte e cultura de Parnaíba e já revelou inúmeros escritores, além disso presta um serviço para o Piauí registrando e documentando eventos, criando um canal de discussão de assuntos diversos e graças a esse reconhecimento foi eleito por algumas vezes Jornal do Ano na Semana da imprensa de Parnaíba. Além disso, o jornal foi elogiado pelo Ministro da Cultura Juca Ferreira (João Luiz Silva Ferreira) em 2014. Segundo Claucio Ciarlini, o periódico tem uma relevância inestimável para a sociedade, pois é uma forma de democratizar e romper com as fronteiras que geralmente apartam as pessoas da literatura, da arte e o veículo que revelou muitos escritores que até hoje atuam na sociedade. “O jornal, assim como meus livros e projetos, são como filhos, dos quais tenho orgulho. E principalmente quando se trata de algo que também ajuda não só a mim, mas a outras pessoas, a satisfação é ainda maior”, diz Claucio Ciarlini.

Algumas referências artísticas

Claucio Ciarlini teve fortes influências na sua escrita, apreendeu um pouco de cada arte, mas na literatura ele destaca obras como a “Mensagem” (de Fernando Pessoa), “Eu” (Augusto dos Anjos), “Beira Rio, Beira Vida” (Assis Brasil), “Elogio da Loucura” (Erasmo de Roterdam), obras que marcaram a sua vida de maneira particular. Além disso, o escritor destaca autores como Humberto de Campos e Edgar Allan Poe, que, tanto quanto os livros supracitados, possuem conteúdos densos, com filosofia e crítica capaz de inspirar e instigar o ato da reflexão e da escrita. “Outros livros me inspiraram e me serviram de motivação, mas Elogio da Loucura me tirou do eixo, me fazendo refletir e enxergar com mais clareza diversos aspectos da existência”, frisa. Segundo Claucio, o seu processo criativo é algo espontâneo e bem desapegado da rigidez e disciplina, pois ele se permite ser tocado pelas inspirações. Os temas mais recorrentes na sua escrita são o cotidiano e a história dos lugares ou das pessoas, e o autor se propõe a manter uma postura crítica em relação às suas criações.

Educar é semear novas ideias

“Costumo dizer que a literatura já me salvou de diversas formas. As formas de arte em geral por assim dizer, embora na literatura é que eu tenha conseguido mergulhar e atuar com mais profundidade”, diz Claucio Ciarlini. O escritor revela o poder que a literatura possui na sua vida, pois escrever se tornou uma forma de superar os desafios de maneira menos ríspida. Todos esses conhecimentos apreendidos no universo das artes são levados para as suas aulas, pois a rotina escolar pode ser maçante, assim, visando dinamizar mais esse ambiente, o professor nutre as aulas de história com poemas, canções, filmes, quadrinhos, teatro, entre outros elementos e ferramentas que ajudam a disciplina a não cair na monotonia. Além disso, Claucio Ciarlini é um professor preocupado com a evasão escolar e outros obstáculos enfrentados na Educação e busca constantemente meios de superar esses desafios. O escritor e professor frisa como é necessário trabalhar com a interdisciplinaridade, já que o ser humano precisa de uma educação holística e é atravessado por múltiplos fatores que influenciam no seu desempenho escolar. Para Claucio, todas as artes e os acontecimentos da sua vida influenciam o seu olhar, além de inspirar e ajudar a construir seus rascunhos. “A minha poesia é resultado desta mistura de sensações que a arte me concede”, crava. Crescer é também dar a possibilidade de nutrir quem está ao seu lado e auxiliar outros artistas na árdua tarefa de germinar e florescer, por isso, Claucio Ciarlini sempre auxiliou outros escritores nas suas trajetórias.

Contatos

Facebook.com/claucio.ciarlinineto

Instagram.com/clauciociarlini/?hl=pt-br

Blog: https://clauciociarlini.wordpress.com/

Site: https://www.opiaguivirtual.com.br/

Fotos

Vídeo

Biblioteca

Como autor

Linhas Impensadas (2004);

Pedido de autorização para pensar (2005);

Inevitável (2009);

Parnaíba, por quem também faz por Parnaíba (2019).

Como idealizador e organizador

Versania – Coletânea Poética – 1°Ed. (2017) / 2° Ed. (2018);

Contos entre Gerações (2019).

Outras fontes

http://poetaelmar.blogspot.com/2019/09/e-se-as-geracoes-se-unirem.html?m=1

https://quintacapa.com.br/janeiro-literario-versania-e-a-nova-geracao-poetica-de-parnaiba/

https://180graus.com/blog-literario/o-piagui-um-jornal-culturalista-345268

Última atualização: 17/02/2020

 

Caso queria sugerir alguma edição ou correção, envie e-mail para geleiatotal@gmail.com.

15 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar
Leia mais

Karla Holanda

Nessa semana conheceremos um pouco da história de Karla Holanda de Araújo, cineasta piauiense, natural de Parnaíba, agora…
Leia mais

Maurício Pokemon

Maurício Pokemon é um artista visual teresinense que se destaca por seus trabalhos urbanísticos altamente provocadores. O apelido…
Leia mais

Vitorino Rodrigues

Vitorino Rodrigues, natural de Demerval Lobão-PI, é licenciado em letras Português e Inglês, pela Universidade Federal do Piauí,…
Leia mais

Frida Evolet

Lá vem ela, Frida Evolet e pode ter certeza que você vai notar, afinal ela chega chegando, deixando…